Paulo Skaf anuncia apoio da Fiesp a processo de impeachment da presidenta Dilma

Para Paulo Skaf, estar a favor do processo de impeachment não é nenhum julgamento ou pré-julgamento.

Para Paulo Skaf, estar a favor do processo de impeachment não é nenhum julgamento ou pré-julgamento.

Governador Geraldo Alckmin e Paulo Skaf, presidente da Fiesp. União conservadora favorável ao golpe.

Governador Geraldo Alckmin e Paulo Skaf, presidente da Fiesp. União conservadora favorável ao golpe.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Skaf, anunciou na segunda-feira (14/12/2015) que a Fiesp vai apoiar o processo de impeachment da presidenta da República Dilma Rousseff. O anúncio foi feito após reunião do Conselho de Representantes da Fiesp com as diretorias da Fiesp e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp). Segundo Skaf, o apoio foi aprovado por unanimidade.

“É importante que se diga que estar a favor do processo de impeachment não é nenhum julgamento ou pré-julgamento. É estar a favor do andamento do processo de impeachment. Cabe ao Congresso Nacional julgar”, afirmou Skaf.

De acordo com o presidente da entidade, o apoio ao processo de impeachment foi tomado por causa da situação política e econômica do Brasil. Skaf negou que  a entidade tenha avaliado a possibilidade de também se manifestar favoravelmente ao afastamento do presidente da Câmara dos Deputados,Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que é do mesmo partido de Skaf e do vice-presidente da República Michel Temer. “O que foi levantado na reunião é que poderíamos, em um outro momento, tratar sobre o processo contra Cunha. Não hoje, porque o foco era o processo de impeachment aceito pelo presidente da Câmara.

Pesquisa com empresários

Conforme Paulo Skaf, a decisão foi tomada após o resultado de uma pesquisa realizada pelo Departamento de Pesquisas e Estudos da Fiesp indicando que 91% dos empresários paulistas apoiam o processo de impeachment da presidenta da República Dilma Rousseff. Dos empresários ouvidos, 5,9% manifestaram-se contra o impeachment e 3,1% não responderam.

Com relação às empreas, a pesquisa registrou 85,9% de apoio ao impeachment, contra 4,9%. Dos consulgados, 9,7% não responderam. Os empresários também se mostraram favoráveis ao posicionamento da entidade sobre o processo de impeachment: 91,9% dos entrevistados defenderam que a Fiesp deveria se posicionar publicamente sobre o tema.

Segundo a entidade, o objetivo da pesquisa, em que foram ouvidas 1.113 empresas de um universo de 153 mil existentes no estado, foi levantar a opinião de parte da indústria de São Paulo sobre a possibilidade da presidenta Dilma Rousseff sofrer um processo de impeachment. O questionário foi preenchido por proprietários, presidentes ou diretores. A consulta foi realizada entre os dias 9 e 11 de dezembro

Skaf disse que a pesquisa é feita mensalmente pela Fiesp com as empresas paulistas sobre variados assuntos: energia, inflação, décimo terceiro salário, entre outros. Dessa vez, a ideia foi ouvir a opinião dos empresários sobre o impeachment. Cerca de 8,4 mil questionários foram enviados, mas somente 1.113 respondidos.

*Com informações da Agência Brasil.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br