Existirmos, a que será que se destina?

torquato_neto2Os cantores e o público recebem a trágica noticia de que o poeta, letrista, jornalista, ator Torquato Neto “fechou a porta” e “abriu o gás”. Era 10 de novembro de 1972. Noite alegre-triste da memória nacional.

No início dos anos 1970 a MPB — Música Popular Brasileira — tinha certa centralidade no imaginário social do brasileiro médio, urbano, escolarizado, que vivia sob uma feroz Ditadura Militar e rígida censura.

O autoritarismo político era repassado à família e sociedade civil, que se tornavam, também, autoritárias. Alguém já disse que o problema das ditaduras, além do tirano de plantão no seu palácio, é o guarda da esquina, mais perto de nós.

Na música popular o brasileiro com este perfil descrito acima buscava luz para as trevas, inteligência contra a estupidez. Os cantores e compositores dos festivais eram venerados. O cineasta e iconoclasta Glauber Rocha batizou Chico Buarque de “nosso Errol Flynn”, herói dos filmes “capa e espada” hollywoodiano.

O bardo santamarense Caetano Veloso é um dos expoentes deste momento significativo da cultura brasileira. Compositor, cantor, escritor, cineasta, palpiteiro nacional, aquele que tem opinião formada sobre tudo… Caetano é, antes de tudo, autor de lindas músicas e reúne um belo cancioneiro.

A imprensa da época atiçava uma rivalidade, que não existia, entre cantores e movimentos da MPB: tropicália versus Jovem Guarda; Caetano Veloso versus Chico Buarque, estereotipando a Jovem Guarda e Caetano como alienados e Chico Buarque e — paradoxalmente — a Tropicália, como engajados. O cantor baiano, sob vaias, havia provocado:

— É essa a juventude que diz que quer tomar o poder?

Pois os dois, Caetano e Chico, dirimindo dúvidas. fizeram um histórico e icônico show e disco “juntos e ao vivo”, em importante templo da arte brasileira: o Teatro Castro Alves, em Salvador (Bahia). Eu era muito garoto e sem grana, não assisti a tal show…

Durante e após o espetáculo, os cantores e o público recebem a trágica noticia de que o poeta, letrista, jornalista, ator Torquato Neto “fechou a porta” e “abriu o gás”. Era 10 de novembro de 1972. Noite alegre-triste da memória nacional.

Alguns anos depois, Caetano Veloso conta que, em excursão pelo Nordeste brasileiro, passando por Teresina (Piauí) é visitado no hotel pelo sr. Heli Nunes, pai do “menino infeliz” que se matou um dia após completar 28 anos de idade, no banheiro de sua casa, enquanto a sua esposa Ana Maria e o filho Thiago, de dois anos de idade, dormiam. Na “carta-testamento” solicita: “vocês aí, peço o favor de não sacudirem demais o Thiago. Ele pode acordar”. Depois disso, a matéria vida, tão fina, esvaiu-se.

Torquato, como muitos suicidas, tinha anunciado a própria morte. Considero a bela e triste canção “Pra dizer adeus”, parceria com Edu Lobo, uma carta-despedida.

Voltando a história, quando vê o Dr. Heli, pai do amigo e parceiro Torquato, o sensível cantor baiano cai no choro, e é consolado pelo pai do suicida. Este o leva para uma visita à sua casa, com inúmeras fotografias do saudoso filho espalhadas pelos cômodos. O anfitrião lhe serve cajuína, e os dois ficam ali, sentados na sala de visitas, se olhando em silêncio, Caetano chorando.

O “homem lindo” vai ao jardim da casa, colhe uma rosa menina e oferece a Caetano.

Ainda em excursão, Caetano pega do violão e nos brinda com esta encantadora e filosófica canção, a seguir:

Existirmos: a que será que se destina?

Pois quando tu me deste a rosa pequenina

Vi que és um homem lindo e que se acaso a sina

Do menino infeliz não se nos ilumina

Tampouco turva-se a lágrima nordestina

Apenas a matéria vida era tão fina

E éramos olharmo-nos intacta retina

A cajuína cristalina em Teresina.

(Caetano Veloso, Cajuína)

 

Caetano Veloso conta a história da música ‘Cajuína’

http://gshow.globo.com/programas/altas-horas/videos/t/programa/v/caetano-veloso-conta-a-historia-da-musica-cajuina/3119899/

 

Cogito

eu sou como eu sou

pronome

pessoal intransferível

do homem que iniciei

na medida do impossível

 

eu sou como eu sou

agora

sem grandes segredos dantes

sem novos secretos dentes

nesta hora

 

eu sou como eu sou

presente

desferrolhado indecente

feito um pedaço de mim

 

eu sou como eu sou

vidente

e vivo tranquilamente

todas as horas do fim.

Torquato Pereira de Araújo Neto (Teresina, 9 de novembro de 1944 — Rio de Janeiro, 10 de novembro de 1972)

 

Leia de Juarez Duarte Bomfim: “O suicídio. Visão sociológica. Visão espírita”

O suicídio. Visão sociológica. Visão espírita.

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. com.br.