Feira de Santana: bacharel em engenharia, Bruno Sodré participa dos protestos, critica projeto do BRT e cobra transporte público de qualidade

Bruno Sodré, vivência na Europa despertou desejo de participar na construção de uma sociedade solidária e equilibrada.

Bruno Sodré, vivência na Europa despertou desejo de participar na construção de uma sociedade solidária e equilibrada.

Bruno Sodré é um jovem recém-formado em engenharia que, através do programa federal ‘Ciência Sem Fronteiras’, teve a oportunidade de residir por um ano na Europa. A experiência despertou desejo em participar na construção de uma sociedade solidária e equilibrada.

Residente em Feira de Santana e engajado em um ideal, no sábado (22/08/2015), Bruno Sodré foi um dos organizadores da terceira manifestação em protesto contra a implantação do BRT (Bus Rapid Transit – Sistema de Transporte Público Rápido por Ônibus), e pela preservação das árvores da Avenida Getúlio Vargas e Maria Quitéria. Os membros do protesto cobraram, também, transporte público de qualidade, redução do valor da tarifa de ônibus, elaboração participativa do Plano de Desenvolvimento, e o Plano de Mobilidade do município.

Sobre os protestos, confira a avaliação de Bruno Sodré

– Neste último sábado fizemos uma manifestação contra a derrubada de árvores nas avenidas centrais, pelo Plano Direto e Plano de Mobilidade e, principalmente, contra o projeto de BRT da Prefeitura de Feira de Santana.

– O movimento foi marcado pelo pluralismo de seus diversos personagens e não pelo protagonismo de alguém em especial. Cada um trouxe o que pode: cruzes para simbolizar o extermínio de árvores, cartazes, faixas brancas em sinal de paz e vozes que cobravam participação popular nos projetos, além de lamentar o caos no transporte público vivenciado desde domingo passado.

– A manifestação tinha como premissa agregar cidadãos sem restrição alguma e, naturalmente, muitos daqueles tinham filiação partidária, exercem cargos políticos e/ou são personalidades conhecidas no meio feirense. Um desses participantes foi o deputado estadual José Cerqueira Neto que esteve por alguns minutos em nosso meio. O sobrinho, Danilo Ferreira esteve presente durante o ato, falou ao público e também participa da vigília.

– Em reportagem do site Acorda Cidade, o engenheiro Danilo Ferreira foi mencionado como um dos organizadores do evento, porém o papel que desempenhou foi como participante, pois não mergulhou a fundo na elaboração do manifesto, até porque ocorreram duas manifestações anteriores, na segunda-feira e na quarta-feira, e o protesto de ontem foi deflagrado coletivamente no ato predecessor.

– Danilo Ferreira é um dos principais nomes que tem discutido o projeto tecnicamente. O engenheiro tem levado essa discussão à frente e obteve conquistas, pois o projeto não tem viabilidade técnica, e ao denunciar isso, encontra apoio e motivação por onde passa levando o objetivo adiante.

– Existe um grupo formado por quatro pessoas que foram indicadas pelo movimento para dar esclarecimentos à imprensa sobre a manifestação – Leonardo Pedreira, Max Welber, José Carneiro e eu. Porém, é claro, quanto há uma autoridade ou uma personalidade conhecida no meio do grupo os repórteres tendem a procurá-los para uma entrevista, foi o que aconteceu com Zé Neto e Danilo.

– Para a mídia, ou pelo menos é isso que vejo, o movimento é contra a derrubada das árvores, com cunho partidário. No entanto, há uma diversidade de temas interligados, mas que, para nós, não adianta discutir impacto ambiental num projeto que se quer vai mudar algo em nossas vidas.

– Em resumo, o deputado José Neto, apesar de seu apagão sobre o assunto por alguns meses, foi o primeiro a elaborar’ Audiência Pública’ para debater o assunto. Esteve inerte por um período, e agora colocou de novo a cara, talvez porque o tema ganhou significativa relevância na comunidade.

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.