A lição das cinzas

Papa Francisco tem estimulado o Ecumenismo.

Papa Francisco tem estimulado o Ecumenismo.

Não só a Igreja Católica reverencia o tempo quaresmal. Também as Igrejas Luterana, Presbiteriana, Anglicana e outras Igrejas Cristãs debruçam-se à face do mistério do Cristo que foi crucificado e ressuscitou.

As cinzas, impostas na fronte dos fiéis, constituem uma lição de vida. Revelam a transitoriedade das coisas. Advertem que as vaidades são ilusórias.

O Papa Francisco tem estimulado o Ecumenismo. Em sintonia com o Papa, a Campanha da Fraternidade, que antes era católica, agora é Campanha da Fraternidade Ecumênica.

Em 2016 o tema escolhido foi este: “Casa Comum, nossa responsabilidade”. Este tema contém um apelo ambiental. Todos devemos preservar a Casa Comum, a Natureza, os rios, o mar, as florestas, bens que não constituem propriedade individual, mas coletiva. O saneamento básico deve ser levado a efeito pelos Poderes Públicos, com a participação de todos nós. A saúde, principalmente a saúde preventiva, não se limita à soleira de nossas casas ou apartamentos. Um grande esforço nacional deve ser realizado para que todas as pessoas possam desfrutar de uma boa saúde.

Jesus Cristo pode estar em toda parte.  Mas está sobretudo nas favelas, nos hospitais, nas prisões. Ali onde estão os pequeninos, os desabrigados, os marginalizados, ali está o Cristo Libertador, como anúncio de Esperança, consolo dos aflitos, auxílio dos que sofrem.

Façamos coro ao Profeta Amós, como nos pede a Campanha da Fraternidade 2016 : “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca”.

(Livro de Amós, 5, 24).

A fim de provar que o pó presente é verdadeiro, não obstante de difícil apreensão, ou seja, que já somos pó, Vieira desenvolve rigorosa argumentação, vazada num estilo límpido e elegante. Não foi sem razão que Rui Barbosa deu três conselhos a todos aqueles que pretendam apenas aprender Português. Primeiro conselho: ler Vieira. Segundo conselho: reler Vieira. Terceiro conselho: ler mais uma vez Vieira.

Quando coloca as cinzas na fronte do fiel o celebrante pronuncia uma frase em Latim: “Memento homo, quia pulvis es, et in pulverem reverteris.” (Lembra-te, homem, de que és pó e em pó te hás de tornar.

Esta advertência pode provocar outras, em nosso espírito:

Lembra-te, tu que exerces função pública de destaque e deténs uma cota de poder, tua função é transitória, os que hoje te bajulam amanhã te desprezarão, procura servir com devotamento à causa pública pois o que fizeres de bom será consolo e alimento de tua alma quando a penumbra chegar.

Lembra-te, tu que estás a produzir tesouros no domínio das ciências, das artes ou das letras, os dotes do espírito podem fenecer e nem mesmo tens a garantia de desfrutar para sempre de lucidez intelectual. Foge do orgulho e da empáfia.

Lembra-te, tu que estás vivo e fulgurante, que o túmulo é o teu destino final. Respeita a reverencia a morte, cultiva a memória dos que partiram.

As cinzas dizem a todos, cristãos ou não cristãos, crentes ou incrédulos, que tudo é passageiro porque realmente somos pó e em pó haveremos de nos tornar.

*João Baptista Herkenhoff, Juiz de Direito aposentado (ES), professor e escritor.

Sobre o autor

João Baptista Herkenhoff
João Baptista Herkenhoff possui graduação em Direito pela Faculdade de Direito do Espírito Santo (1958) , mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1975) , pós-doutorado pela University of Wisconsin - Madison (1984) e pós-doutorado pela Universidade de Rouen (1992) . Atualmente é PROFESSOR ADJUNTO IV APOSENTADO da Universidade Federal do Espírito Santo. Contato: Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Departamento de Direito. Avenida Fernando Ferrari, 514 | Goibeiras 29075-910 - Vitoria, ES - Brasil | Home-page: www.jbherkenhoff.com.br |E:mail: jbpherkenhoff@gmail.com | Telefone: (27)3335-2604