Empresa que exigiu recepcionista de pele branca assina TAC com MPT

Cartaz da 'Discriminacao Não'.

Cartaz ‘Discriminação Não’.

O documento estabelece compensações e obrigações da empresa responsável por anúncio em rede social em 2014 expondo clara situação de discriminação no trabalho. O Ministério Público do Trabalho (MPT) e a CM Morgado Produções firmaram um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) em que a empresa se compromete a produzir 3.500 cartilhas informativas contra assédio moral e práticas discriminatórias, além de ser obrigada a não mais tornar público qualquer tipo de anúncio de emprego que contenha exigências ilegais. A impressão foi feita a título de indenização por danos morais coletivos. O material será utilizado pelo MPT em campanhas de conscientização da sociedade.

Em anúncio publicado na rede social facebook, a empresa pedia recepcionistas para eventos, de 18 a 25 anos, acima de 1,70m, bonitas e “somente de pele branca”. O caso gerou reações de internautas por ter caráter preconceituoso. Com a repercussão do caso, a empresa apagou a publicação e se retratou com a população baiana, dizendo ter sido vítima de má interpretação. A justificativa, no entanto, não convenceu o procurador Pedro Lino de Carvalho Júnior, que instaurou o inquérito para apurar o caso.

A CM Morgado Produções se comprometeu ainda, a dar ampla publicidade a este TAC, seja com seus empregados ou com as empresas parceiras. Ela deverá manter sempre uma cópia deste documento em local visível e de fácil acesso e também publicar nas redes sociais. O MPT exigiu que se cumpram todas as determinações e que se comprove o cumprimento deste termo sempre que for solicitado.

Caso não cumpra as obrigações, a empresa terá que pagar R$3 mil de multa por cada item descumprido e por cada empregado prejudicado. Em caso de haver multa, ela pode ser revertida para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), destinada à promoção de eventos, seminários, publicação de cartilhas ou para doação de bens a entidades públicas ou privadas.

O racismo consiste em uma atitude depreciativa não baseada em critérios científicos em relação a algum grupo social ou étnico, com base em diferentes motivações, em especial as características físicas e outros traços do comportamento humano. O MPT combate qualquer tipo de discriminação no trabalho, identificando casos como este ou mesmo outros em que o preconceito e a discriminação estejam nas entrelinhas ou de forma implícita.

O MPT, através da Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho, atua em torno de três eixos: combate à discriminação a trabalhadores, inclusão nos ambientes de trabalho da pessoa com deficiência ou reabilitada e proteção da intimidade dos trabalhadores. Promove a igualdade de oportunidades para todos, tendo como lema combater a discriminação, visando resguardar o pleno exercício da cidadania.

Outras publicações

Operação flagra trabalho escravo em parque de vaquejada de Serrinha Força-tarefa flagra trabalho escravo Parque de Vaquejada Maria do Carmo. Dezessete trabalhadores foram resgatados na manhã desta sexta-feira (02/09/...
MPT assina contrato para construção de novo prédio anexo em Salvador Perspectiva ilustrada do prédio do Ministério Público do Trabalho em Salvador. Foi assinado na manhã desta terça-feira (03/02/2015) o contrato com a...
MPF/BA: funcionários do SAMU em Feira de Santana serão readmitidos, edital de concurso será retificado, enquanto prefeito fala em profissionais sérios Tarcízio Pimenta: “os advogados da Secretaria Municipal de Saúde tem entrado em contato com o Ministério Público Estadual e Ministério Público Federa...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br