Poupança fica positiva em dezembro, mas no ano retirada é a maior desde 1995

O saldo negativo da poupança em 2015 chegou a R$ 53,567 bilhões

O saldo negativo da poupança em 2015 chegou a R$ 53,567 bilhões

Depois de 11 meses seguidos de resgate líquido (descontados os depósitos) da poupança, os brasileiros voltaram a aplicar dinheiro em dezembro. No último mês do ano, a captação líquida (depósitos superiores aos saques) ficou em R$ 4,789 bilhões. Apesar do resultado positivo, essa foi a menor captação líquida registrada em dezembro desde 2011 (R$ 3,589 bilhões).

Mesmo com o resultado positivo de dezembro, no acumulado do ano a poupança registrou a maior retirada líquida, na série histórica iniciada em 1995. O saldo negativo do ano ficou em R$ 53,567 bilhões. O BC não registrava retirada líquida anual desde 2005 (R$ 2,720 bilhões).

Em 2015, os depósitos somaram R$ 1,906 trilhão e os saques, R$ 1,959 trilhão. Os rendimentos chegaram a R$ 47,430 bilhões e o saldo ficou em R$ 656,589 bilhões.

O diretor da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac), Miguel de Oliveira, lembrou que no último mês do ano é comum haver mais depósitos em poupança devido a renda extra com o décimo terceiro salário.

Segundo Oliveira, três fatores explicam o resultado negativo de 2015. Um deles é que a poupança está rendendo menos que fundos de investimento. “A rentabilidade dos fundos é maior, o que levou muita gente a resgatar dinheiro da poupança e ir para os fundos.”

De acordo com o diretor, o rendimento da poupança está em 8,07%, enquanto dos fundos é de 11,48% ao ano. “Se forem descontados Imposto de Renda e taxa de administração, que varia em cada instituição a partir de 0,5%, o rendimento dos fundos fica em cerca de 10%”, acrescentou Oliveira.

Além de perder para os fundos de investimento, o rendimento da poupança é corroído pela inflação. A expectativa é que a inflação tenha alcançado 10,5% em 2015, acima, portanto, dos rendimentos da poupança.

O terceiro fator que explica a retirada dos recursos da poupança é a menor renda da população, com o aumento da inflação e do desemprego. “Tivemos um ano muito difícil, com inflação alta, queda de renda das famílias, juros e impostos elevados e agora com o desemprego crescendo. Isso fez com que muita tivesse que resgatar recursos da poupança para complementar o orçamento. De outro lado, com essas dificuldades menos pessoas tinham dinheiro para guardar.”

Para 2016, a expectativa é “piorar esse quadro porque o desemprego vai crescer e a inflação continuará elevada”. “O que gerou esse resgate maciço de recursos da poupança estará presente em 2016.”

Conforme Miguel de Oliveira, a expectativa é que o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC volte a elevar a taxa básica de juros, a Selic, para conter a inflação. A alta da Selic torna os fundos de investimento ainda mais atrativos.

Outras publicações

Deputado distrital, Leonardo Prudente, gravado guardando dinheiro na meia deixa o Democratas Acusado de ser um dos beneficiários do esquema de cobrança de propinas investigado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) no Distrito Federal, o depu...
Instituições financeiras projetam inflação de 10,44% este ano e de 6,7% em 2016 Dragão inflado em frente ao Congresso Nacional simboliza inflação, juros altos e desemprego. A projeção de instituições financeiras para a inflação,...
Delegação ucraniana visita o Congresso Nacional Delegação ucraniana visita o Congresso Nacional. Uma comitiva de parlamentares e representantes de empresas estatais ucranianas, acompanhada pelo em...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br