Diminuição de despesas causou a redução do deficit do setor público, diz BC

O diretor de Política Monetária do Banco Central (BC), Túlio Maciel.

O diretor de Política Monetária do Banco Central (BC), Túlio Maciel.

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel, disse hoje (29/10/2015) que a redução do deficit do setor público em relação a 2014 deveu-se à diminuição nas despesas, principalmente com investimentos. Segundo dados do BC, o deficit primário em setembro deste ano foi R$ 7,318 bilhões ante R$ 25,49 bilhões no mesmo mês do ano passado.

No acumulado do ano, o resultado negativo foi R$ 8,4 bilhões ante R$ 15,286 bilhões no mesmo período de 2014. “Em relação ao ano passado, houve redução significativa do deficit porque o volume de despesas esse ano foi substancialmente inferior”, informou Maciel, ao comentar os resultados.

De acordo com Maciel, os estados e municípios, cujas contas estão superavitárias em R$ 16,367 bilhões de janeiro a setembro, fizeram muitas contratações em 2013 e 2014. “No ano passado, como em 2013, observou-se muitas contratações nos governos estaduais. Este ano, o ritmo diminuiu”. Segundo ele, o aumento das tarifas de energia elétrica e combustíveis também contribuiu para o aumento de receitas.

No caso do Governo Central, que engloba governo federal, Banco Central e Previdência Social, as contas estão deficitárias em R$ 21,7 bilhões de janeiro a setembro puxadas principalmente pela Previdência. O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) tem deficit fiscal primário de R$ 54,2 bilhões de janeiro a setembro deste ano. Já o governo federal apresenta superávit de R$ 33,125 bilhões e o BC, deficit no valor de R$ 595 milhões.

Mesmo com a redução do deficit, o chefe do Departamento Econômico do BC disse que é importante buscar o reequilíbrio fiscal, inclusive para recuperar credibilidade nas agências internacionais de classificação de risco. “A dívida [pública] vem crescendo exatamente pelos resultados deficitários dos últimos meses. Essa trajetória tem que ser considerada, buscar um equilíbrio para que alcancemos a estabilidade dessa evolução”, declarou.

Em setembro, a dívida líquida do setor público (endividamento líquido do setor público e do Banco Central junto ao sistema financeiro, setor e privado e ao resto do mundo),  ficou em R$ 1,906 trilhão, ou 33,2% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e riquezas produzidos em um país). Houve queda em relação a agosto, quando a dívida havia alcançado R$ 1,929 trilhão, ou 34,2% do PIB.

De acordo com Maciel, o efeito câmbio contribuiu para a queda. “Somos credores em moeda estrangeira e isso contribui para a trajetória da dívida líquida”, explicou. A dívida bruta (total das dívidas de todos os entes públicos), no entanto, passou de R$ 3,743 trilhões em agosto para R$ 3,789 trilhões em setembro, ou de 65,5% para 66% do PIB.

*Com informação da Agência Brasil

Outras publicações

Lula ressalta papel da mulher no trabalho durante formatura de beneficiários do Bolsa Família São Paulo - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ressaltou hoje (1º/06/2010) algumas conquistas femininas no mercado de trabalho, durante a cerimôni...
Empresários e especialistas defendem projeto da terceirização; centrais criticam Senado promoveu debate sobre terceirização. Chamados pela primeira vez, nesta terça-feira (13/10/2015), a debater no Senado a regulamentação da terc...
Receita libera nesta segunda-feira mais de 1,6 milhão de restituições Mais de 1,673 milhão de contribuintes receberão amanhã (16/08/2010) restituição do Imposto de Renda. Serão creditadas restituições referentes ao exerc...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br