Representação do PMDB no governo será decidida pela presidente Dilma Rousseff, diz Michel Temer

O presidente da República em exercício, Michel Temer, disse hoje (28/09/2015) que o PMDB terá “representação” na nova composição ministerial, mas quem vai decidir o assunto será a presidenta Dilma Rousseff, que retorna esta noite ao Brasil, após participar da Assembleia-Geral das Nações Unidas e da Cúpula sobre Desenvolvimento Sustentável, em Nova York.

Temer conversou há pouco com a imprensa, ao sair do gabinete da Vice-Presidência da República, no Palácio do Planalto. Questionado se “cabe todo mundo” do PMDB no governo, o vice respondeu: “Todo mundo não, porque o PMDB é muito grande. Na verdade, haverá representação de todos. A presidente é que está decidindo isso. Vai decidir da melhor maneira”, disse Temer, que é presidente nacional do partido.

O vice-presidente disse que não manteve contato com Dilma nos dias em que ela esteve nos Estados Unidos. “Não conversei nada”, afirmou.

Temer disse que recebeu telefonema do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, após reportagem publicada nesta segunda-feira (28) pelo jornal Folha de S.Paulo, sobre a tentativa do ministro de recriar o Partido Liberal.

A estratégia de Kassab, segundo o jornal, seria adiar a sanção da lei para que ele pudesse articular a migração de parlamentares para o PL, caso a criação do partido seja aprovada nesta semana pelo Tribunal Superior Eleitoral. De acordo com a matéria, o ministro estaria atuando para formar um bloco governista no Congresso Nacional para rivalizar com o PMDB e esvaziar o movimento pró-impeachment.

“Houve uma notícia e ele disse que não tem nada a ver com aquilo, que o objetivo não é esse. O objetivo é de colaborar com o governo, simplesmente isso. Acho que esta é a intenção verdadeira do ministro Kassab”, disse Temer.

Mais cedo, a Casa Civil da Presidência da República divulgou nota sobre o assunto, na qual confirma que “O presidente licenciado do PSD, ministro Gilberto Kassab, apresentou pelo partido razões jurídicas para um veto relacionado à fidelidade partidária”. De acordo com um trecho do projeto de lei aprovado pelos congressistas, o candidato que desejar concorrer a eleições deverá estar com a filiação deferida pelo partido no mínimo seis meses antes da data da eleição.

Segundo a nota, os ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e das Comunicações, Ricardo Berzoini, que está atuando a articulação política do governo, lembram que o prazo para sanção do projeto da minirreforma eleitoral termina nesta quarta-feira (30).

O item que discorre sobre financiamento empresarial de campanha também foi objeto de um pedido de veto, de acordo com os ministros, já que há “conflito manifesto” com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), do último dia 17 de setembro, de proibir a prática.

*Com informação da Agência Brasil

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br