“Férias coletivas da Ford em Camaçari é reflexo da desaceleração econômica brasileira”, afirma presidente da ABRH Bahia

Cezar Almeida  - Presidente da ABRH Bahia.

Cezar Almeida – Presidente da ABRH Bahia.

Cezar Almeida afirma também que empresas e colaboradores devem ficar atentos ao ambiente de trabalho.Com a decisão das férias coletivas na fábrica da Ford em Camaçari, anunciada aos colaborados na última terça-feira (19/01/2016), o presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH Bahia), Cezar Almeida, declarou que a desaceleração da economia tem feito com que as empresas ajustem o planejamento também para 2016, como ocorreu no ano anterior. Para ele, os números divulgados pelas organizações nacionais e internacionais têm sido preocupantes para o mercado de trabalho.

“Estas férias coletivas na fábrica da Ford em Camaçari é reflexo que a desaceleração econômica brasileira registrada em 2015 continua em 2016. Ainda ontem, o FMI previu uma queda para o PIB do Brasil de 3,5% neste ano. Estes números preocupam o mercado de trabalho, porque teremos inevitavelmente uma redução das vagas de emprego”, afirma.

Ainda de acordo com Almeida, os colaboradores e as empresas precisam ficar atentos a toda esta movimentação e que, apesar do cenário pessimista, seja mantido um excelente ambiente de trabalho, condição fundamental para o engajamento e o aumento de produtividade.

“As empresas precisarão de funcionários cada vez mais engajados e com mais produtividade para que consigam permanecer no mercado. Se, por um lado, teremos que reduzir as vagas, por outro, é preciso investir nos que permanecem trabalhando na companhia”, completa.

De acordo com o comunicado da Ford, as férias coletivas abrangerão os empregados operacionais e administrativos ligados diretamente à produção da fábrica de Camaçari, entre os dias 08 e 26 de fevereiro. O Complexo Industrial Ford Nordeste gera mais de 8 mil empregos diretos, além de 80 mil postos de trabalho indiretos.

As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), em parceria com o DIEESE, SEADE e SETRE, mostram que, em novembro do ano passado, a taxa de desemprego total da Região Metropolitana de Salvador (RMS) chegou a 19,6% da População Economicamente Ativa (PEA).

Também de acordo com a SEI, o Indicador de Confiança do Empresariado Baiano (ICEB), índice que avalia as expectativas das entidades representativas do setor produtivo do estado, revelou um quadro de maior pessimismo em dezembro, com o indicador marcando -479 pontos, ante o registro de -460 no mês anterior.

Outras publicações

Deputada Graça Pimenta discursa sobre a estiagem que atinge a Bahia Graça Pimenta: “Estudioso no assunto, o economista Celso Furtado afirma que a seca não é a responsável pela miséria das pessoas. Ele responsabiliza a...
Empresas baianas estão entre as PMEs que mais crescem no Brasil Deloitte atua no Brasil desde de 1911. A Deloitte, em parceria com a revista Exame PME, da Editora Abril, apresenta os resultados da 9ª edição da pe...
Programa Mais Médicos vai criar seis cursos de medicina no interior da Bahia Programa Mais Médicos cria cursos de medicina no interior da Bahia. O secretário estadual da Saúde, Washington Couto, e o secretário Nacional de Ges...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br