Reportagem de capa da revista Época: ‘a crise atual é consequência do modo petista de fazer política’

Capa da revista Época borda José Dirceu e a política do PT.

Capa da revista Época borda José Dirceu e a política do PT.

Gráfico elaborado pela revista Época aborda atuação o caso Lava Jato e o envolvimento de personalidades do Partido dos Trabalhadores.

Gráfico elaborado pela revista Época aborda atuação o caso Lava Jato e o envolvimento de personalidades do Partido dos Trabalhadores.

José Direceu, de líder estudantil na década de 1960 a prisão no caso Lava Jato em 2015.

José Direceu, de líder estudantil na década de 1960 a prisão no caso Lava Jato em 2015.

Uma densa reportagem publicada pela revista Época em 7 de agosto de 2015 aborda a trajetória política do ex-ministro José Dirceu, o envolvimento no Caso Lava Jato e o modo de fazer política do Partido dos Trabalhadores (PT).

A reportagem é um trágico relato e análise do recente processo histórico de ascensão e comando do poder central por um partido de centro-esquerda, oportunidade em que os mais elevados valores da República – ética, respeito a princípios democráticos e ao interesse do povo – forma colocados em segundo plano em nome de uma pseudo governabilidade.

Confira o teor da matéria

A crise atual é consequência do modo petista de fazer política

Má gestão, erros políticos e arrogância existem no PT desde os tempos de Lula e José dirceu

Existem cidades assentadas sobre falhas geológicas, o que aumenta a probabilidade de terremoto – casos de Tóquio, Los Angeles e Istambul. Seus habitantes têm de se acostumar a pequenos sismos cotidianos e preparar-se para a ocorrência de grandes tremores. Em sua relação com o mundo político, os brasileiros vivem como os habitantes dessas cidades. Ocorrem terremotos todas as semanas – e, depois deles, terrenos que pareciam firmes se tornam movediços. Dois desses terremotos ocorreram neste início de agosto. O primeiro foi a prisão de José Dirceu, na segunda-feira, dia 3. O segundo foi a rebelião da base aliada do governo, na quarta-feira, dia 5, que se somou à divulgação de uma pesquisa em que a presidente Dilma Rousseff aparece com seus piores índices de popularidade.

A prisão de José Dirceu representou um grande baque para o Partido dos Trabalhadores. Primeiro, porque dirige os holofotes da Lava Jato para o primeiro mandato do ex-presidente Lula, onde foram montados os esquemas do mensalão e do petrolão. Revelações incômodas sobre a gênese da corrupção podem ferir gravemente uma candidatura de Lula à Presidência no futuro. Segundo porque, em meio às provas abundantes contra Dirceu, há sinais de enriquecimento pessoal. Isso torna difícil defender Dirceu junto à militância. Quando foi preso no mensalão, Dirceu deixou-se fotografar erguendo o punho cerrado – no gesto que os Panteras Negras, militantes do movimento negro nos anos 1960, tornaram célebre. Naquela ocasião, nas redes sociais, militantes petistas apresentaram Dirceu como vítima de um “julgamento político”. Desta vez, o partido abandonou Dirceu.

A semana atribulada de Dilma começou na quarta-feira, quando a Câmara, em sua estratégia irresponsável de explodir o Orçamento, aprovou um dos itens da “pauta-bomba”: a vinculação dos salários da Advocacia-Geral da União, delegados civis e federais a 90,25% da remuneração dos ministros do Supremo. Isso significa um gasto adicional de R$ 2,4 bilhões por ano, numa época em que qualquer gasto adicional pode representar uma piora sensível da situação econômica e dos cidadãos. É aquela situação em que os eleitos pelo povo, por puro oportunismo, prejudicam os próprios eleitores. Na mesma quarta-feira, dois partidos da base aliada, o PDT e o PTB, romperam com o governo – que ficou, assim, ainda mais frágil. A semana de más notícias se completou com a divulgação, na quinta-feira, de uma pesquisa em que Dilma atingiu seu pior resultado: 71% dos brasileiros consideram seu governo “ruim” ou “péssimo”, em comparação a 65% da pesquisa anterior. É o pior resultado da série histórica de Dilma.

