Conspiração contra a República, envolvimento do presidente da Câmara Federal em atos de corrupção e rompimento com o governo Rousseff marcam homenagem aos 50 anos do PMDB

O deputado Eduardo Cunha simboliza decrépito momento em que atravessa o PMDB.

O deputado Eduardo Cunha simboliza decrépito momento em que atravessa o PMDB.

Ainda em clima de ressaca pela decisão do Diretório Nacional do PMDB que, ontem (29/03/2016), por aclamação, deixou a base aliada do governo da presidenta Dilma Rousseff, poucos parlamentares da legenda participaram na quarta-feira (30/03/2016) da sessão solene marcada para comemorar os 50 anos do partido. A cerimônia foi na Câmara dos Deputados. Nenhum senador ou figuras históricas do PMDB, como o ex-senador Pedro Simon e ex-presidente José Sarney, compareceram, assim como o presidente da legenda, Michel Temer, vice-presidente da República.

O dever de falar sobre a importância do rompimento no momento de aniversário da legenda ficou com o advogado e ex-deputado Eliseu Padilha, vice-presidente do PMDB e ex-ministro da Aviação Civil no governo Dilma. Padilha disse que a decisão reflete o que “há décadas” a maioria dos correligionários desejava.

“De cada 10 peemedebistas, 11 queriam e querem a candidatura própria, projeto próprio correspondente ao tamanho do nosso partido. Ontem, dissemos que estamos independentes e vamos cuidar com muito zelo das eleições municipais, pavimentando a estrada para chegar em alta velocidade a 2018”, disse.

Eliseu Padilha lembrou que foi um dos fundadores do MDB que deu origem ao PMDB e afirmou que, pela história política, o partido não pode abrir mão do “protagonismo”. “Fizemos o que nossa consciência política nos determinou. Não podemos abrir mão do protagonismo nacional, não podemos abrir mão que temos ideias e soluções para os graves problemas que o país vive hoje”, completou. O ex-ministro de Dilma disse, ainda, que a legenda sempre foi fator de estabilização. “Não será agora que vai contribuir para desestabilização”, concluiu.

Diversidade

Na mesa de abertura da solenidade desta quarta-feira, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), não citou diretamente a decisão de ontem, mas, num discurso indireto, definiu o atual momento como uma “tempestade”, afirmando que o PMDB “se mostra, como sempre se mostrou, um porto seguro”, apesar de ser composto por diversidade de correntes e ideias internamente.

Cunha lembrou o papel do partido na instalação do processo democrático brasileiro e que todos os atuais partidos políticos tiveram origem no PMDB. Ao apresentar a contabilidade da legenda, o peemedebista lembrou que hoje ela tem a maior bancada na Câmara, com 69 deputados, além de sete governadores, quatro vice-governadores, 18 senadores e o vice-presidente da República.

Cunha ainda destacou o programa “Uma ponte para o futuro”, lançado pelo PMDB em outubro do ano passado e disse que esta agenda apresenta soluções para o momento de “turbulências dos últimos tempos”. “Neste momento crucial, o PMDB – que sempre soube se pautar pela defesa do interesse público – não faltou e não vai faltar com a população”, finalizou.

Envolvimento em conspiração e corrupção

O deputado Eduardo Cunha simboliza decrépito momento em que atravessa o PMDB. Partido e lideranças são acusados de conspirarem contra a República, enquanto deputado e familiares respondem a inquérito na Lava Jato, maior caso de corrupção do pais.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

Senador acusa Gilmar Mendes de ter posição política e inicia debate político Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa extraordinária para votar a Denúncia 1/2016, que trata do julgamento do processo de impeachmen...
Advogado José Eduardo Cardozo vai usar parecer do MPF sobre repasses ao Plano Safra na defesa de Dilma Rousseff O advogado da presidenta afastada Dilma Rousseff no processo de impeachment, José Eduardo Cardozo, disse na quinta-feira (14/07/2016) que o entendimen...
Fernando Henrique Cardoso critica presidenta Dilma Rousseff ao afirmar que ações do governo afugentam grandes empresas do leilão do pré-sal Fernando Henrique Cardoso: “Parece que aceitamos que 2% está bom, não está bom. Não podemos nos conformar com essa armadilha de baixo crescimento”. ...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br