Mulheres comandam sete bases comunitárias de segurança na Bahia

Mulheres que Comandam Bases Comunitárias de Segurança Na foto: Cap. PM Sheila Barbosa, Comandante da Base Comunitária de Santa Cruz.

Mulheres que Comandam Bases Comunitárias de Segurança
Na foto: Cap. PM Sheila Barbosa, Comandante da Base Comunitária de Santa Cruz.

Entre todas as atividades diárias de uma dona de casa e de mãe com um filho pequeno, Camila Soledade tem espaço para mais uma ocupação. Ela é capitã da Polícia Militar e comanda a Base Comunitária de Segurança (BCS) do bairro do Rio Sena, em Salvador. Na Bahia, outras seis mulheres estão à frente dessas unidades e, como Camila, conseguem conciliar a rotina cheia com um trabalho que exige muita responsabilidade e amor pelo que faz.

Camila administra as tarefas da casa onde mora com a filha, Joana, de apenas um ano e dez meses, e também recebe a ajuda de outra mulher: a mãe. A aposentada Maria Eutália Soledade se orgulha da carreira de Camila e, ao mesmo tempo, se preocupa com a filha.

“Ela me dá muito orgulho. Eu vejo o quanto ela se envolve e se preocupa com as pessoas. O cuidado que ela tem com o que faz para a comunidade é bonito de se ver. Eu, enquanto mãe, não deixo de me preocupar, mas respeito muito a profissão dela e admiro também”, afirma a aposentada.

Para dar conta de tudo, a capitã acredita que não há fórmula mágica e que para todas as mulheres em posição de comando, como a dela, cada desafio é uma forma de aprendizado. “É uma correria, eu tenho vários outros filhos na unidade, na comunidade. Tem que com jogo de cintura, sabedoria, resiliência e paciência, administrando tudo. Aos pouquinhos vai dando certo”.

Para Camila, o trabalho na base comunitária “é uma experiência gratificante. Aprendo muito a cada dia com todas as pessoas à minha volta e os resultados estão aí como uma forma de resposta para a gente, enquanto polícia. Se não fosse essa correria, não estaria completa”.

Segundo o aspirante a oficial da PM e subcomandante da BCS de Rio Sena, Felipe Gomes, trabalhar com a capitã Camila tem sido um grande aprendizado. “Sobretudo por causa da postura e da forma como ela lida com o projetos que nós temos aqui e com a própria tropa. No trato com as crianças, ela tem uma sensibilidade, veio de uma comunidade carente e tem essa relação com a população”, contou o subcomandante.

Diferença de gênero

Além do Rio Sena, são comandadas por mulheres as bases da Santa Cruz, Chapada, Fazenda Coutos, Uruguai, Itabuna e Vitória de Conquista. No total, a Bahia possui 17 BCSs. Na avaliação da capitã Sheila Barbosa, comandante da unidade da Santa Cruz, a diferença entre os gêneros é menos acentuada na sociedade atual.

“Hoje a gente sabe que não existe mais a divisão ou função específica para as mulheres. Nós já estamos em todos os postos de trabalho que um dia foram destinados apenas para homens, como as policiais militares, as engenheiras e muitas outras mulheres que já romperam essa barreira”, diz.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br