Carnaval 2016 – Salvador: Prefeitura e governo do Estado comemoram bom resultado

A cantora Claudia Leitte encerrou a sua participação na folia arrastando mais de 3.500 foliões no Barra-Ondina.

A cantora Claudia Leitte encerrou a sua participação na folia arrastando mais de 3.500 foliões no Barra-Ondina.

Cena do carnaval 2016 em Salvador.

Cena do carnaval 2016 em Salvador.

Durante sete dias, cerca de 2 milhões de pessoas curtiram o carnaval em Salvador. Segundo balanço divulgado nesta tarde pelo governo da Bahia, 560 mil eram turistas de diversos estados e de outros países. Da última quarta-feira (3) até o dia de ontem (09/02/2016), o movimento da festa injetou na economia local de R$ 840 milhões a R$ 1,2 bilhão, informou o secretário de Turismo do estado, Nelson Pelegrino.

“São 230 mil empregos gerados, direta e indiretamente. Fiquei muito feliz, porque os turistas elogiaram a segurança da festa e o carnaval pipoca [atrações de graça e trios sem cordas]. A nossa ocupação hoteleira teve média de 97% e de 100% nos hotéis próximos ao circuito”, disse o secretário, em entrevista coletiva.

Os índices de violência caíram no carnaval este ano. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, 45 pessoas foram conduzidas à delegacia e 11, presas em flagrante durante os dias de carnaval. Foram registradas cinco ocorrências por tentativa de homicídio (uma a menos que no ano passado); os casos de lesão corporal caíram 6,9% e os de roubo, 3,5%. Duas pessoas morreram neste ano, mesmo número do ano passado.

Segundo a Secretaria de Segurança, a diferença é que, em 2016, nenhuma das ocorrências foi por arma de fogo, e sim por arma branca. O secretário Maurício Barbosa disse que, no ano passado, 21 pessoas foram feridas por arma de fogo e, neste ano, nenhuma. “Neste ano, planejamos a construção dos portais de abordagem, que foram a marca da segurança no carnaval. Muitos turistas e pessoas que foram abordadas e passaram pela revista da polícia disseram que se sentiram mais seguras. E isso deu a demonstração de eficácia, do ponto de vista da área de saúde, com uma menor ocorrência de casos graves.”

Nos 48 portais de entrada para todos os circuitos do carnaval, a Polícia Militar apreendeu duas armas de fogo e 64 armas brancas. A média foi de 22 mil pessoas revistadas por hora.

Quanto ao lixo nas ruas, mais de 80 toneladas de resíduos sólidos foram coletados durante os dias de folia. A maioria era de materiais recicláveis, como alumínio, garrafas pet e objetos de plástico. Cerca de 1,5 mil trabalhadores fizeram a coleta do lixo e o material que podia ser reaproveitado foi encaminhado para cooperativas de reciclagem.

O Detran informou que, nas ruas da capital, 1.040 motoristas fizeram o teste do bafômetro e 96 se recusaram a fazer o exame ou foram reprovados por causa do índice de álcool no sangue. Um condutor foi preso por dirigir embriagado. O Detran multou 292 motoristas e apreendeu 100 carros, que poderão ser retirados do pátio a partir de amanhã (11).

Tropicália, a próxima  homenageada

Para o secretário estadual de Cultura, Jorge Portugal, o carnaval do Pelourinho foi “exemplo de civilidade”, por não ter registrado nenhuma ocorrência grave. A festa do Pelô, como é conhecido o local, homenageou este ano os 100 anos do samba e, no próximo, celebrará os 50 anos da Tropicália, movimento que surgiu em 1967, reunindo vários estilos, e revolucionando a história da música brasileira. Entre os nomes mais destacados da Tropicália, estão os baianos Gilberto Gil, Caetano Veloso e Gal Costa.

Jorge Portugal fez um apelo à prefeitura de Salvador para que “abrace” o mesmo tema. “Por ser um tema tão importante para a Bahia, proponho que a prefeitura abrace também. É um tema que costura todos os nossos afetos culturais e musicais e está acima de diferenças partidárias”, afirmou o secretário.

Em entrevista na qual apresentou o balanço da prefeitura sobre o carnaval, o prefeito ACM Neto rebateu a proposta, dizendo que não tem autoridade para decidir o tema do carnaval do ano que vem. ACM Neto explicou que esse tipo de decisão cabe ao Conselho do Carnaval, do qual fazem parte inclusive representantes da sociedade civil.

Segundo dados da prefeitura, na comparação com o ano passado, os atendimentos de saúde aumentaram 13% nos postos fixos e nos que foram instalados nos circuitos. A maioria dos casos era relacionada a agressões físicas, intoxicações alcoólicas e dores nas pernas.

As informações da Secretaria estadual de Saúde mostram que 153 pessoas tiveram resultado positivo para sífilis, 22 para HIV e cinco para hepatites virais. Os testes foram feitos nos postos Fique Sabendo, distribuídos pelos circuitos da cidade.

Patrocínio exclusivo continua

A prefeitura apreendeu 55.338 latas de bebidas este ano, com aumento de 42% sobre o toal apreendido em 2015. As apreensões foram feitas devido à venda de marcas diferentes da patrocinadora oficial do carnaval. Sobre a exclusividade de vendas da marca nos circuitos de carnaval deste ano, ACM Neto esclareceu que o contrato com a cervejaria terminou neste ano, mas que a modalidade de patrocínio vai ser mantida. “A empresa aceitou patrocinar metade dos custos do carnaval, que totalizaram R$ 50 milhões”, informou o prefeito.

“Com a responsabilidade que eu tenho, de prefeito, que tem que pagar a conta todo mês, sobretudo em ano de crise econômica, só posso ressaltar a criatividade da prefeitura em arrecadar essa verba com o patrocínio de um só produto. [O patrocínio] viabiliza essa grande festa, ajuda e é decisivo para que a cidade tenha investimentos, obras e ações nos 365 dias do ano”, acrescentou ACM Neto. Ele considerou positivo o carnaval de 2016 e revelou que o carnaval do próximo ano já começa a ser planejado.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br