Juiz Sérgio Moro autoriza busca e apreensão em casas e empresas de oito pessoas; para o Instituto Lula, a ação foi “violenta” e com o objetivo de provocar “constrangimento público”

Manifestantes pró e contra o ex-presidente Lula, protestam.

Manifestantes pró e contra o ex-presidente Lula, protestam.

Além da condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prestar depoimento à Polícia Federal, o juiz federal Sérgio Moro autorizou a realização de busca e apreensão nas casas e empresas dos três filhos do ex-presidente, Fábio Luis Lula da Silva, Sandro Luis Lula da Silva e Marcos Claudio Lula da Silva, da assessora particular, Clara Ant, do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e do ex-tesoureiro da campanha eleitoral do ex-presidente, José de Filippi Júnior.

Os empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna, donos de um sítio localizado em Atibaia (SP), frequentado pela família de Lula, também foram alvo de buscas.

Bens

Para justificar as ações, o juiz disse que é preciso investigar a fundo a “aparente ocultação e dissimulação de patrimônio”, pelo ex-presidente, por meio de reformas e aquisições de bens relacionados a uma cota comprada por Lula de um apartamento no Guarujá (SP), que não é de propriedade de Lula, e no sítio frequentado por sua família em Atibaia (SP).

“Apesar de o MPF ter reunido um acervo considerável de provas, especialmente em relação ao apartamento e ao sítio, a complexidade dos fatos, encobertos por aparentes falsidades e pela utilização de pessoas interpostas, autoriza o aprofundamento das investigações”, justificou o magistrado.

Para o Instituto Lula, a ação da Polícia Federal foi “violenta” e com o objetivo de provocar “constrangimento público” ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br