Senador Lindbergh Farias diz que reformas trabalhista e previdenciária são “suicídio político”

Para Lindbergh Farias, falar em reforma previdenciária e trabalhista é colocar entidades da sociedade civil contra o governo.

Para Lindbergh Farias, falar em reforma previdenciária e trabalhista é colocar entidades da sociedade civil contra o governo.

As reformas trabalhista e da Previdência, defendidas pelo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, são “suicídio político”, segundo o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). Após participar de reunião no Ministério do Trabalho e Emprego, o senador informou aos jornalistas que as propostas não têm chance de aprovação no Congresso.

“A chance de emendas constitucionais como essas passarem é zero. Uma parte da base, como eu e outros, não votará e certamente a oposição também não vai votar.”, afirma senador Lindbergh Farias.

Na semana passada, Barbosa disse que, além de encaminhar ao Congresso Nacional uma proposta de reforma da Previdência nos próximos seis meses, o governo pretende avançar na reforma trabalhista em 2016.

Segundo o ministro, a Previdência é a principal fonte de gastos primários do governo. A proposta pode incluir uma idade mínima para aposentadoria ou flexibilizar a fórmula 85/95 para aumentar a pontuação requerida para receber o benefício integral.

“Falar em reforma previdenciária e trabalhista é colocar entidades da sociedade civil contra o governo”, afirmou o senador. Segundo ele, a tentativa de acenar para o mercado pode comprometer a relação com movimentos sociais e trabalhadores.

“São reformas muito difíceis que só se fazem quando o governo está bem, consolidado, com grande apoio popular e não em um clima de guerra política”. Conforme o parlamentar, essas pessoas que foram às ruas “fizeram passeatas contra o impeachment. Do ponto de vista político, é um erro desmobilizar esse pessoal”.

De acordo com Barbosa, as discussões com as centrais sindicais sobre esses temas estão avançando, inclusive com chance de mudanças na legislação trabalhista no próximo ano. Os debates são feitos no âmbito no Fórum Nacional de Previdência e Trabalho, cuja primeira reunião ocorreu em setembro, com a presença de representantes de trabalhadores, empresários, aposentados e pensionistas. Os debates resultarão em propostas conjuntas a serem enviadas ao Congresso.

Farias disse ainda que o mais importante nesse momento é recuperar a capacidade do Brasil crescer e proteger os empregos. “A gente sabe que só vai melhorar a situação fiscal quando o país começar a crescer. Não tem jeito. Temos de ter medidas de estímulo ao crédito, estudar medidas para colocar o país para crescer.”

O senador participou de reunião com o ministro do Trabalho e Previdência Social, Miguel Rossetto, representantes sindicais e parlamentares para tratar das demissões de trabalhadores anunciadas pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Segundo ele, as reformas trabalhista e da Previdência não foram tratadas na reunião.

*Com informações da Agência Brasil.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br