Cirurgia da catarata com femtosegundo

A catarata é a maior causa de cegueira reversível do mundo.

A catarata é a maior causa de cegueira reversível do mundo.

Segundo os historiadores, a cirurgia ocular já era comum na Babilônia (1730-1685 a.C.) conforme atestam os relatos presentes no Código de Hammurabi. Mas o registro mais antigo de método para remoção de catarata data de 600 a.C., e está no livro Samhita Uttara, Tantra, onde o cirurgião Susruta descreve a técnica na qual o cristalino é deslocado por uma incisão mínima por onde era inserido o instrumento cirúrgico…

Toda a história de evolução do instrumental e das técnicas visou sempre o desenvolvimento de uma técnica cirúrgica mais eficaz para o tratamento da catarata. “Ao longo dos anos, a cirurgia de catarata foi um dos procedimentos que mais evoluiu no mundo. Prova disso é que há algumas décadas a cirurgia era realizada sob anestesia geral e o paciente permanecia internado por cerca de cinco dias. Com muita sorte, após o procedimento, ele ainda usaria os famosos óculos ‘fundo de garrafa’. Durante muito tempo, nós, oftalmologistas modernos, desfrutamos da fusão de todas as tecnologias e de todo o conhecimento acumulado por diversas culturas e passamos a dominar a técnica do que denominávamos ‘moderna cirurgia de catarata’. Até que tudo mudou novamente, mas radicalmente, em 2013…”, afirma o oftalmologista Virgílio Centurion (CRM-SP 13.454), diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares, que acaba de lançar o livro Cirurgia de Catarata com Femtosegundo, CICAFE, pela editora Cultura Médica.

2013: ano da introdução da tecnologia femtosegundo no Brasil

Em 2013, tudo o que estava consolidado no campo do conhecimento da cirurgia de catarata mudou, exigindo muito mais habilidade e conhecimento científico do cirurgião e mais atenção do paciente na escolha do método a ser usado.

A história da cirurgia de catarata está repleta de homens que enfrentaram as críticas e a incredulidade de seus contemporâneos. Segundo Centurion, o livro reflete o momento atual em que a comunidade oftalmológica debate o emprego do femtosegundo na cirurgia de catarata. “É uma evolução? Trata-se de um modismo? É uma verdadeira revolução? Quais as vantagens reais para os pacientes da adoção dessa tecnologia? Se a catarata é a maior causa de cegueira reversível do mundo, todos os pacientes terão a chance de usufruir das vantagens dessa nova tecnologia?”, questiona o médico.

Com tantas perguntas em mente e com muita experiência no emprego da nova tecnologia, a opção natural foi a de registrar tudo passo a passo. “O livro foi escrito com o propósito de compartilhar com outros cirurgiões a minha experiência pioneira em relação à introdução da tecnologia femtosegundo no Brasil, cujo refinamento cirúrgico é a obtenção de um equivalente esférico refracional pós-operatório de + 0,50 dioptrias e um índice de satisfação subjetivo acima dos 95% dos pacientes operados de catarata e/ou cirurgia refrativa intraocular. Desejo iniciar uma discussão ampla com outros profissionais para tratar da introdução de conceitos que irão mudar a técnica e a tecnologia empregadas hoje na cirurgia de catarata para sempre. Quanto mais cirurgiões estiverem empregando a nova tecnologia, maiores serão os avanços tecnológicos e mais consistentes serão os resultados dos pacientes”, defende o médico, que é membro da ALACCSA, Associação Latino-Americana de Cirurgiões de Córnea, Catarata e Cirurgias Refrativas.

Centurion enumera as dificuldades na introdução das novas tecnologias na Oftalmologia no Brasil, “resultantes de políticas discutíveis na saúde e na política externa do País que acarretam atrasos na introdução de novas formas terapêuticas numa média de 2 anos, em detrimento da saúde da população e do avanço científico do País”. O oftalmologista conta que suas primeiras cirurgias empregando o laser femtosegundo foram realizadas no exterior, em parceria com colegas estrangeiros, onde a tecnologia já estava regulamentada pelos órgãos fiscalizadores.

