Quitéria e o Bando de Cleonice:

Capa do livro 'Quitéria'.

Capa do livro ‘Quitéria’.

Prêmio Fama.

Prêmio Fama.

Prêmio Fama: Quitéria e o Bando de Cleonice: ficção e realidade se misturam na saga da heroína feirense.

A saga da heroína feirense Maria Quitéria na Guerra da Independência da Bahia é contada na nova obra do escritor feirense Alberto Peixoto. O livro “Quitéria e o Bando de Cleonice” é resultado de uma ampla pesquisa histórica feita pelo próprio autor durante três anos. A história tem resquícios fictícios que se confundem com a realidade, proporcionando ao leitor uma verdadeira viagem no tempo.

No enredo criado por Peixoto, Maria Quitéria e Cleonice – uma negra fugida que lidera um bando de saqueadores – lutam juntas na Guerra da Independência. Quitéria de forma oficial, após alistar-se nas Forças Armadas usando a identidade de homem. E Cleonice de maneira “clandestina”, entrando no combate contra os portugueses pelo simples e puro sentimento de amor a pátria.

Através de sua narrativa, Peixoto consegue levar o leitor aos cenários perfeitamente detalhados da Feira de Santana do século XIX. Utensílios domésticos, vestimentas e outros objetos da época compõem a história de forma bastante natural. A característica linguística do período colonial, marcada pela forte influência dos portugueses, dos negros escravos, e da falta de escolaridade, é outro aspecto evidenciado perfeitamente na obra.

O contexto social é bastante presente em situações que mostram singularidades do coronelismo na época, desde a questão política entre fazendeiros e comerciantes, à relação dos coronéis com seus escravos e “escravas-amantes”. Em sua quinta obra, Peixoto consegue estabelecer uma linha tênue entre ficção e realidade, um dos aspectos mais difíceis de serem alcançados dentro de um processo criativo. E demonstra uma maturidade literária que o consolida como um dos principais escritores baianos na atualidade.

Lançamento

O livro “Quitéria e o Bando de Cleonice” será lançado no dia 26 de novembro, no Hotel Fazenda Amoras, em Santo Antônio de Jesus. Na oportunidade o autor receberá das mãos da atriz Aline Riscado, a “Verão” da Itaipava, o prêmio Fama de melhor escritor do recôncavo baiano pelo sétimo ano consecutivo. Em Feira de Santana será na Cidade da Cultura no dia 10 de dezembro às 20 horas.

Apois

O livro é apoiado pelo programa de incentivo municipal da Prefeitura de Feira de Santana Pró-Cultura/Esporte, através da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer e da Fundação Egberto Tavares Costa, tendo com patrocinadores oficiais o hospital EMEC e o laboratório Pró-Diagnóstico.

Além desses parceiros, o livro também possui apoio da Comercial Coroa, Petty Modas, Cliori, Jornal Fama e da Produtora Cultural Aloma Galeano: Produção Cultural e Eventos.

*Por Ordachson Gonçalves.

Outras publicações

Privatizaram o espaço público de Feira de Santana O espaço público do Centro de Feira de Santana, na realidade, atual, pode ser vista como uma fábrica de perversidades, não só para os pedestres como p...
Fazendários fazem grande mobilização e demonstram força O Encontro Estadual dos Agentes de Tributos, ocorrido na última sexta-feira (23/09/2015), reuniu cerca de 450 colegas, incluindo vários auditores fisc...
O nível de resiliência da democracia brasileira Deputado Nelson Marquezelli apresenta pensamento reacionário, sobre a necessidade de educação da população. Derivada do latim a palavra “Resiliência...

Sobre o autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. Saiba mais visitando: http://www.albertopeixoto.com.br