MPT propõe teto de cobrança para funcionário estacionar em shoppings de Salvador

MPT quer defende que shoppings cobrem tarifa diferenciada para trabalhadores.

MPT quer defende que shoppings cobrem tarifa diferenciada para trabalhadores.

A terceira reunião da mediação que o Ministério Público do Trabalho (MPT) conduz para tentar um acordo entre shoppings de Salvador, lojistas e funcionários de lojas e demais estabelecimentos sobre a cobrança de estacionamento para quem trabalha nos centros de compras terminou com a apresentação de uma proposta que pode resultar em acordo. Os procuradores sugeriram que se estabeleça um teto de cobrança pelo uso mensal de vagas, de R$75 para carros e de R$45 para motos. 

Os shoppings Lapa e Piedade, que têm número de vagas reduzido em relação à demanda teriam que negociar um acordo em separado. Até o fim da mediação, o valor que está sendo praticado não será alterado. Uma nova reunião está marcada para o próximo dia 10, às 14h, também na sede do MPT no Corredor da Vitória, onde ontem (26/08/2015) se reuniram mais uma vez representantes dos sindicatos dos comerciários e dos bancários e representantes dos sete centros de compras de Salvador que iniciaram a cobrança em junho passado. 

No encontro de 10 de setembro, cada um dos envolvidos na questão deve apresentar sua posição, tirada em assembleias com seus respectivos associados sobre a proposta, formulada a partir das informações já a presentadas. A procuradora Cláudia Soares, que conduziu a reunião de ontem explicou que “esses valores tomam como base o custo do vale-transporte, correspondendo ao que o trabalhador teria descontado, em média, de seus vencimentos caso opte pelo transporte público para se deslocar ao trabalho.”

O levantamento pedido pelos procuradores do trabalho na última reunião, realizada no dia 28 de julho, aos shopping centers não pôde ser concluído. Os dados apresentados no encontro de ontem foram parciais, o que fez com que a estratégia de aguardar uma radiografia do problema para buscar uma solução de conciliação mudasse. “Decidimos conversar separadamente com trabalhadores e shoppings e depois formular uma proposta razoável para ambos os lados que pudesse ser levada a assembleias para servir de base para um acordo”, esclareceu o procurador Pacífico Rocha, que também participou da reunião. 

A mediação foi solicitada por diversos seguimentos da sociedade logo após o início da cobrança pelas vagas para clientes, fruto de decisão do STF que cassou liminar proibindo a cobrança. Com isso, os funcionários de estabelecimentos que funcionam nesses shoppings passaram a arcar com um custo não previsto inicialmente na relação de trabalho.

Outras publicações

Salvador: blitz do Detran termina em prisão Detran realiza blitz na Av. Luis Eduardo Magalhães, em Salvador. Durante blitz realizada na tarde de ontem (12/02/2015), na avenida Luís Eduardo Mag...
Conselho da FETAG aprova previsão orçamentária e ratifica rompimento político com deputado federal Edson Pimenta Cerca de duzentos delegados representantes dos Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais aprovaram a previsão orçamentária 2012 da Federação ...
Prefeito de Salvador, ACM Neto contesta poder constitucional da ALBA ao criar Autoridade Metropolitana cuja finalidade é regular e fiscalizar Embasa ACM Neto contesta autoridade da ALBA. A Prefeitura do Salvador não reconhece a legalidade do projeto de lei proposto pelo governo do Estado e aprova...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br