Oposição lamenta que a Bahia seja campeã do desemprego

Sandro Regis: "Mais uma vez a Bahia dá péssimo exemplo de gestão para o país", criticou o deputado, argumentando que o governo de Jaques Wagner, continuado por Rui Costa, deixou pelo caminho 193 obras paralisadas, com custo de R$ 200 milhões, gerando a demissão de 6 mil trabalhadores".

Sandro Regis: “Mais uma vez a Bahia dá péssimo exemplo de gestão para o país”, criticou o deputado, argumentando que o governo de Jaques Wagner, continuado por Rui Costa, deixou pelo caminho 193 obras paralisadas, com custo de R$ 200 milhões, gerando a demissão de 6 mil trabalhadores”.

A escalada do desemprego na Bahia que hoje ostenta a maior taxa do país, com 12,7%, gerou preocupação entre os parlamentares da bancada de oposição na Assembleia Legislativa. A taxa no Brasil, segundo o IBGE, atingiu a marca dos 8,3% no segundo trimestre de 2015, a maior desde 2012. O deputado Sandro Régis (DEM), líder da bancada, disse que o fato de a Bahia ocupar o topo no ranking nacional de desemprego não é resultado apenas da crise econômica que afeta o país, mas sobretudo da ineficiência do governo petista que administra o estado há 9 anos e foi incapaz de consolidar investimentos, manter e concluir projetos iniciados com capacidade de geração de emprego e renda.

“Mais uma vez a Bahia dá péssimo exemplo de gestão para o país”, criticou o deputado, argumentando que o governo de Jaques Wagner, continuado por Rui Costa, deixou pelo caminho 193 obras paralisadas, com custo de R$ 200 milhões, gerando a demissão de 6 mil trabalhadores. O democrata lembrou ainda da falta de ingerência do governo na crise do consórcio construtor do Estaleiro Paraguassu, em Maragogipe, que encerrou as atividades demitindo mais de 7 mil empregados. “Faltou vontade política, pulso e interesse pelo crescimento econômico da Bahia”, pontuou.

Sandro Régis citou também o insucesso do governo na implantação da Jac Motors, em Camaçari,  projeto que deveria gerar 3,5 mil empregos diretos e cerca de 10 mil indiretos e que não saiu do papel. ” O projeto já consumiu cerca de R$ 128 milhões em desapropriação do terreno e incentivos fiscais para importação dos veículos e o que se ver no local é mato pra todo lado e um carro que continua enterrado desde o lançamento da pedra fundamental, em 2012″, frisou. Nesta quarta-feira, 16, durante entrevista de rádio, o líder da oposição criticou a não prioridade do governador Rui Costa com questões essenciais para a população, como o desemprego, a segurança pública e a saúde, ao tempo em que preocupa-se em fazer política em Salvador. ” Na certa o governador quer aprender a trabalhar como o prefeito ACM Neto” , ironizou.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br