Procurador-geral da República destaca papel da delação premiada na recuperação de recursos pelo país

Acordos de colaboração premiada podem ser usados em maior escala para rastrear e repatriar ativos, afirma o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Acordos de colaboração premiada podem ser usados em maior escala para rastrear e repatriar ativos, afirma o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu hoje (03/09/2015) o instrumento da delação premiada, que vem sendo adotado nas investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que apura denúncias de corrupção na Petrobras. Em seu discurso no encerramento do Seminário Internacional de Combate à Lavagem de Dinheiro e ao Crime Organizado, Janot destacou o volume de dinheiro já recuperado pelo Brasil com auxílio das delações.

“Acordos de colaboração premiada […] podem ser utilizados em maior escala com o objetivo de rastrear e repatriar ativos. Até agosto de 2015, mais de R$ 1,8 bilhão estão sendo restituídos, no caso da Lava Jato, […] graças a acordos de colaboração premiada”. Janot referia-se ao fato de não se depender, nesse caso, de processos judiciais que se arrastam por muito tempo antes de chegar a um desfecho, em parte por conta de recursos “de objetivo meramente protelatório” impetrados pelas defesas dos réus.

A ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), afirmou que a prática tem sido “fundamental” para auxiliar nas investigações. “Nestes dias em que a moralidade pública é aviltada de várias formas, devemos fincar cercas protegendo o Estado de Direito da insidiosa corrupção dos agentes públicos. […] O instituto da delação premiada tem se mostrado fundamental na apuração das macroestruturas de corrupção”, disse Nancy.

Também presente ao evento, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ressaltou a autonomia das instituições nas investigações e, com bastante ênfase, o respeito ao Estado de Direito. “O Poder Executivo vem fazendo seu papel, dando autonomia e recursos para que se possa investigar. […] Se, por um lado, combatemos o ilícito, de outro, vivemos sob o Estado de Direito. Portanto, no Brasil, temos hoje uma missão: o combate ao crime organizado e à corrupção, e também temos que fazer respeitar o Estado de Direito e a Constituição”, afirmou Cardozo.

Nesta semana,  o presidente da Construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, um dos investigados na Operação Lava Jato, afirmou, em depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, em Curitiba, que não tem intenção de firmar acordo de delação premiada com a Justiça. Odebrecht disse que “não tem o que dedurar”.

O empresário ressaltou que existem “questões morais” envolvidas na delação e citou suas filhas para ilustrar o quanto reprova a prática. “Quando minhas meninas tinham uma discussão […] eu talvez brigasse mais com quem dedurou do que com aquela que fez o fato.”

A presidenta Dilma Rousseff também já se manifestou sobre o tema. Em junho, durante visita aos Estados Unidos, Dilma disse que “não respeita” delatores e citou sua experiência no período da ditadura.

*Com informação da Agência Brasil

Outras publicações

Operação Lava Jato | Ministro Teori Zavascki diz que delações de ex-diretor da Petrobras envolvem parlamentares Ministro Teori Zavascki afirma que tem parlamentares envolvidos em caso de corrupção. O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), ...
Operação Lava Jato | Justiça aceita denúncia contra cinco executivos da Mendes Júnior Decisão do juiz federal Sérgio Fernando Moro transforma denúncia em processos e denunciados em réus. O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas i...
Operação Lava Jato: fraudes nos contratos da Petrobras geram prejuízo a fundo de pensão nos Estados Unidos. Procurador classifica como ultrajante Detalhe da fachada do edifício-sede da Petrobras no Rio de Janeiro. Petroleira é acionada na justiça estadunidense por corrupção. A reportagem publi...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br