EUA e mais 11 países assinam Acordo Transpacífico

Barack Obama, presidente dos Estados Unidos. Para entrar em vigor, maior tratado de livre-comércio da história precisa ser ratificado por parlamentos. Analistas veem pacto como resposta ao crescente poder econômico e influência da China na região.

Barack Obama, presidente dos Estados Unidos. Para entrar em vigor, maior tratado de livre-comércio da história precisa ser ratificado por parlamentos. Analistas veem pacto como resposta ao crescente poder econômico e influência da China na região.

Os EUA e mais 11 países assinaram nesta quinta-feira (04/02/2016) o Acordo de Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês), o maior acordo de livre-comércio da história. O pacto, que vai englobar cerca de 40% da economia mundial e 800 milhões de pessoas, precisa ser ratificado pelos parlamentos dos 12 países para entrar em vigor.

A nova parceria – que envolve EUA, Austrália, Canadá, Brunei, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Cingapura e Vietnã – não inclui, de forma intencional, a China. Analistas afirmam que o pacto é uma tentativa de conter o crescente poder econômico e influência de Pequim na região.

“A parceria permite que os EUA – e não países como a China – escrevam as regras da estrada do século 21”, afirmou o presidente americano, Barack Obama, em comunicado, após a assinatura do acordo em Auckland, na Nova Zelândia.

Apesar dos comentários de Obama, os EUA também procuraram minimizar qualquer retórica anti-China. O representante americano de Comércio Exterior, Michael Froman, disse que o acordo “não está voltado contra um país em particular, mas rumo ao estabelecimento de padrões mais altos para a região”. “É importante ter uma relação econômica construtiva” com a China, afirmou.

Pequim não comentou o acordo, mas disse que seus funcionários estudam o documento, que tem 6 mil páginas e que somente foi divulgado após a finalização das negociações. O Ministério do Comércio chinês afirmou que o país “participaria ativamente e facilitaria acordos de livre-comércio altamente transparentes, abertos e inclusivos na região”.

Enquanto os 12 ministros de Comércio Exterior apertavam suas mãos em Auckland, milhares de manifestantes bloqueavam ruas para protestar contra o pacto. Eles afirmam que o TPP vai custar empregos e gerar impacto sobre a soberania dos países da região da Ásia-Pacífico.

O economista americano e ganhador do Prêmio Nobel Joseph Stiglitz acredita que o tratado “pode vir a ser o pior acordo comercial em décadas”. “Em 2016, deveríamos esperar pela derrota do TPP e o início de uma nova era de acordos comerciais que não recompensem os poderosos e punam os fracos”, escreveu recentemente no jornal britânico The Guardian.

Outras publicações

UE coloca Grécia sob supervisão para combater crise econômica Após 11 anos de dados manipulados, confiança da UE na Grécia está abalada. Pela primeira vez, Bruxelas supervisiona de tal forma país-membro do bloco....
Confrontos após ataque talebã deixam 35 mortos, diz Paquistão Ao menos 11 soldados do Paquistão e 24 militantes do Taleban foram mortos em confrontos perto da fronteira do país com o Afeganistão, segundo informar...
Demanda por água na América Latina cresceu 76% em 15 anos Relatório do Pnuma destaca desafios ambientais para a região, como o aumento da escassez de água; estudo cita exemplos positivos, como a reciclagem no...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br