Salvador: mediação entre frentistas e donos de postos fracassa e greve está mantida

As negociações entre patrões e empregados de postos de combustíveis da Bahia, que estavam sendo mediadas pelo Ministério Público do Trabalho foram suspensas na tarde desta quarta-feira (12/08/2015) após reunião na sede do órgão. Como o impasse permaneceu, o procurador Bernardo Guimarães decidiu encerrar a mediação. Agora, resta às duas partes reabrir o diálogo ou entrar com pedido de dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho, que assim poderá definir como ficará a convenção coletiva da categoria profissional. Enquanto isso, os trabalhadores prometem manter a greve no setor.

A mediação no MPT envolveu o Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo no Estado da Bahia (Sinposba) e o Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniências do Estado da Bahia (Sindicombustíveis) e foi iniciada após pedido do sindicato dos trabalhadores. Depois de três audiências, os procuradores entenderam que não havia mais como destravar as negociações, que chegaram a impasse na questão da multa prevista há 12 anos em convenções coletivas aplicada aos postos que descumprem cláusulas da convenção.

“Nosso papel é o de facilitar o diálogo e encaminhar uma solução, que tem que sair da disposição de ambas as partes de negociar e encontrar uma possibilidade de acordo coletivo que atenda a interesses de ambos. Mas isso não era mais possível porque nenhum dos lados abria mão de pontos considerados por eles cruciais para a assinatura de um acordo”, explicou o procurador Bernardo Guimarães, que conduziu a mediação e que na reunião desta quarta-feira (12) contou ainda com a colaboração do procurador-chefe do MPT na Bahia, Alberto Balazeiro e do coordenador do segundo grau do MPT na Bahia, o procurador regional Messias Bulcão.

O impasse entre patrões e empregados está localizado na cláusula da convenção coletiva que estabelece multa de um piso salarial por cada cláusula da convenção coletiva descumprida. Esse valor, segundo os acordos dos anos anteriores é pago a cada um dos empregados do posto que descumpre a cláusula. O MPT chegou a propor a redução dessa multa para 70% do valor do piso, o que inicialmente foi aceito pelos trabalhadores sob a condição de negociar ganhos maiores no reajuste salarial e no auxílio alimentação. Os patrões, no entanto, só aceitariam manter a multa se ela ficasse em 15% do piso da categoria.

Os frentistas e demais funcionários de postos deflagraram greve em todo o estado no último dia 10 (segunda-feira) e prometem manter o movimento até o desfecho das negociações. A expectativa agora é que uma das partes dê entrada em um pedido para julgamento do dissídio coletivo pelo TRT. Se isso acontecer, o Tribunal marcará, antes do julgamento, uma sessão de conciliação, na qual o MPT também estará presente e deve fazer nova tentativa de acordo. Caso o impasse permaneça, os desembargadores vão arbitrar o teor da convenção coletiva baseados nas convenções anteriores e na pauta de reivindicações dos empregados.

Outras publicações

Bahia – Eleições 2014: PP e PDT buscam entendimentos sobre definição de vice na chapa de Rui Costa Rui Costa é candidato ao governo da Bahia pelo PT. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia) O anseio em torno da escolha do nome que irá compor ...
Comissão do Fundo de Cultura da Bahia visita ‘Museu Carlos Costa Pinto’ Museu Carlos Costa Pinto. Representantes da comissão gerenciadora do Fundo da Cultura do Estado da Bahia (FCBA) visitaram nesta sexta-feira (03/07/2...
Domingos Leonelli assume pela segunda vez a pasta de Turismo da Bahia Com o aval do trade turístico, o secretário Domingos Leonelli assume, pela segunda vez, a pasta do Turismo na Bahia. A cerimônia de transmissão de car...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br