MPF/BA: prefeito e ex-tesoureira de Gongogi têm mais de meio milhão de reais em bens bloqueados e são acionados por improbidade

MPF ajuizou ação de improbidade administrativa contra o prefeito reeleito, Altamirando de Jesus Santos.

MPF ajuizou ação de improbidade administrativa contra o prefeito reeleito, Altamirando de Jesus Santos.

Além deles, a agência do Banco do Brasil de Ubatã/BA responde a ação por ter contribuído com o ato de improbidade. O Ministério Público Federal (MPF) em Jequié ajuizou em 15 de junho de 2015 ação de improbidade administrativa contra o prefeito reeleito, Altamirando de Jesus Santos, e a ex-tesoureira, Ilka Juliana Gualberto Nascimento, da cidade baiana de Gongogi, a 454 km de Salvador, por desvio de recursos da Educação, em 2012. Além deles, a agência do Banco do Brasil de Ubatã/BA responde a ação por ter contribuído com o ato de improbidade. A pedido do próprio MPF, em abril último o gestor e a tesoureira do município tiveram mais de meio milhão de reais em bens bloqueados (R$521.640 mil), pela Justiça Federal, por desviarem em proveito do prefeito R$130,410 mil, em valores atualizados, que deveriam ter sido utilizados na construção de uma creche.

Na ação cautelar de bloqueio de bens, a Justiça Federal acolheu o pleito do MPF e, seguindo entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ), incluiu na indisponibilidade o valor da multa civil – de três vezes o valor do dano (R$391.230 mil) – tendo em vista que os recursos desviados eram destinados à Educação e, por conta do desfalque, a creche até hoje não foi concluída.

A creche deveria ter sido construída com recursos encaminhados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) por meio de um convênio firmado com o município em 2011. Dos cerca de R$255,3 mil repassados pelo FNDE por ordem bancária para a conta do convênio, R$100,125 mil foram transferidos ilegalmente para a conta do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e, a partir dela, retirados pelo prefeito e pela tesoureira em três saques em espécie, todos efetuados no mesmo dia (26.03.2012): R$17,4 mil; 49,5 mil e 33,2 mil.

“A conclusão a que se chega é que os demandados, mediantes sucessivos expedientes realizados com a finalidade de não deixar rastro do desvio de dinheiro público, apropriaram-se de R$100.150,22 destinados à construção de uma creche, enriquecendo ilicitamente à custa de recursos voltados à Educação”, afirmou o MPF na ação.

O Banco do Brasil também foi demandado por ter concorrido para a prática do ato de improbidade ao descumprir diversas normais legais e regulamentares, segundo as quais pagamentos de recursos recebidos da União por meio de transferência voluntária – como convênio – estão sujeitos à identificação do beneficiário final e à obrigatoriedade de depósito em sua conta bancária (art. 10 do Decreto 6.170/2007). De acordo com o art. 2º, §1º do Decreto 7.507/2011, “a movimentação dos recursos será realizada exclusivamente por meio eletrônico, mediante crédito em conta-corrente de titularidade dos fornecedores e prestadores de serviços devidamente identificados”.

O prefeito e a ex-tesoureira estão sujeitos às penas previstas na Lei de Improbidade Administrativa, que incluem a perda da função pública e dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio; ressarcimento ao erário; suspensão dos direitos políticos; pagamento de multa civil; proibição de contratar com o poder público e dele receber benefícios e incentivos ficais e creditícios.

Íntegra da ação de improbidade – Número para consulta na JF-BA: 740-35.2015.4.01.3308 – 64

Íntegra dação cautelar de indisponibilidade dos bens – Número para consulta na JF-BA: 586-17.2015.4.01.3308 – 183

Outras publicações

MPF denuncia prefeito e tesoureira municipal de Gongogi por desvio de mais de R$ 100 mil O recurso era do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação, destinado à construção de uma creche. O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denú...
Juiz cassa mandato do prefeito de Gongogi e o enquadra na Lei da Ficha Limpa Em decisão publicada no Diário da Justiça Eletrônico deste sábado (16/08/2014), o Juiz Titular da 73ª Zona Eleitoral, Francisco Pereira de Morais, det...
MPF vai fiscalizar cumprimento de normas pelos bancos para prevenir desvios de recursos repassados pela União Bancos públicos privados são fiscalizados pelo MPF. Bancos públicos privados são fiscalizados pelo MPF. No município de Gongogi, a 454 quilômetros d...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br