Eventual denúncia de senador Eduado Cunha não prejudica relação com o Congresso, avalia ministro da Justiça

José Eduardo Cardozo não acreditar que uma eventual apresentação de denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afete as relações do governo com o Congresso Nacional.

José Eduardo Cardozo não acreditar que uma eventual apresentação de denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afete as relações do governo com o Congresso Nacional.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse hoje (19/08/2015) não acreditar que uma eventual apresentação de denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afete as relações do governo com o Congresso Nacional.

No mês passado, o peemedebista anunciou o rompimento político com o governo, após a divulgação do conteúdo da delação premiada do empresário Júlio Camargo, que acusou Cunha de ter recebido US$ 5 milhões em propina.

O presidente da Câmara é um dos políticos sobre os quais Janot, em março, pediu ao Supremo Tribunal Federal abertura de inquérito por suspeitas de envolvimento na Operação Lava Jato.

Para Cardozo, é preciso separar o interesse público da apuração que vem sendo feita pelo Ministério Público Federal. “Uma coisa é a necessidade que o país tem de estar junto, defendendo questões de interesse público para que superemos a crise. Outra coisa, é a questão de investigações e eventuais punições, que podem ser decidas sempre respeitando-se o direito de as pessoas se defenderem”, argumentou o ministro.

Em depoimento de delação premiada, o empresário Júlio Camargo, condenado a 14 anos de prisão em uma das ações penais decorrentes da Lava Jato, por corrupção e lavagem de dinheiro, disse que Cunha recebeu US$ 5 milhões em propina.

Cunha nega a acusação. “É mais um fato falso, até porque esse delator [Camargo], se ele está mentindo, desmentindo o que ele delatou, ele por si só perde o direito à delação”, disse após a divulgação do conteúdo da delação de Júlio Camargo.

*Com informação da Agência Brasil

Outras publicações

ALBA: Bloco de Oposição elabora nota conjunta repudiando declarações do vice-governador João Leão, a respeito de inquérito decorrente da Lava Jato Declaração do vice-governador João Felipe de Souza Leão é alvo de crítica dos opositores. O deputado estadual Pablo Barrozo (DEM) afirmou que as dec...
PT vai processar delator da Lava Jato quando o carnaval passar Rui Falcão: “todas as nossas doações são legais, registradas e declaradas à Justiça Eleitoral". O PT promete processar judicialmente o ex-gerente da...
Operação Lava Jato: executivos da construtora Camargo Corrêa negociam acordo de delação premiada. Informações indicam que corrupção era institucionalizada nos governos petista... Dalton dos Santos Avancini, presidente da Camargo Corrêa negocia delação premiada. Revelações podem indicar que corrupção era prática institucionaliz...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br