Rejeitada revogação da prisão preventiva do ex-deputado Luiz Argôlo

Prisão de João Luiz Correia Argôlo dos Santos é mantida.

Prisão de João Luiz Correia Argôlo dos Santos é mantida.

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou (negou seguimento) pedido de revogação da prisão preventiva formulado pelo ex-deputado federal Luiz Argolo, preso em razão de fatos apurados pela operação Lava-Jato. A defesa do ex-parlamentar formulou pedido de extensão no Habeas Corpus (HC) 130254, no qual foi assegurada a liberdade ao executivo do grupo Odebrecht Alexandrino de Salles Ramos Alencar, preso em decorrência da mesma operação. Para o ministro, não há similitude entre os casos para justificar a concessão da medida.

“Ao contrário do que afirma o requerente, sua situação processual é distinta da verificada em relação ao paciente deste habeas corpus”, afirmou Zavascki. No caso de Alexandrino, a prisão preventiva decretada pelo juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR) foi justificada por uma fundamentação genérica, que não individualizou a necessidade de prisão em face da situação específica do acusado. O decreto prisional apontou motivos genéricos como risco de fuga, risco de reiteração da atividade delitiva e possível interferência na colheita de provas.

Já no caso de Luiz Argolo, o decreto prisional aponta suposta participação em tentativa de interferência na colheita de provas e sustenta ainda haver influência do acusado sobre outros políticos de seu estado (Bahia). Apresenta ainda indícios de recebimento de vantagens indevidas pelo ex-deputado até a ocorrência da prisão preventiva de Alberto Youssef, também alvo de investigações na operação Lava-Jato.
“O exame da higidez dos fundamentos da segregação cautelar não tem cabimento neste momento processual, já que não evidenciada, de pronto, situação de manifesta ilegalidade em relação a todos os fundamentos utilizados para a decretação da prisão preventiva”, diz a decisão. Não havendo ilegalidade flagrante, é necessário aguardar o pronunciamento definitivo do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre o caso, para só então haver uma apreciação do caso pelo STF, concluiu o relator, negando seguimento ao pedido.

Outras publicações

Ministro José Eduardo Cardozo confirma encontro com advogados de empresas investigadas na Lava Jato Ministro José Eduardo Cardozo recebe representantes dos investigados na Operação Lava Jato. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, confirmou, ...
Juiz autoriza transferência de três presos na Lava Jato para presídio Jorge Luiz Zelada é ransferido para o Complexo Médico Penal em Pinhais. O juiz federal Sergio Moro autorizou hoje (17/08/2015) a transferência de tr...
Lava Jato: tesoureiro do PT diz que doações ao partido foram legais João Vaccari Neto disse que ele não participou de nenhum esquema para arrecadação de propina ao partido. A defesa do tesoureiro do PT, João Vaccari ...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br