23 de novembro. Advento de Sathya Sai Baba

Sai Baba 2O menino Sathya colheu algumas flores e as jogou ao chão. As flores formaram as seguintes palavras em télegu (língua local): “Eu sou Sai Baba”, que significa “Mãe e Pai Divinos”.

Deus, Ele mesmo, desce a Terra de quando em quando para reestabelecer o Dharma — a vida correta — quando se faz necessário. Ele desceu na forma de Rama, na forma de Krishna, do Senhor Buda…

E há dois mil anos enviou o seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, que na sua Missão espiritual aqui na Terra anunciou: Eu e o Pai somos Um.

Jesus curou doentes, ressuscitou mortos, e nos trouxe a Doutrina do Amor e do Perdão. E Ele nos disse: “outros virão depois de mim e farão os mesmo ou mais prodígios do que Eu”.

E veio a Terra São Francisco de Assis, Santo Antônio de Pádua… e tantos e tantos mensageiros de Deus, muitos deles discretos e anônimos.

Para cumprir as promessas de Cristo, em 23 de novembro de 1926 nasceu Sathya Sai Baba, na pequena vila de Puttaparthi, no Sul da Índia.

O seu advento foi cercado de prodígios. Os instrumentos musicais de sua modesta casa tocaram maviosas canções, celebrando a descida à Terra do Avatar (Encarnação Divina).

É dito que no dia seguinte ao seu nascimento, o grande mestre indiano Sri Aurobindo entrou em transe e declarou:

— Shiva desceu à Terra!

Esse misterioso menino desde pequeno se destacou entre os demais, pela sua devoção a Deus e os milagres que realizava. Na sua pequena aldeia ainda existe um pé de tamarindo de onde ele extraia qualquer fruta que seus amiguinhos desejassem. Essa “árvore dos desejos” hoje é local de peregrinação devocional e de rogos.

Certa vez, o seu pai lhe perguntou:

— Quem é você?

O menino Sathya colheu algumas flores e as jogou ao chão. As flores formaram as seguintes palavras em télegu (língua local): “Eu sou Sai Baba”, que significa “Mãe e Pai Divinos”.

Sai Baba iniciou o seu apostolado ainda criança, em 1940. Desde então, vários prodígios acompanharam a missão deste Ser Divino que viveu para a caridade. O seu lema é: “Ame a todos, sirva a todos”.

Quem é Sai Baba? Quem é esse ser misterioso? Ele respondia: “Vocês irão me compreender apenas através do meu trabalho”.

E o trabalho de Sai Baba está resumido nesta frase: “A todos amar. A todos servir”.

O movimento Sai é supra-religioso, e está sintetizado nos dizeres: “só há uma religião, a Religião do Amor”.

A Missão de Sai Baba reúne os símbolos das seis principais tradições religiosas do Mundo: cristianismo, islamismo, budismo, zoroastrismo, judaísmo e hinduísmo.

No cotidiano do Ashram Prashanti Nilayam — Morada da Paz Suprema — se irmanam pessoas de todos os credos, todas as religiões.

“Só há uma religião, a Religião do Amor”. E o amor de Sai Baba pelos semelhantes se realiza através de uma grande rede de serviços para a caridade, que envolve hospitais, escolas de ensino fundamental e médio, faculdades e a Universidade Sai. Todos esses serviços são gratuitos.

A Organização Sai desenvolve projetos de erradicação da pobreza no sul da Índia, que já beneficiou milhões de pessoas, que foram atendidas por acesso à água potável em suas residências e áreas de plantio.

As organizações Sai pelo mundo buscam realizar, dentro das suas possibilidades, ações de promoção social nas áreas de saúde e educação.

O movimento Sai se destaca particularmente no campo educacional, pois Sai Baba é criador de um paradigma pedagógico: Educação em Valores Humanos, adotado pelo governo indiano na rede oficial de ensino. São cinco os pilares da Educação em Valores Humanos: amor (prema), verdade (sathya), paz (shanti), retidão (dharma) e não violência (ahimsa).

Na Índia, gerações e gerações de jovens se graduam nas faculdades e Universidade Sai para prestarem serviço público e em organizações privadas, imbuídos da ética universal de praticar o bem e servir ao próximo, moralizando a administração pública e os negócios daquele país.

Sai Baba é Deus? Essa pergunta é repetida inúmeras vezes. A qual ele sempre respondia: “Eu Sou Deus, mas vocês também o são; a diferença é que eu sei disso e vocês não!”

Em um passado distante, os judeus tentaram matar Jesus, dizendo-lhe: “Não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia; porque, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo”.

Respondeu-lhes Jesus: “Não está escrito na vossa lei? Vós sois deuses, todos vós sois filhos do Altíssimo”.

Em 24 de abril de 2011 Bhagavan Sri Sathya Sai Baba abandonou o seu corpo físico e viajou para a eternidade. Isto comoveu a todos nós.

Porém, Ele a todo instante nos preparou para este momento. Busquemos conforto refletindo nas suas palavras: “Eu não Sou o corpo, Sou o Morador Interno… Vocês devem ter fé inabalável e forte, sem qualquer traço de dúvida”.

Mas hoje não é dia de lamentarmos a morte física do nosso mestre espiritual, e sim de festejarmos o seu advento.

Alegrai-vos, irmãos.

Jesus Cristo está entre nós.

Senhor Shiva está entre nós:

Bhagavan Sri Sathya Sai Baba.

Jay Sai Ram!

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. com.br.