Sérgio Mattos lança Vida Privada no Contexto Público | Por Gutemberg Cruz

Sérgio Mattos comemora 50 anos de jornalismo, 50 anos de literatura e 40 anos de dedicação ao ensino universitário com uma obra de peso: Vida Privada no Contexto Público pela Quarteto Editora.

Sérgio Mattos comemora 50 anos de jornalismo, 50 anos de literatura e 40 anos de dedicação ao ensino universitário com uma obra de peso: Vida Privada no Contexto Público pela Quarteto Editora.

Depois de lançar Amadeu um bandido nordestino, Os funerais de dona Camila, As confissões sexuais deMaria Francisca, Memória da Imprensa Contemporânea da Bahia, Relicário, entre dezenas de outras obras, Sérgio Mattos comemora 50 anos de jornalismo, 50 anos de literatura e 40 anos de dedicação ao ensino universitário com uma obra de peso: Vida Privada no Contexto Público pela Quarteto Editora. Trata-se de seu 49º livro onde ele resgata a história contemporânea da Bahia, contextualizada com sua experiência. O lançamento está marcado para o dia 08 de outubro na Reitoria da Ufba, a partir das 17h.

“Sérgio Mattos revela uma rara habilidade para aprisionar o tempo, sobrevivendo a ele, ao mostrar o quanto se pode fazer pela vida à fora sem perder a própria identidade”, informa o editor José Carlos Sant´Anna na orelha do livro. “Ao longo dos anos exerci múltiplas atividades, às quais me entreguei com dedicação. Mas duas delas sempre se destacaram e estiveram próximas: Jornalismo e Educação, contribuindo e influenciando diretamente na construção de mina obra”, informa Sérgio.

O livro, de 648 páginas, é dividido em sete partes. Na primeira (A origem de tudo) ele conta a trajetória de seu pai, Sêo Zebinha, os avós paternos e maternos e sua mãe, Dona Helena. Em seguida, a infância em três etapas: Fortaleza, Recife e Salvador, quando descobre o mundo mágico da leitura.

Na segunda parte (adolescência que vai de 1963 a 1967), o trabalho e consciência política, aventuras e descobertas, engajamento político e teatro e seu envolvimento na Ação Católica. A terceira parte, os sonhos perseguidos, iniciando o jornalismo profissional, o primeiro projeto, o embrião da Associação Nacional dos Jornais, atuação como editor local, e a paternidade: sentimento composto de alegria e medo.

A quarta parte que vai de 1978 a 1982 os desafios e conquistas no exterior, vencendo obstáculos, realizando pós graduação, ocupando espaços na literatura. De 1982 a 1984 a convivência com os contrários. É a quinta parte os transpira política na universidade, enfrenta desafios, sem perder o entusiasmo. Na sexta parte, em busca de novos caminhos. Vai de 1985 a 1999, São as descobertas, sucessos e perdas, atuando como agitador cultural, o projeto A Tarde Municípios, presidindo instituições culturais.

Na sétima e última parte, de 2000 a 2014 vamos encontrar a construção e desconstrução. Novos projetos editoriais e musicais, promove a cultura baiana (Revista de Arte e Cultura Neon) e os novos desafios educacionais. Há também nessa obra, sete anexos importantíssimo para quem acompanha a trajetória deste ser iluminado.

Vale ressaltar que a União dos Municípios da Bahia (UPB), em reconhecimento ao trabalho de interesse público que desenvolvia em benefício das comunidades interioranas e da valorização da diversidade cultural de cada região, lhe agraciou três vezes com a Medalha do Mérito Municipalista. Em 1989, durante a gestão de Severiano Alves, em 1994 durante a gestão de Ariston Andrade como presidente da entidade. E em 2014 na gestão de Maria Quitéria, quando das comemorações do Jubileu de Ouro da UPB.

“Disciplina, determinação, dedicação e persistência são palavras que servem para expressar tudo o que fiz e continuo a fazer, tato na área profissional, como jornalista, como educador na área acadêmica”, escreveu na quarta parte da recente obra.

Este é o Sérgio que conheço. Um ser humano que semeia otimismo e planta sementes de entusiasmo, esperança e fé. Amoroso, prestativo, partilha conhecimento com todos ao seu redor. Ele possui uma áurea positiva que transborda em todo local que chega. Pelo seu conhecimento, humildade, simplicidade e força ética. E como escreveu Dirceu Lindoso, “é escrevendo o que se viveu que se cria o passado. O passado é o pai da memória. E a memória é a mãe da história”. E é Sérgio que em busca das raízes se apresenta:

 “Cada ser humano nasce com uma história própria, um código genético específico, dentro de um contexto histórico diferente e só atingirá a plenitude se a história de vida dele tiver relações com o passado e com o ambiente no qual está inserido e vive o seu presente. Como diz Carl Jung ´se um indivíduo cresce sem ligação com o passado, é como se tivesse nascido sem olhos nem ouvidos e tentasse perceber o mundo exterior com exatidão. É o mesmo que mutilá-lo´.”.

EXPERIÊNCIAS 

O aprendizado de Sérgio Mattos vai da poesia a semiótica, do teatro ao cinema, da tevê para a imprensa. Tudo sob a ótica aprimorada do articulista que passeia com desenvoltura nos diversos assuntos da contemporaneidade. “Caminhar com Sérgio é desbravar novos espaços e rotas, abertos em ritmos variados desde os parágrafos e entrelinhas, pinçando aqui e ali gotas de sentimento daquele que considero a maior incógnita do universo – o multifacetado ser humano, com seus conflitos, verdades, angústias e dúvidas, desafio permanente para quem tem coragem de tentar decifrá-lo. Sérgio tem. É ler para crer!”, escreveu o jornalista José Jorge Randam na orelha do livro Relicário.

Mattos dedica-se à pesquisa e ao ensino mas não abdicou de atuar no mercado e sempre se manteve no exercício o jornalismo diário, em inúmeras funções editoriais nos jornais baianos. Foi o primeiro professor a orientar tese de doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Contemporânea. Tem tratado de temas como tevê, imprensa, rádio, internet em publicações e simpósios. Recebeu o Prêmio de Comunicação Luis Beltrão, na categoria de maturidade acadêmica. Poeta com oito livros publicados e compositor com dezenas de composições gravadas por diversos intérpretes.

Criou a revista Neon, de arte cultura e entretenimento que circulou de 199 a 2004, foi presidente fundador da Academia de Letras e Artes de Salvador, diretor do Instituto de Radiodifusão Educativa do Estado da Bahia e desde 2008 ingressou na Universidade Federal do Recôncavo como professor concursado. Assim é Sérgio Mattos, o “vigia do tempo” sempre atento ao que passa pela vida, revigorando o sentido do novo, em busca do “princípio invisível do existir”.

*Gutemberg Cruz é jornalista profissional formado pela Escola de Biblioteconomia e Comunicação da UFBa em 1979. Registro Profissional DRT-BA 761. Atuou nos jornais Tribuna da Bahia, Diário de Notícias, Correio da Bahia, A Tarde e Bahia Hoje como repórter, redator e Editor de Cultura. Atuou ainda na Rádio Cruzeiro da Bahia (repórter), Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (gerente de produção), TV Itapuã (produtor) e rádios Piatã e Bandeirantes (produtor de programas). Atualmente exerce a função de Coordenador de Comunicação na União dos Municípios da Bahia.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br