Salvador: exposição ‘A Via Sacra’ abre as comemorações da Semana Santa no Palacete das Artes

Exposição 'A Via Sacra' de Almira Reuter nasceu numa conversa sobre entre a artista, o crítico de arte César Romero e a documentarista Renata Rocha, num jantar no bairro da Mouraria, em Salvador.

Exposição ‘A Via Sacra’ de Almira Reuter nasceu numa conversa sobre entre a artista, o crítico de arte César Romero e a documentarista Renata Rocha, num jantar no bairro da Mouraria, em Salvador.

A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, através do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, Palacete das Artes e Brasil Comunicare convidam para a abertura da exposição “A Via Sacra de Almira Reuter”, no dia 15 de março e 2016, às 19h, sob a curadoria do renomado artista visual e crítico de arte César Romero. A data foi marcada propositalmente no período da Semana Santa e para celebrar a comemoração dos 70 anos da artista no mês de março.A ocasião da Semana Santa traz em si um simbolismo que afetou não apenas a esfera religiosa do mundo ocidental, mas influenciou a criação de obras de arte que atravessaram o tempo. Os exemplos se espalham pelo mundo inteiro e na Bahia, várias formas de expressão artística apresentam temas relacionados a essa época do ano, como a última ceia, a via-crúcis, a crucificação ou os momentos imediatamente posteriores à morte de Jesus. “A Via Sacra de Almira Reuter” mostra diferentes fases do martírio de Cristo, imediatamente anteriores à crucificação, até seu sepultamento em 14 estações.

‘A Via Sacra’ de Almira Reuter nasceu numa conversa sobre entre a artista, o crítico de arte César Romero e a documentarista Renata Rocha, num jantar no bairro da Mouraria, em Salvador. Foi quando César propôs a curadoria para Almira e sugeriu que ela fosse até a feira de São Joaquim para dar um toque baiano. Almira criou sua Via Sacra e conseguiu uma atmosfera amadurecida, com uma Verônica afrodescendente. A artista apresenta os caminhos da passagem de Cristo do pretório de Pôncio Pilatos ao calvário, na maior feira livre da capital baiana, situada entre a Baía de Todos os Santos e Avenida Oscar Pontes, no Comércio.

A mostra, inédita, é composta de 14 quadros em acrílica sobre tela, com medida de 150 x 180 cm, que apresentam as 14 estações da via dolorosa de Jesus Cristo através de uma poética expressionista que reúne as riquezas da cultura afro-brasileira presentes na cultura baiana. A mostra acompanha a projeção de um DVD com imagens das pinturas e narração do César Romero. Além dos quadros que retratam o trajeto de Jesus Cristo, três sentidos humanos são provocados. Visão, audição e olfato são alcançados pela ambientação criada no espaço.

Com acesso gratuito, a exposição poderá ser visitada de 16 de março a 17 de abril, das 13h às 19h (quarta a sexta) e das 14h às 19h (sábado, domingo e feriado), no Palacete das Artes. A classificação é livre.

Sobre a artista

Almira Reuter de Miranda é uma pintora expressionista autodidata, mais conhecida por Almira Reuter. Mineira de Nanuque, foi criada entre a Bahia e Minas Gerais. Mas foi em Cuiabá que destacou-se como uma das pintoras mais premiadas do Estado do Mato Grosso. Nunca frequentou academia, tampouco estudou técnicas de pintura. Nos anos 60 mudou-se para Cárceres (MT), depois seguiu para Cuiabá (MT), onde foi reconhecida por apreciadores e críticos de arte de renome como Aline Figueredo, João Spineli e José Serafim Betoloto. No ano 2000, realizou uma exposição individual intitulada “Reminiscências de Cuyabá”, um destaque que ganhou uma tiragem 15 mil cartões telefônicos com as telas da exposição. Foi citada como referência na obra “Incomum” de Jacob Klintowitz.

Realizou exposições no Brasil e exterior, expôs no Itaú Galeria, em Goiânia (GO), em Londres, e participou da Art Expo New York na Ava Galleria. Ganhou reconhecimento em salões de arte e ganhou inúmeros prêmios, entre eles, um prêmio da FUNARTE intitulado “Obras Primas”, do qual teve participação numa exposição na FUNARTE em Brasilia. É pioneira na pintura sobre acetato, uma técnica muito complicada que reluz as pinceladas expressionistas da artista. É como se fosse uma aquarela sobre o tecido. A artista já experimentou diversas técnicas e materiais como saco de estopa, seda, chitão, filó, barbante, aço, papel, metal, barro, tecido, também fez escultura, instalação, criou bonecos de pano e atualmente vem se dedicando a pintura digital – uma descoberta. Mora em Salvador, onde se inova e traz a luz com o trajeto de Cristo.

Agenda

Abertura: 15 de março, às 19h

Visitação: 16 de março a 17 de abril, das 13h às 19h (quarta a sexta) e das 14h às 19h (sábado, domingo e feriado)

Local: Palacete das Artes

Endereço: Rua da Graça, 284 – Graça

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br