ALBA: Oposição diz que mensagem do governador é “repeteco de promessas não cumpridas em 2015”

Deputados do Bloco de Oposição na Alba.

Deputados do Bloco de Oposição na Alba.

A bancada de oposição na Assembleia Legislativa considerou a mensagem do governador Rui Costa de abertura do ano legislativo de 2016 um repeteco do discurso de 2015, com a reedição das promessas feitas e não cumpridas. Os parlamentares oposicionistas avaliaram que a sociedade baiana não tem do que se orgulhar de uma gestão que fecha o balanço do seu primeiro ano com índices negativos em áreas essenciais como segurança, educação e saúde e com a flagrante ausência de planejamento e de investimentos em obras estruturantes capazes de colocar, de fato, o Estado no circuito do desenvolvimento sustentável.

“Numa extensa fala de mais de duas horas o governador patinou por ações de varejo, sem apresentar a concretização das ações macro e relevantes para a Bahia anunciadas em seu discurso de posse”, criticou o líder da oposição, deputado Sandro Régis (DEM).

Para a oposição ao invés de avançar em conquistas e benefícios, o governo Rui Costa priorizou e executou com maestria um “pacote de maldades” penalizando ainda mais a população com aumento de impostos, a exemplo  das taxas do Detran e do ICMS que incidiu sobre o preço da gasolina, além de retirar dos servidores estaduais direitos conquistados como a extinção da estabilidade, da licença prêmio e das férias remuneradas, além do aumento da contribuição do Planserv e do reajuste salarial parcelado e abaixo da inflação.

Segundo Sandro Régis, o que se viu foi o governador renovar promessas de executar obras que se arrastam desde o governo de Jaques Wagner e que continuam inacabadas ou sequer foram iniciadas, a exemplo das 11 policlínicas que deveriam ser construídas ainda em 2015 e que até o momento nenhuma delas foi levantada. O democrata citou ainda a contratação de obras de construção, ampliação e reformas de escolas e hospitais em diversos municípios baianos, que estão paralisadas ou sem conclusão, como os hospitais de Feira de Santana, Ilhéus, de Jequié, a emergência do HGE, além das obras dos aeroporto de Ilhéus, Barreiras e o de Vitória da Conquista. ” Mais uma vez o governador Rui Costa renova factóides e a pergunta que fica é se ouviremos esse mesmo discurso ano que vem” , ironizou o líder.

O tucano Adolfo Viana lembrou que nenhuma sala de aula foi criada em 2015 e o governador cita em sua mensagem as visitas que fez às escolas públicas da Bahia. “Ora, o governador precisa entender que assim como a obra sem fé é morta, visitas sem ações efetivas também são nulas”, disparou o deputado.

O vice-líder da oposição, Pablo Barrozo (DEM), foi enfático: “A Bahia não tem o que comemorar numa gestão que valoriza a barganha e os interesses políticos em detrimento da eficiência, do avanço social e do planejamento técnico voltado para as necessidades da população”, disse.

Sandro Régis ainda complementou que a Bahia feliz, segura e bem administrada citada pelo governador só existe na propaganda do PT de Dilma e Rui Costa. E ponderou: “A se repetir o que ocorreu em 2015, os baianos amargarão mais um ano de estagnação, obras paralisadas, desemprego e insegurança”.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br