Seis obras arquitetônicas para conhecer

A Catedral de Santa Maria del Fiore é o "Duomo" de Florença, Itália, e está localizada na praça homônima.

A Catedral de Santa Maria del Fiore é o “Duomo” de Florença, Itália, e está localizada na praça homônima.

Viajar, independente de qual seja o destino é uma grande oportunidade para conhecermos outras culturas e abrir a mente para novas possibilidades. Passando pelo roteiro básico ou se aventurando nos secret spots, visite todos os locais possíveis, de cafés a parques, de museus a prédios considerados marcos arquitetônicos naquele local.

O trio de arquitetas da Samaia Arquitetura, Heloisa Désirée Samaia, Maria Carolina P. Milliet Whitaker e Milena Grieco Yamaguti selecionaram seis lugares belos ao redor do globo.

Em 1º lugar, a cúpula da  Catedral de Santa Maria del Fiore, – projetada pelo arquiteto Filippo Brunelleschi. A cúpula, em forma de abóbada nunca havia sido executada até então. O projeto do Duomo que foi mantido em segredo por muitos anos, foi iniciado em 1420 e terminando em 1434.A arquiteta Milena Grieco Yamaguti fez um curso em Florença e se apaixonou pela construção. “Estava saindo de umas das ruelas da cidade e me deparei com essa Catedral, imensa e maravilhosa. Mesmo ficando um mês na cidade, todas as vezes que me deparava com ela à sensação era a mesma da primeira vez que a vi.”

O templo grego dedicado à deusa Atena, Parthenon, é o 2º lugar da lista. Sua estrutura foi feita toda em mármore branco do monte Pentélico, com início em 447 a.C, pelos arquitetos Iktinos e Kallikrates; sendo finalizado nove anos depois. “Você caminha por Atenas e ele está lá imponente, lindo e tão rico nos adornos e detalhes mesmo após séculos de construção. Muitas vezes ficava me perguntamos como algo tão grande e belo foi construído com rara tecnologia”, comenta a também arquiteta, Heloisa Désirée Samaia.

Inaugurado em 1902, o Flatiron Building – localizado entre a Broadway, 5th Avenue e 23rd Street, foi um dos primeiros prédios a serem construídos em Nova York. Devido ao desenho do terreno, em formato de ferro de passar, o edifício foi construído com esse shape diferente. O bairro que cresceu em seu entorno recebeu o nome do famoso edifício, Flatiron District. “A implantação do edifício na esquina das ruas fez com que ele ficasse leve mesmo sendo esse imenso bloco de concreto”, se impressiona a arquiteta Maria Carolina P. Milliet Whitaker.

O quarto posto é ocupado por uma das mais belas construções no Brasil, o Teatro Ópera de Arame, localizado em Curitiba. O prédio foi levantando na cratera de uma pedreira desativada em 75 dias, pelo arquiteto Domingos Bongestabs. Sua arquitetura está integrada à paisagem por meio de sua construção em vidro e tubos de aço e blocos de fundação apoiados diretamente na rocha – abrigando lago e cascata d’água.

Com construção encantadora, a desativada estação de trem em Paris, a Gare de Orsay, abriga o Museu d’orsay, nosso 5º colocado.Os arquitetos Renaud Bardon, Pierre Colboc e Jean-Paul Philippon foram os responsáveis pela adaptação estrutural. Em 1986, o mundo ganhava mais um espaço cultural rico em arquitetura e exibições.

E fechando a seleção, o Edifício Louevira em São Paulo, um dos principais símbolos arquitetônicos na cidade, criado pelo gênio, o arquiteto Vilanova Artigas. O prédio é um lindo exemplo de como a arquitetura pode dividir com a cidade, o espaço físico. A implantação da construção chama a atenção, pois, o edifício fica aberto para Praça Vilaboim, deixando o bloco de quarteirão mais verde.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br