Em sessão que discutiu empréstimo, Augusto Castro responsabilizou governo da Bahia pela grave crise da água em Itabuna

Augusto Castro: “Esse é apenas um exemplo, com certeza o mais dramático e grave, da ausência do governo petista em nossa região.".

Augusto Castro: “Esse é apenas um exemplo, com certeza o mais dramático e grave, da ausência do governo petista em nossa região.”.

O deputado estadual Augusto Castro (PSDB) aproveitou a sessão que aprovou a autorização para que o Governo do Estado contrate empréstimos de mais de R$ 2 bilhões, para criticar a ausência da administração petista no Sul da Bahia. Além da falta de transparência quanto à forma como os recursos serão aplicados, o parlamentar responsabilizou diretamente o governo pelo descaso com a região, levando a consequências como a crise do abastecimento em Itabuna.

A cidade sul-baiana de 220 mil habitantes enfrenta a pior estiagem de sua história e a população sofre há mais de quatro meses com a falta de água. Para Augusto, o governo tem responsabilidade pela crise, pois não cumpriu a promessa de construir a barragem no Rio Colônia, obra que aumentaria a vazão no sistema de abastecimento e atenuaria a crise.

“Esse é apenas um exemplo, com certeza o mais dramático e grave, da ausência do governo petista em nossa região. Agora, quando o governador vem mais uma vez à Assembleia pedir autorização para contrair empréstimos, nós perguntamos: para onde vai esse dinheiro? Que benefício a população terá com esses recursos?”, indaga o deputado do PSDB.

O deputado Augusto Castro (PSDB) foi um dos que cobrou transparência e observou que a pressa do governo em aprovar a proposta a toque de caixa revela incapacidade de dialogar e de lidar com a crise. “O governo perdeu a capacidade de discutir com a classe política e o Congresso Nacional. A taxa de desemprego chega a quase 10%, a arrecadação está diminuindo e isso causa impacto nas finanças dos municípios e na queda da arrecadação do fundo de participação. No momento em que o governo estava bem, ele não fez as reformas necessárias.”, lembrou Castro.

Durante os nove anos de gestão do PT na Bahia, já foram autorizados R$ 13,5 bi em empréstimos para cobrir as despesas do governo. “Esta Casa não é extensão do Palácio de Ondina. Por aqui já foram autorizados empréstimos e não se viu presença do governo na educação e saúde no interior do estado. Para onde vão ser investidos esses recursos?”, questionou o deputado.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br