Câmara Municipal discute exercício financeiro 2016 de Feira de Santana

Vereadores debatem exercício financeiro 2016 de Feira de Santana.

Vereadores debatem exercício financeiro 2016 de Feira de Santana.

O projeto de lei de nº 126/15, de autoria do Poder Executivo, que estima a receita e fixa a despesa do Município de Feira de Santana para o exercício financeiro de 2016 foi discutido na sessão desta segunda-feira (09/11/2015), na Câmara de Vereadores de Feira de Santana. Nesta terça-feira (10/11/015) acontecerá a segunda discussão da matéria e a votação acontecerá na próxima semana.

A votação do exercício financeiro deve seguir os trâmites exigidos nos artigos 374 a 380 do Regimento Interno da Câmara Municipal de Feira de Santana.

O artigo 374 diz que, recebido do Poder Executivo as propostas de lei orçamentária e do plano plurianual serão numeradas, independentemente de leitura e desde logo enviadas à Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização Financeira, providenciando-se, ainda, sua publicação e distribuição em avulso aos vereadores.
Já o artigo 375, informa que publicado o parecer, as propostas serão, dentro do prazo máximo de dois dias úteis, incluídas na Ordem do Dia, por duas sessões subsequentes para discussão, vedando-se, nesta fase, apresentação de substitutivos e emendas.

O artigo 376 declara que findo o prazo e com a discussão encerrada, as propostas sairão da Ordem do Dia e serão encaminhadas à Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização para recebimento de emendas, durante dois dias úteis.

De acordo com o artigo 377, para elaborar o parecer sobre as emendas, a Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização terá o prazo máximo e improrrogável de 5 (cinco) dias úteis.

Já o artigo 378 afirma que, publicado o parecer sobre as emendas, as propostas serão, dentro do prazo máximo de dois dias úteis, incluídas na Ordem do Dia para votação.

Segundo o artigo 379, aprovadas as redações finais, as propostas serão encaminhadas à sanção.

Por fim, o artigo 380 ressalta que poderá o prefeito enviar mensagem à Câmara Municipal para propor a modificação das propostas de lei orçamentária e do plano plurianual, enquanto não estiver concluída a votação da parte cuja alteração se pretenda.

O que diz o projeto 126/15

De acordo com o artigo 1º deste projeto, fica estimada a receita do Município de Feira de Santana para o exercício de 2016 e fixada a despesa em igual valor, nos termos do artigos 112 e 115 da Lei Orgânica, compreendendo o orçamento fiscal e da seguridade social, referente aos poderes Legislativo e Executivo do Município, seus fundos, órgãos e entidades da administração pública municipal direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo poder público no valor de R$ 1.102.339.512,00 (um bilhão, cento e dois milhões, trezentos e trinta e nove mil, quinhentos e doze reais).

O capítulo II da estimativa da receita, artigo 2º informa que a receita total é estimada em R$ 1.102.339.512,00 (um bilhão, cento e dois milhões, trezentos e trinta e nove mil, quinhentos e doze reais), desdobrada nos seguintes agregados:

I – Orçamento Fiscal, referente aos poderes Legislativo e Executivo, seus fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta, inclusive autarquias e fundações instituídas e mantidas pelo poder público municipal, no montante de R$ 661.481.099,00 (seiscentos e sessenta e um milhões, quatrocentos e oitenta e um mil e noventa e nove reais);

II – Orçamento da Seguridade Social, abrangendo os fundos, os órgãos e as entidades da administração direta e indireta, inclusive autarquias e fundações instituídas e mantidas pelo poder público municipal, cujas ações sejam relativas à saúde, à previdência social e à assistência social, no valor de R$ 440.858.413,00 (quatrocentos e quarenta milhões, oitocentos e cinquenta e oito mil e quatrocentos e treze reais).

Por fim, o artigo 3º diz que as receitas serão arrecadados nos termos da legislação vigente e das especificações constantes dos quadros integrantes desta Lei.

Na discussão do projeto, o vereador Edvaldo Lima (PP) criticou as mudanças que o governo faz para relocação de valores após a aprovação do orçamento anual. “Só esse ano o Governo Municipal relocou mais de R$ 7 milhões e os vereadores da base do Governo, generosamente, têm concedido essas mudanças. Esse mesmo Governo não diz para onde vai este dinheiro”, criticou. O edil ainda ressaltou um artigo do orçamento que fala sobre o Bolsa Família Municipal, que não sairá dos cofres públicos mas, de empresas que prestam serviços ao poder público municipal e pediu cuidado na aprovação do mesmo. Edvaldo é o vice-presidente da Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização- CFOF e se negou a votar favoravelmente à tramitação do projeto e fez um voto em separado.

O vereador Luiz Augusto de Jesus – Lulinha (PEN) chamou de “picuinha” o fato de o vereador Edvaldo Lima, que faz parte da CFOF, não votar a favor do Orçamento municipal e ressaltou que não votando no projeto, ele está votando contra o feirense. “Não tenho dúvidas de que o prefeito José Ronaldo de Carvalho tem feito uma boa gestão e aplicado bem os recursos da cidade, prova disso é que todos os dias tem inauguração de obras”, afirmou. Para o edil, o único objetivo daqueles que não votam no orçamento para 2016 é desgastar o prefeito.

O vereador Alberto Nery (PT) anunciou que colocaria uma emenda ao projeto do orçamento, limitando para 20% a relocação dos valores de uma secretaria para outra. Hoje, o Governo Municipal pode transferir até 80%. “A maioria dos municípios brasileiros limita em 10% e há aqueles que limitam em apenas 5%. Vamos pedir que em Feira de Santana seja limitado em 20%”, explicou.

O líder do Governo, o vereador José Carneiro (PSL), rechaçou a afirmação do vereador Edvaldo Lima de que se estaria criando o Bolsa Família Municipal, pedindo a leitura do artigo para dirimir dúvidas. De acordo com o vereador Carlito do Peixe (DEM) esse é um projeto de autoria do vereador Reinaldo Miranda Vieira Filho – Ronny (PSDB). “Não existe nenhum artigo que verse sobre Bolsa Família Municipal no orçamento para o ano de 2016”, ressaltou Carneiro.

O líder ainda descreveu os valores destinados para cada pasta do governo municipal, salientando que 30% do orçamento irá para a saúde e para educação passa de R$ 200 milhões o valor destinado. “São valores que não podemos deixar de reconhecer que comprovam que este Governo está preocupado com a saúde e educação dos feirenses. A equipe técnica discutiu e encontrou a melhor forma de distribuir a renda. Confio plenamente neste Governo e tenho certeza que não teremos dificuldades em aprovar o orçamento municipal”, afirmou.

Outras publicações

Defensoria Itinerante atende mais de 200 pessoas em Base Comunitária de Segurança em Feira de Santana Defensoria Itinerante atende mais de 200 pessoas em Base Comunitária de Segurança em Feira de Santana. Mais de 200 pessoas interessadas em esclarece...
Confira a coluna de Antônio José Larangeira de 16 de julho de 2014 O ortopedista Benicio Cavalcanti, João Cavalcanti Neto e João Cavalcanti, num reunião social em Feira de Santana. Ivam Kruschewsky ladeando sua e...
Pais são homenageados em sessão especial da Câmara Municipal de Feira de Santana Câmara Municipal de Feira de Santana presta homenagem dos pais. “Como pai de dois filhos, Mariana e Rafael, aprendi que o amor entre pai e filhos se...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br