Existem muitas conexões entre os dois fatos, a prisão de Dirceu e a crise do governo Dilma. A mais importante – e talvez menos aparente – é que uma coisa é consequência da outra. Muitas das agruras do governo Dilma foram plantadas durante o governo Lula, especialmente na época em que José Dirceu era o todo-poderoso ministro da Casa Civil. Se o governo sofre hoje com as investigações da Lava Jato, isso se deve a uma decisão tomada no início da era Lula. Em entrevista recente, o deputado Miro Teixeira disse que participou de uma reunião na qual estiveram quatro integrantes do governo. O tema da reunião era como formar uma base de apoio político. Alguns, como o ex-­ministro da Fazenda Antonio Palocci, defendiam que deveria ser via convencimento, negociando propostas com outros partidos – na mesma linha do que ocorrera com o PFL, fiel aliado do governo Fernando Henrique. A proposta vencedora, no entanto, foi a via “orçamentária”: a base de apoio seria negociada caso a caso, com uso de dinheiro como argumento, de acordo com as “demandas” de cada partido ou parlamentar. O cinismo em relação à democracia levou aos esquemas de compra de apoio, mensalão e petrolão.

Resignado com a prisão, Dirceu disse a amigo estar propenso a contar o que sabe

Se Dilma enfrenta problemas na economia, isso se deve a uma mentalidade estatizante que começou ainda no governo Lula. Que, num primeiro momento, ficou sob controle. Lula, pragmaticamente, adotou o arcabouço econômico do governo anterior, cujos fiadores eram o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. A partir da crise de 2008, no entanto, criou-se a “Nova Matriz Econômica”, política aprofundada no governo Dilma. A reboque da Nova Matriz, implantada na gestão de Guido Mantega, o mais longevo ministro da Fazenda da era democrática, o governo perdeu o controle dos gastos, tentou maquiar o deficit com as “pedaladas” e jogou o país na crise que vivemos.

Delator da Lava Jato diz que entregou R$ 4 milhões a José Dirceu

Por fim, se Dilma enfrenta animosidade no Legislativo, e tem dificuldades para firmar um pacto nacional, isso se deve, em grande parte, à arrogância que se instaurou no governo desde os tempos de Lula e Dirceu. Como relembra o economista Ricardo Paes de Barros, Lula teve humildade, no início do mandato, para implantar várias políticas do governo anterior – além do já citado arcabouço econômico, Lula “importou” da era tucana o programa de combate à pobreza criado pela equipe de Paes de Barros no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Lula implantou o Bolsa Família com competência e convicção. Os bons resultados desta e de outras políticas acertadas, aliados a uma conjuntura internacional favorável, levaram os petistas a achar que a política brasileira se dividia entre “antes” e “depois” deles – ideia expressa num dos bordões mais arrogantes de nossa história política, o “nunca antes neste país”. O crescimento brasileiro no período democrático, e a melhoria das condições de vida da população, se deve a uma sequência de fatos que começa na Constituição de 1988 e deve muito à estabilização econômica obtida no governo Fernando Henrique. Dizer que tudo começou com o governo do PT equivale a alguém comprar uma casa térrea, transformá-la num sobrado e maldizer quem construiu os alicerces (Constituição) e a parte de baixo (governos anteriores) – como se fosse possível erguer um segundo andar sem a existência do primeiro.

Corrupção na base política, má gestão econômica e a arrogância que divide o país. Três erros do modo petista de governar que, hoje, têm influência decisiva na crise. Neste momento em que urge criar um pacto nacional, é hora de reconhecer tais erros – e aprender com eles.

Confira imagens da matéria

Loading Images
wpif2_loading
Capa da revista Época borda José Dirceu e a política do PT
José Direceu, de líder estudantil na década de 1960 a prisão no caso Lava Jato em 2015
Gráfico elaborado pela revista Época aborda atuação o caso Lava Jato e o envolvimento de personalidades do Partido dos Trabalhadores
Gráfico elaborado pela revista Época aborda atuação o caso Lava Jato e o envolvimento de personalidades do Partido dos Trabalhadores
Gráfico elaborado pela revista Época aborda atuação o caso Lava Jato e o envolvimento de personalidades do Partido dos Trabalhadores
Gráfico elaborado pela revista Época aborda atuação o caso Lava Jato e o envolvimento de personalidades do Partido dos Trabalhadores
Gráfico elaborado pela revista Época aborda atuação o caso Lava Jato e o envolvimento de personalidades do Partido dos Trabalhadores
Gráfico elaborado pela revista Época aborda atuação o caso Lava Jato e o envolvimento de personalidades do Partido dos Trabalhadores
Gráfico elaborado pela revista Época aborda atuação o caso Lava Jato e o envolvimento de personalidades do Partido dos Trabalhadores
 

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br