Deputada Fátima Nunes questiona precariedade das creches em Salvador

Vista aérea de Salvador. Deputada Fátima Nunes questiona precariedade das creches.

Vista aérea de Salvador. Deputada Fátima Nunes questiona precariedade das creches.

A deputada estadual Fátima Nunes (PT) disse estar preocupada com a situação das creches em Salvador. Os recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos profissionais da Educação (Fundeb) destinados ao atendimento de crianças de zero a cinco anos não estão sendo repassados pela Prefeitura para as creches conveniadas. “Tenho recebido diversas reclamações de mães impossibilitadas de trabalhar por falta de vagas em creche na capital baiana”.

A deputada participou na manhã desta quinta-feira (21/01/2016) de reunião com o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Antonio Idilvan, juntamente com o governador Rui Costa, na UPB – União dos Municípios da Bahia. No evento, o gestor afirmou que 264 creches, em 152 municípios, terão as obras concluídas ainda este ano na Bahia. “O governador, inclusive, se comprometeu com os municípios a doar terrenos para a construção de creches”, sinalizou Fátima Nunes.

Fátima Nunes reproduziu denúncia da Central das Creches do Brasil, onde o presidente Clériston Silva, informa que “esteve em Brasília, em dezembro último, e pegou relatório no FNDE, comprovando que a prefeitura não apresentou nova proposta solicitada pelo governo Federal, o que seria necessário para a liberação de recursos para a construção de 41 creches em Salvador”. Certamente, foi esse o motivo que levou o governo a suspender os repasses, sugere a deputada. “O meu mandato luta pela educação integral para as crianças. O processo começa com a educação infantil e a responsabilidade pelo funcionamento das creches é do município. A verba existe, portanto não tem como aceitar a falta de vagas”.

“A Central informou que o Fundeb destinou recursos da ordem de R$ 2.971,24 por criança de zero a cinco anos, para 148 creches de Salvador conveniadas ao município, no ano passado, só que a prefeitura só fez o repasse para 59 dessas unidades. Além disso, as 59 unidades que assinaram o convênio só receberam 40% dos recursos, ficando os outros 60% na conta da Secretaria de Educação”, salientou a parlamentar. Segundo ela, a Central denunciou que a prefeitura prometeu através de um aditivo que faria o repasse dos 60% retidos, mas até agora as creches não receberam o valor total.

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.