Secretário estadual Josias Gomes avalia governo e comenta disputa eleitoral de 2016 nas cidades de Feira de Santana e Salvador

Secretário Josias Gomes da Silva é entrevistado pelo jornalista Carlos Augusto. Entrevista aborda política, economia, e avaliação de governo.

Secretário Josias Gomes da Silva é entrevistado pelo jornalista Carlos Augusto. Entrevista aborda política, economia, e avaliação de governo.

Josias Gomes:"nós temos oito meses de um governo muitíssimo bem avaliado, esse é um fato inegável nesse primeiro período do governo Rui Costa.".

Josias Gomes:”nós temos oito meses de um governo muitíssimo bem avaliado, esse é um fato inegável nesse primeiro período do governo Rui Costa.”.

Josias Gomes da Silva, secretário de Relações Institucionais do Estado da Bahia (SERIN), em entrevista exclusiva ao Jornal Grande Bahia avalia o governo Rui Costa, a relação entre governo e a Assembleia Legislativa, e sobre os desafios do Partido dos Trabalhadores em disputar as eleições municipais de 2016 em Feira de Santana e Salvador. Ele comenta, também, sobre os reflexos políticos do Caso Lava Jato na imagem do Partido dos Trabalhadores (PT) na Bahia, e informa sobre investimentos realizados pelo governo Rui Costa e as perspectivas de investimento para 2016, anunciado o programa de policlínicas como revolucionário para o atendimento médico baiano.

Nascido em Amaraji no estado de Pernambuco, eleito deputado federal pelo PT da Bahia em 2002, 2010 e 2014, e convidado pelo governador Rui Costa para atuar no executivo estadual, Josias Gomes foi entrevistado no dia 27 de agosto de 2015 pelo diretor e editor do Jornal Grande Bahia, Carlos Augusto, durante evento na sede do Tribunal de Justiça da Bahia, oportunidade em que Carlos Augusto foi convidado a participar da solenidade de entrega da Medalha do Mérito Judiciário do TJBA aos desembargadores Baltazar Miranda Saraiva, Joanice Maria Guimarães de Jesus, Carmen Lúcia Santos Pinheiro e Pilar Cesar Tobio de Claro e Maria de Lourdes Medauar.

Confira a entrevista

Jornal Grande Bahia – Como avalia esses oito meses de governo Rui Costa?

Josias Gomes – Nós estamos dialogando com todos os seguimentos da sociedade, e é esse o propósito de um governante que tem no ideário, a relação com o povo. Oriundo do que foi o movimento sindical não poderia ser diferente. Nesse contato, tem ajudado muito a população a entender qual o verdadeiro papel de um governante.

Quando ele [Rui Costa] vai as encostas e dialoga com os moradores daquela região, quando vai no interior e chama os diretores, os alunos, para visitarem as escolas, quando, enfim, eles têm uma relação muito direta com a população só poderia ser 8 meses de um governo muito próximo dos acertos do povo, e é por isso que lhe digo que esse acerto é o que tem feito com que mesmo com essa crise econômica que estamos, não só a Bahia e o Brasil apenas, e sim o mundo todo, ele continua com a popularidade, maior, inclusive, do que o percentual de votos que ele teve para ganhar as eleições.

É essa razão que me faz crer que nós temos oito meses de um governo muitíssimo bem avaliado, esse é um fato inegável nesse primeiro período do governo Rui Costa.

JGB – Como avalia a relação do governo com a Assembleia Legislativa da Bahia?

Josias Gomes – A relação com a assembleia e os parlamentares é uma relação tensa, a sorte é que eu também sou deputado e sei muito bem o que isso significa. Porque para cada um daqueles deputados se elegerem, eles tiveram que fazer um esforço extraordinário. Hoje, estão lá apoiando as ações do nosso governo e precisam da atenção do governo, e é por isso que eu o respeito e estou sempre à disposição de cada um deles.

JGB – O senhor é militante histórico do partido dos trabalhadores, e o PT enfrenta dificuldades em duas cidades, além de outras, mas eu citaria essas duas por serem as mais densamente povoadas da Bahia, uma é Salvador e outra é Feira de Santana. Como o partido está pensando essas cidades em termos de disputa para 2016?

Josias Gomes – Mas a base do governo está bem tanto em Feira de Santana como em Salvador, o que nós temos é que avaliar é que nessas duas cidades as eleições são em dois turnos, então o que importa para gente é encorpar [dar corpo] ao processo eleitoral no primeiro turno. De modo que nós passamos ter a garantia de participar de uma eleição onde havendo o segundo turno, e eu tenho certeza que haverá, nós vamos ganhar as eleições em Salvador e Feira de Santana. Porque é um propósito do governador, nesse primeiro momento que saiam várias candidaturas da base, é que todos possam confluir para uma única candidatura do segundo tempo.

JGB – Como avalia os reflexos da operação Lava Jato na identidade do Partido dos Trabalhadores na Bahia?

Josias Gomes – Toda operação da polícia federal que resultou nessa ebulição da economia é traumática, para economia e para política. No caso especifico do PT, que parte da imprensa nacional com a visão parcializada da investigação, que uma coisa é o que está sendo investigada, e outra coisa é o que a imprensa filtra, e passa pela população, que tem a ideia de que o PT é o partido mais corrupto que existe. Observe que dos investigados o PT é o que menos tem parlamentar envolvido na investigação. Nós somos o partido com menor número entre os que tem parlamentares sendo investigado na Lava Jato.

Mas há uma pretensão, por parte da imprensa, em nos atacar. Como não é capaz de nos atacar nas ações que fizemos como relação a elevação de autoestima do povo brasileiro, melhoria nas condições de vida dos trabalhadores, elevação da renda do brasileiro, bolsa família, mais universidades, mais médicos para atender ao povo pobre desse país, a imprensa nos ataca com essa questão da corrupção.

A imprensa internacional cita que foi no governo do PT que ocorreram as condições de fazer investigação. Mas as pessoas não leem a imprensa internacional. Mas a imprensa internacional reconhece isso, que foi no governo do PT que mais se investigou as corrupções. Então apareceu um volume maior, porque também se deu condição para investigar.

JGB – Vamos falar um pouco sobre ação de governo. 2015 é um ano complicado, o governo Rui Costa ainda assim consegue implantar um investimento no sistema metroviário metropolitano de Salvador. Quais outras ações estruturantes, efetivamente, serão retomadas ou iniciadas em 2016?

Josias Gomes – As obras de mobilidade em Salvador continuam acontecendo como a ampliação de metrô, a via metropolitana, a duplicação da Avenida Gal Costa, todas essas obras ainda continuam em curso. O que eu diria de novidade são as policlínicas, porque essa sim é uma iniciativa de grande enverga. Nós pretendemos ainda esse ano [2015] implantar de 10 a 12 policlínicas.

Nós vamos agrupar o estado nos 28 territórios, e em cada um implantar uma policlínica. Porque isso não é uma criação do PT, é uma experiência exitosa no Ceará, que nós vamos reproduzir aqui. Eu tenho absoluta certeza de que a população vai passar por um processo muito dinâmico nessa área de atendimento médico. Se já resolveu o problema da atenção básica com os ‘Mais Médicos’, nós acreditamos que com o programa de policlínicas, ofertando especialidades médicas vãos revolucionar o atendimento no setor da saúde.

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.