Ex-ministro José Dirceu e mais 14 acusados viram réus em ação da Lava Jato

o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu será indiciado por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu será indiciado por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu acaba de virar réu na Operação Lava Jato. Nesta terça-feira, o juiz Sérgio Moro aceitou denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) que acusa Dirceu e outras 14 pessoas de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras.

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o irmão do ex-ministro também passam a ser considerado réus no processo que apura desvios de recursos da estatal. Veja a lista completa dos acusados:

No total, 17 pessoas foram acusadas pela Promotoria, mas Moro não aceitou a denúncia contra Camila Ramos, que é filha do ex-ministro da Casa Civil, e contra a arquiteta Daniela Leopoldo e Silva Facchini, responsável pela reforma de um imóvel de Dirceu. Para o juiz, não há provas de que ambas tinham consciência de que receberam dinheiro de um esquema de corrupção.

Uso de aeronave

O Ministério Público afirma ainda que Milton Pascowitch intermediou pagamentos das empresas para Dirceu. Ainda de acordo com a denúncia, o delator pagou para o ex-ministro reformas e aquisição de imóveis e bancou a compra de uma parcela de uma aeronave Cessna.

Os procuradores acreditam que o ex-ministro recebeu de maneira direta ou indireta um total de R$ 11,9 milhões. Camila Ramos, filha do petista, tinha sido acusada de lavagem ao se beneficiar da venda de uma casa para a empresa Jamp, de Pascowitch.

Também réu na ação, Pascowitch tinha firmado um acordo de delação e prestou depoimentos fundamentais para a investigação sobre o ex-ministro.

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto é acusado de articular repasses das empresas para o PT, incluindo por meio de doações oficiais. Três sócios da empreiteira Engevix também viraram réus.

Moro rejeitou a parte da denúncia que se referia à filha do ex-ministro e à arquiteta Daniela Silva Facchini, que trabalhou na reforma de um imóvel do petista.

Para o juiz, a arquiteta aparenta “ser mais uma testemunha do que uma acusada”. Não há prova, escreveu Moro, de que a filha soubesse detalhes da negociação de imóvel descrita pelo Ministério Público na denúncia.

Defesa de Dirceu

O advogado Roberto Podval, que defende José Dirceu, o irmão do ex-ministro e a filha dele afirmou que essa é uma “decisão preliminar” e que está se dedicando à defesa dos clientes que apresentará em dez dias. “Foi um grande alivio para o próprio Zé ver a filha dele fora dessa história. Mostra bom senso do juiz”, disse o advogado.

Luiz Flávio D’Urso, advogado de Vaccari, afirmou que todas as doações ao PT foram efetivadas por depósitos bancários com recibo e tiveram contas prestadas às autoridades.

“Consideramos injusta a acusação por ser baseada exclusivamente em delações premiadas sem que haja qualquer prova que as corrobore. Vaccari jamais solicitou ou recebeu doações de origem ilícita”, disse o criminalista.

A defesa de Renato Duque disse que ainda não teve conhecimento sobre a denuncia do ex-diretor e só se pronunciará depois que for comunicada oficialmente sobre ela.

A defesa de Roberto Marques, ex-assessor de Dirceu, pondera que tanto a denuncia como o despacho de recebimento “carecem de fundamentação qualquer fundamentação” e contem imputações “embasadas exclusivamente na versão unilateral dos delatores”.

A defesa de Cristiano Kok e José Antunes Sobrinho, sócios da Engevix, preferiu não se manifestar sobre a ação, mas disse que a empresa está colaborando com a Justiça. A defesa de Gerson Almada, também da Engevix, não se manifestou.

O advogado Antonio Figueiredo Basto, que atua na defesa de Julio Camargo Pedro Barusco disse que ambos “vão continuar colaborando naquilo que souberem e for possível”.

A defesa dos irmãos Fernando e Olavo Moura disse que só vai se manifestar quando for formalmente notificada.

Os réus da ação penal

José Dirceu ex-ministro da Casa Civil

João Vaccari Neto ex-tesoureiro do PT

Fernando Moura lobista ligado ao PT

Olavo Moura irmão de Fernando

Luiz Eduardo de Oliveira e Silva irmão de Dirceu

Roberto Marques assessor de Dirceu

Julio Cesar dos Santos sócio da JD Consultoria

Julio Camargo lobista

Renato Duque ex-diretor da Petrobras

Pedro Barusco ex-gerente da Petrobras

Gerson Almada executivo da Engevix

Cristiano Kok executivo da Engevix

José Antunes Sobrinho executivo da Engevix

Milton Pascowitch lobista

José Adolfo Pascowitch irmão de Milton

Publicidade

Publicidade

Compartilhe e Comente

Facebook do JGB

Publicações relacionadas

+ Publicações >>>>>>>>>

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br