Governo da Bahia investe R$ 1,35 bilhão e receitas crescem abaixo da inflação

Manoel Vitório apresenta balanço dos investimentos governamentais.

Manoel Vitório apresenta balanço dos investimentos governamentais.

O Governo do Estado investiu R$ 1,35 bilhão até agosto, nível equivalente ao do ano passado, e as contas seguem equilibradas a despeito da crise econômica, mas inspiram cuidados porque o crescimento nominal da receita no período de janeiro a agosto, embora positivo (5,32%), ficou abaixo da inflação. Além disso, os gastos com o funcionalismo quase ultrapassam o limite prudencial fixado com base na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O balanço foi feito nesta segunda-feira (13/10/2015) pelo secretário da Fazenda, Manoel Vitório, durante a audiência pública das contas do segundo quadrimestre, na Assembleia Legislativa. 

O balanço dos oito primeiros meses do ano traz um saldo positivo entre as receitas correntes (R$ 22,8 bilhões), e as despesas correntes (R$ 19,5 bilhões). Os investimentos foram destaque: o montante registrado este ano ficou no mesmo patamar de 2014, quando até agosto o total investido foi de R$ 1,39 bilhão. Neste quesito, a Bahia se destaca entre os maiores estados do país, que registraram quedas significativas no nível de investimentos no período. 

O secretário Manoel Vitório ressaltou a importância deste indicador. “Trata-se de um dado fundamental porque este montante é investido em infraestrutura, mobilidade, saúde, educação, segurança, inserção social e outras áreas que se traduzem em benefício direto à população, a exemplo da expansão do metrô de Salvador”, afirmou. 
Ao preservar o investimento num cenário de dificuldades econômicas que atinge todo o setor público brasileiro, avaliou o secretário, o governo demonstra o seu compromisso com a qualidade do gasto. “Sob a liderança do governador Rui Costa, estamos monitorando as despesas de custeio, promovendo a racionalização nesta área e eliminando desperdícios para que o setor público continue atuando na promoção do desenvolvimento econômico e social da Bahia”, afirmou. 

Dívida permanece baixa 

Outro indicador importante é o baixo endividamento do governo baiano. Mesmo com a recente alta do dólar que traz impacto nos empréstimos externos, a dívida consolidada líquida (DCL) permanece equivalendo a 50% da receita corrente líquida (RCL), o que configura, de acordo com o secretário, “um perfil de endividamento bastante confortável”, já que a Lei de Responsabilidade Fiscal admite uma relação de até 200% entre dívida e receita. 

Para se ter ideia da boa situação da Bahia neste quesito, a maior parte dos grandes estados tem dívidas acima de 100% da receita, com destaque para Rio Grande do Sul (217%), Minas Gerais (195%), Rio de Janeiro (186%) e São Paulo (154%). Manoel Vitório lembrou que, na Bahia, a trajetória do endividamento tem sido decrescente: em 2006, a dívida correspondia a 102% da receita, tendo recuado desde então ao patamar de 50%. 

Controle das despesas 

A despesa de pessoal do Executivo chegou a 45,95%, patamar muito próximo do limite prudencial de 46,17%, acima do qual o Estado pode sofrer sanções estabelecidas pela LRF. A possibilidade de ir além do limite não está descartada em 2015, avaliou Manoel Vitório, lembrando que estados como Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Pernambuco já ultrapassaram este limite em 2015. 

Vitório destacou que o último quadrimestre concentra despesas importantes na área de pessoal, como o 13º salário e a segunda parcela do reajuste linear do funcionalismo, a ser paga em novembro. O déficit da previdência, acrescentou, continua sendo um fator importante de preocupação, pois alcançará R$ 2,5 bilhões este ano – o valor equivale ao montante que precisa ser aportado pelo Tesouro, para complementar as contribuições regulares feitas pelo Estado e pelos servidores. 

Impulsionadas pela inflação, as despesas correntes em seu conjunto vêm pressionando as receitas, lembrou o secretário. Ele observou que, por isso, os gestores estaduais precisam redobrar os cuidados com os gastos públicos neste final de ano. De acordo com Manoel Vitório, o governo tem conseguido assegurar o equilíbrio das contas públicas graças a um processo de ajuste iniciado em 2013, ainda no governo de Jaques Wagner, e aprofundado com a reforma administrativa realizada na transição para a atual gestão, em dezembro. 

Ao todo, o governo cortou 1.900 cargos e quatro secretarias, com economia anual de R$ 200 milhões. Na reforma, a Sefaz-Ba, além disso, foi incumbida de liderar um programa de qualidade do gasto, via monitoramento das despesas com custeio, que inclui reuniões semestrais com as secretarias sob a coordenação do governador Rui Costa. 

Combate à sonegação 

Além do controle rígido das despesas, o governo vem intensificando as medidas de ampliação das receitas, como o combate à sonegação e a modernização do fisco, para seguir fazendo frente aos efeitos da crise econômica. O principal imposto estadual, o ICMS, diretamente vinculado à atividade econômica, arrecadou R$ 10,11 bilhões de janeiro a agosto de 2015, 6% a mais que os R$ 9,5 bilhões apurados em igual período do ano passado. Ao todo, a receita tributária somou R$ 12,73 bilhões. 

Ainda que abaixo da escalada inflacionária dos últimos meses, a arrecadação vem mantendo o crescimento nominal graças às medidas de combate à sonegação adotadas pelo governo, observou o secretário. Ele lembrou que o estado tem avançado fortemente, desde 2013, na articulação interinstitucional para a recuperação de ativos, o que vem permitindo fechar o cerco aos sonegadores em todas as instâncias, da administrativa até a penal. Esta atuação acontece no âmbito do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira). O Comitê articula os esforços da Sefaz-Ba com os do Ministério Público, da Procuradoria Geral do Estado e da Secretaria de Segurança Pública. Lançado em abril, o plano de ação do Cira para 2015 já recuperou cerca de R$ 80 milhões para os cofres públicos. 

Em paralelo ao trabalho do Cira, a Sefaz-Ba vem intensificando também o uso da tecnologia para ampliar a assertividade da fiscalização. Após dois anos de implementação de uma série de pré-requisitos em termos de infraestrutura e desenvolvimento de uma ampla agenda estratégica, o secretário Manoel Vitório lançou em julho o programa Sefaz On-line. Trata-se de um conjunto de ações pautadas na nova realidade de dados digitais, com vistas a modernizar os processos de fiscalização e tornar mais eficiente o combate à sonegação. 

Outras publicações

Projeto Aguadas levará tecnologias de captação e disponibilização de água para o semi árido baiano A qualidade de vida, a produção agrícola e a renda familiar de cerca de 1.500 famílias do semi árido baiano serão melhoradas com a implantação de tecn...
Médio Rio de Contas tem centro de referência de Educação Profissional A política pública de Educação Profissional avança na Bahia com a criação dos Centros Estaduais e Territoriais de Educação Profissional. Os centros fo...
Corrente do PT da Bahia lança carta aberta, pede unidade e convoca militância para encontro em janeiro de 2017 Encontro Estadual da Esquerda Popular Socialista (EPS), tendência interna da sigla, que encabeça as propostas de mudanças na gestão do partido nacion...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br