Procurador-geral Rodrigo Janot defende delações premiadas e diz que ‘colaborador não é dedo-duro’

Rodrigo Janot: "O colaborador não é um dedo-duro, não é um X9. Pela lei, primeiro ele tem que reconhecer a prática do crime e dizer quais são as pessoas que também estavam envolvidas na prática daquele crime”.

Rodrigo Janot: “O colaborador não é um dedo-duro, não é um X9. Pela lei, primeiro ele tem que reconhecer a prática do crime e dizer quais são as pessoas que também estavam envolvidas na prática daquele crime”.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse hoje (26/08/2015) que há um mal-entendido sobre as delações premiadas e defendeu o procedimento que, segundo ele, acelera as investigações.

Janot destacou que a prática não é exclusividade do Brasil e ocorre também na França, em Portugal e na Itália, por exemplo. “O colaborador [delator] não é um dedo-duro, não é um X9. Pela lei, primeiro ele tem que reconhecer a prática do crime e dizer quais são as pessoas que também estavam envolvidas na prática daquele crime”, esclareceu durante sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

O procurador-geral da República lembrou ainda que, segundo a lei, caso esse colaborador impute falsamente a participação de um terceiro em crime que ele também assumiu, ele estará cometendo outro delito. “Você não pode utilizar um mero depoimento do delator como prova, isso não é suporte para denúncia. Você tem comprovar aquela circunstância e a vinculação da pessoa àqueles fatos que ele diz. Compete ao MP [Ministério Público] fazer essas comprovações. Aí sim, ganha força o depoimento do colaborador. É uma questão técnica que tem a grande vantagem de acelerar as investigações. Serve para orientar a coleta de prova. É um instrumento poderoso na investigação”, argumentou.

Segundo Janot, a maioria (79%) das delações premiadas da Operação Lava Jato foi obtida com os réus soltos. Somente 20% das colaborações ocorreram com réus presos.

Sobre os acordos de leniência, feitos por empresas que aceitam colaborar com a investigação, o procurador-geral da República disse que foram firmados pela Controladoria-Geral da União (CGU) e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e não têm reflexos no âmbito penal.

SwissLeaks

O senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), que é relator da Comissão Parlamentar de Inquérito do HSBC, questionou Janot sobre o chamado SwissLeaks, caso em que ocorreu vazamento de dados de correntistas do HSBC na Suíça. Além de problemas para receber informações do governo francês, o procurador-geral explicou que, quando os dados chegaram, a tecnologia foi um outro problema.

Ele disse que houve alteração no sistema do HSBC em 2006 e o desafio agora é compatibilizar o novo sistema com o antigo para que haja um acesso confiável das informações dessas contas. “Estamos trabalhando nesse aspecto. A própria França se comprometeu a auxiliar nosso pessoal de tecnologia”, adiantou.

Janot reconheceu que se assustou com o número de brasileiros e com o valor de depósitos feitos por cidadãos do Brasil no HSBC da Suíça.

Outras publicações

Operação Lava Jato | Ministro Teori Zavascki diz que delações de ex-diretor da Petrobras envolvem parlamentares Ministro Teori Zavascki afirma que tem parlamentares envolvidos em caso de corrupção. O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), ...
Indicação de Rodrigo Janot a novo mandato seguirá agora para a CCJ do Senado Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é indicado para recondução ao cargo. A indicação de Rodrigo Janot para novo mandato de dois anos no ca...
PF tenta prender operador investigado na Lava Jato Mário Frederico Mendonça Goes apareceu nas investigações por meio de delação premiada do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco. A Polícia Federal ai...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br