Conspiração contra a República, envolvimento do presidente da Câmara Federal em atos de corrupção e rompimento com o governo Rousseff marcam homenagem aos 50 anos do PMDB

O deputado Eduardo Cunha simboliza decrépito momento em que atravessa o PMDB.

O deputado Eduardo Cunha simboliza decrépito momento em que atravessa o PMDB.

Ainda em clima de ressaca pela decisão do Diretório Nacional do PMDB que, ontem (29/03/2016), por aclamação, deixou a base aliada do governo da presidenta Dilma Rousseff, poucos parlamentares da legenda participaram na quarta-feira (30/03/2016) da sessão solene marcada para comemorar os 50 anos do partido. A cerimônia foi na Câmara dos Deputados. Nenhum senador ou figuras históricas do PMDB, como o ex-senador Pedro Simon e ex-presidente José Sarney, compareceram, assim como o presidente da legenda, Michel Temer, vice-presidente da República.

O dever de falar sobre a importância do rompimento no momento de aniversário da legenda ficou com o advogado e ex-deputado Eliseu Padilha, vice-presidente do PMDB e ex-ministro da Aviação Civil no governo Dilma. Padilha disse que a decisão reflete o que “há décadas” a maioria dos correligionários desejava.

“De cada 10 peemedebistas, 11 queriam e querem a candidatura própria, projeto próprio correspondente ao tamanho do nosso partido. Ontem, dissemos que estamos independentes e vamos cuidar com muito zelo das eleições municipais, pavimentando a estrada para chegar em alta velocidade a 2018”, disse.

Eliseu Padilha lembrou que foi um dos fundadores do MDB que deu origem ao PMDB e afirmou que, pela história política, o partido não pode abrir mão do “protagonismo”. “Fizemos o que nossa consciência política nos determinou. Não podemos abrir mão do protagonismo nacional, não podemos abrir mão que temos ideias e soluções para os graves problemas que o país vive hoje”, completou. O ex-ministro de Dilma disse, ainda, que a legenda sempre foi fator de estabilização. “Não será agora que vai contribuir para desestabilização”, concluiu.

Diversidade

Na mesa de abertura da solenidade desta quarta-feira, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), não citou diretamente a decisão de ontem, mas, num discurso indireto, definiu o atual momento como uma “tempestade”, afirmando que o PMDB “se mostra, como sempre se mostrou, um porto seguro”, apesar de ser composto por diversidade de correntes e ideias internamente.

Cunha lembrou o papel do partido na instalação do processo democrático brasileiro e que todos os atuais partidos políticos tiveram origem no PMDB. Ao apresentar a contabilidade da legenda, o peemedebista lembrou que hoje ela tem a maior bancada na Câmara, com 69 deputados, além de sete governadores, quatro vice-governadores, 18 senadores e o vice-presidente da República.

Cunha ainda destacou o programa “Uma ponte para o futuro”, lançado pelo PMDB em outubro do ano passado e disse que esta agenda apresenta soluções para o momento de “turbulências dos últimos tempos”. “Neste momento crucial, o PMDB – que sempre soube se pautar pela defesa do interesse público – não faltou e não vai faltar com a população”, finalizou.

Envolvimento em conspiração e corrupção

O deputado Eduardo Cunha simboliza decrépito momento em que atravessa o PMDB. Partido e lideranças são acusados de conspirarem contra a República, enquanto deputado e familiares respondem a inquérito na Lava Jato, maior caso de corrupção do pais.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

Juiz Sérgio Moro veta parte de perguntas da defesa de Eduardo Cunha ao correligionário peemdebista presidente Michel Temer Presidente Michel Temer (PMDB) não tem muito o que se preocupar, juiz Sérgio Moro evitou perguntas constrangedoras. O juiz federal Sérgio Moro decid...
Durante vistia a Bahia, presidenta Dilma Rousseff incentiva moradores a investirem na valorização do Minha Casa Minha Vida Dilma Rousseff : "Temos recursos e não vamos interromper nenhum programa social. O dinheiro que esse país tem é para ser gasto com a população e será...
Tempo de inelegibilidade do ex-deputado Eduardo Cunha pode ser maior do que oito anos, diz professor O ex-deputado federal Eduardo Cunha foi preso na quarta-feira (19/12/2016) e transferido de Brasília para a sede da Polícia Federal em Curitiba. O t...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br