História: 20 milhões de pessoas foram presas nos Gulag soviéticos

Prisioneiros esmagam pedras no gulag do Mar Báltico Canal, em 1932. Gulag era um sistema de campos de trabalhos forçados para criminosos, presos políticos e qualquer cidadão em geral que se opusesse ao regime da União Soviética.

Prisioneiros esmagam pedras no gulag do Mar Báltico Canal, em 1932. Gulag era um sistema de campos de trabalhos forçados para criminosos, presos políticos e qualquer cidadão em geral que se opusesse ao regime da União Soviética.

Sob a liderança de Stalin, a União Soviética desempenhou um papel decisivo na derrota da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial (1939 - 1945) e passou a atingir o estatuto de superpotência, após rápida industrialização e melhoras nas condições sociais do povo soviético. Durante esse período, o país também expandiu seu território para um tamanho semelhante ao do antigo Império Russo. Apesar dos progressos e avanços conquistados, o regime de Stalin também foi marcado por violações constantes de direitos humanos, massacres, expurgos e execuções extra-judiciais de milhares de pessoas. Estima-se que entre 20 e 60 milhões de pessoas tenham morrido durante seus trinta anos de governo

Josef Vissarionovitch Stalin, nascido Iossif Vissarionovitch Djugashvili, foi secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética e do Comitê Central a partir de 1922 até a sua morte em 1953, sendo assim o líder da União Soviética. Sob a liderança de Stalin, a União Soviética desempenhou um papel decisivo na derrota da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945) e passou a atingir o estatuto de superpotência, após rápida industrialização e melhoras nas condições sociais do povo soviético. Durante esse período, o país também expandiu seu território para um tamanho semelhante ao do antigo Império Russo. Apesar dos progressos e avanços conquistados, o regime de Stalin também foi marcado por violações constantes de direitos humanos, massacres, expurgos e execuções extra-judiciais de milhares de pessoas. Estima-se que entre 20 e 60 milhões de pessoas tenham morrido durante seus trinta anos de governo.

Arquivo berlinense documenta inferno stalinista. Mais de 20 milhões de pessoas foram presas nos Gulag, sistema soviético de campos penais e de trabalhos forçados. Quase quatro milhões morreram. Acervo reúne relatos das vítimas do regime comunista russo.

Eles vieram durante o recreio. Dois homens. O diretor da escola e um funcionário da Stasi, a polícia secreta da Alemanha Oriental. Em 22 de novembro de 1950, Horst A. Henning foi preso no pátio do colégio que frequentava em Burg, cidade próxima a Magdeburg. “O seu pai acusou você de espionagem”, disse-lhe pouco depois um major do temido serviço secreto russo NKWD. Na ocasião, Henning tinha somente 16 anos. Pouco depois, ele foi para um campo soviético de prisioneiros.

Crueldade

“Eu estava bem embaixo na hierarquia daquele campo de prisioneiros, era um alemão”, recorda Henning, hoje com 81 anos. No campo de número 11, ele foi alojado numa barraca com jovens criminosos. Apesar de cruéis, eles também foram a sua salvação. Pois Henning teve sorte e passou a ser protegido pelo líder.

A vida era dura. Nos quatro anos na prisão, Horst Henning aprendeu a esconder o sentimento de compaixão. “Por exemplo, quando se brincava com as orelhas dos detentos rebeldes. Eu só esperava que eu não as tivesse que cortar.”

Dezenas de anos mais tarde, Horst A. Henning relatou as suas lembranças para o historiador Meinhard Stark, que coleta histórias sobre os reclusos nos campos de prisioneiros soviéticos. Stark já reuniu 1,2 mil horas de material gravado e 46 mil páginas de documentos.

Em outubro deste ano, ele entregou esse arquivo único para a Fundação Federal de Avaliação da Ditadura do SED (partido único da antiga Alemanha comunista). “O mais importante neste arquivo é o fato de ele preservar a memória das vítimas”, declarou o historiador.

Lembrar para não esquecer

As muitas vozes individuais formam, juntas, uma imagem do terror. E para os que escutam as gravações, tais vozes não deixam de ecoar. Seja a de Horst A. Henning, ou a de Frieda Mayer Melikova. “Quanto fui presa, aconteceu tudo de surpresa. Meu filho estava dormindo. Eu não o acordei”, conta ela.

Ou também Elvira Logutko: ela tinha cinco anos quando a NKWD apareceu para prender a sua mãe. “Eu tenho medo quando pessoas batem na porta”, contou, “Tremo até hoje. Não sei por que eles nunca apertavam a campainha.”

Arquivo berlinense guarda testemunhos de 277 prisioneiros do Gulag

Com o arquivo, a fundação – criada sob iniciativa do Bundestag, câmara baixa do Parlamento alemão – pretende dar voz às vítimas do regime stalinista. “Estamos fechando uma lacuna na cultura europeia da memória”, ressalta a diretora Anna Kaminsky. Não existem muitos arquivos semelhantes sobre o terror entre 1930 e os anos 1950. E a maioria das pastas e documentos em arquivos russos se encontra até hoje sob sigilo.

Horst A. Henning tomou conhecimento mais tarde do motivo de sua prisão. Seu pai o havia acusado de espionagem sob tortura. “A confissão lhe foi tirada à força”, relatou Henning, que reencontrou seu pai durante o processo. “Ele estava um caco, não tinha mais dentes.” Somente depois de seu período no Gulag, Henning soube da execução do pai em Moscou. Também a sua mãe foi enviada para um campo de prisioneiros. A liberdade veio somente em 1955: ambos foram enviados para a ex-Alemanha Ocidental, onde puderam iniciar uma vida nova.

Após a queda do Muro de Berlim, em 1989, Henning visitou a sua antiga cidade no estado da Saxônia-Anhalt. Velhos conhecidos lhe disseram que professores e colegas de escola foram proibidos de falar sobre a deportação. “Soube que na minha escola passei a ser tratado como inexistente.”

Os documentos do arquivo sobre os Gulag da Fundação de Avaliação da ditadura do SED devolvem às vítimas um pouco de sua existência.

*Com informações do DW.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br