Adufs emite nota sobre crise no transporte público de Feira de Santana qualificando como vergonhoso

Adufs: "A inabilidade política e técnica do governo José Ronaldo para gerir o sistema de transporte público em Feira de Santana têm causado transtornos os moradores".

Adufs: “A inabilidade política e técnica do governo José Ronaldo para gerir o sistema de transporte público em Feira de Santana têm causado transtornos os moradores”.

Em nota emitida na terça-feira (01/09/2015), a Associação dos Docentes da Universidade Estadual de Feira de Santana (ADUFS) analisa o cenário de crise no transporte público municipal de Fera de Santana, e o qualifica como vergonhoso.

Confira o teor da nota

O vexame do transporte público no município

A inabilidade política e técnica do governo José Ronaldo para gerir o sistema de transporte público em Feira de Santana têm causado transtornos os moradores. Alegando dificuldades financeiras, as empresas permissionárias do serviço recolheram os veículos, em 16 de agosto, deixando a população sem ônibus coletivo por dez dias.

Na Uefs, onde o caos no transporte coletivo dificulta o acesso ao campus, a reitoria, num primeiro momento, suspendeu as aulas do noturno. Em seguida, cancelou as atividades do diurno. No entanto, diante da garantia da prefeitura de que os ônibus voltariam a circular parcialmente no dia 26 de agosto, optou-se pelo retorno às aulas. Após solicitação da reitoria, mais três veículos se somaram aos outros três que fazem o roteiro para a Uefs, mas os serviço não foi normalizado, o que atrapalhou a retomada das aulas na instituição. As atividades, no entanto, foram mantidas.

Desde a sua concepção, o sistema de transporte público em fase de implantação no município, o Bus Rapid Trânsit (BRT), tem sido alvo de sérias críticas. Indignada com a ausência da participação popular na construção do projeto, o favorecimento da classe empresarial e a incapacidade deste de atender demandas dos trabalhadores e estudantes, milhares foram às ruas da cidade reivindicar mais transparência na gestão da política de mobilidade urbana do município.

A diretoria da Adufs, que participou ativamente das mobilizações e das audiências públicas realizadas na Câmara de Vereadores, lançará nota pública sobre o assunto. O documento da Associação critica o aviltamento da mobilidade urbana, a negação do direito da população de acesso à cidade, o sucateamento dos veículos, as arbitrariedades cometidas pelas empresas concessionários do serviço contra os trabalhadores, além da criação, por parte do executivo municipal, de um projeto baseado num Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano defasado. Em breve, a nota estará disponível no site e redes sociais da Adufs.

CONTRATO EMERGENCIAL

Na tentativa de minimizar os transtornos causados à população, a prefeitura fez um contrato emergencial de seis meses com as duas empresas vencedoras da licitação para operar o sistema de transporte coletivo urbano. Vencido o semestre, as empresas assumem definitivamente o serviço. A proposta é substituir os 170 ônibus usados por 270 ônibus zero quilômetro.

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.