Em seguida, didaticamente, o médico discorre sobre o emprego do laser na Oftalmologia, os parâmetros do laser LenSx®, a trajetória da adoção de uma nova tecnologia, a técnica passo a passo, as possíveis complicações, como é a curva de aprendizado (registros que deram origem aoProjeto CICAFE – Cirurgia da Catarata com Femtosegundo sem Traumas), as situações especiais para o emprego da tecnologia (ceratotomia radial, catarata brunescente, catarata nigra, catarata traumática, catarata branca normotensa, catarata branca intumescente) e as controvérsias que cercam o tema.

“Destaco também o relevante e novo papel que o anestesiologista e o serviço de enfermagem desempenham nesse processo. Esses profissionais também tiveram que atualizar seu conhecimento teórico e prático no que diz respeito à tecnologia dos equipamentos e técnicas utilizadas nessa cirurgia”, destaca o diretor do IMO.

Por fim, Virgílio Centurion destaca que após a leitura do livro, o oftalmologista deve refletir sobre a adoção e o emprego da nova tecnologia. “O femtosegundo se propõe a melhorar o índice de satisfação dos pacientes por meio de aumento da previsibilidade refracional e melhoria da técnica da cirurgia de catarata, buscando maior segurança com índice mínimo de efeitos colaterais. Porém, devemos considerar que é uma tecnologia em evolução inicial, diferentemente da facoemulsificação. Será preciso adotar o femtosegundo ainda na residência médica? Será melhor adotar a tecnologia após adquirir alguns anos de experiência? Ou seria melhor adotar apenas no final da carreira? Em todas as situações, minha recomendação é adotar, aprender, sair da zona de conforto, ou em breve, o próprio profissional pode estar fora do mercado”, defende o médico.

Evolução da cirurgia de catarata

A cirurgia ocular já era comum na Babilônia (1730-1685 a.C.) conforme atestam os relatos presentes no Código de Hammurabi;

O registro mais antigo de método para remoção de catarata data de 600 a.C., no livro Samhita Uttara, Tantra, o cirurgião Susruta descreve a técnica na qual o cristalino é deslocado por uma incisão mínima por onde era inserido o instrumento cirúrgico;

Em 1000 d. C., Abull Qasim Amar descreveu a técnica de aspiração da catarata utilizando uma agulha;

Em 1747, a história da cirurgia de catarata teve seu grande marco: o oftalmologista Jacques Daviel foi o primeiro a realizar a extração do cristalino por uma incisão inferior;

A extração intracapsular do cristalino ocorreu em 1753 com o cirurgião Sharp;

E mais de quarenta anos depois Cassamata realizou, na Alemanha, a primeira tentativa de substituição do cristalino por uma prótese, inserindo uma lente de vidro no olho de um paciente após uma cirurgia de catarata;

Em 1860, o alemão Albrecht von Graefe desenvolveu uma faca especial para fazer a incisão cirúrgica. Por quase um século, o instrumento foi o mais usado para extração do cristalino;
Em 1900, Verhoeff realizou a extração intracapsular do cristalino com uma pinça;

Quatro décadas depois, Hermenegildo Arruga e Ignácio Barraquer passaram a utilizar a sucção capsular em seus procedimentos;

Durante a Segunda Guerra Mundial, Nicholas Harold lloyd Ridley observou que os pilotos da Força Aérea Real Britânica, vítimas de ferimentos oculares com fragmentos da cabine da aeronave, apresentavam reação inflamatória mínima, e teve a ideia de utilizar o mesmo material – polimetilmetacrilato Perpex CQ – para construir uma lente que substituísse o cristalino humano. Em 1949, Ridley efetuou a primeira cirurgia com implante de uma lente intraocular;

Em 1961, Tadeuz Krwawicz inventou a crioextração, que veio a ser usada universalmente até meados da década de 1980;

Em 1967, o cirurgião norte-americano Charles Kelman desenvolveu a técnica da facoemulsificação, considerado um procedimento cirúrgico mais seguro e eficaz para tratamento de catarata.

Outras publicações

São Gonçalo dos Campos: projeto social Fazenda da Esperança Irmã Dulce promoveu Festa de São Francisco Fazenda da Esperança Irmã Dulce promoveu Festa de São Francisco. Projeto social atual na recuperação de dependentes químicos. Com o tema ‘Misericórd...
Mutirão de Cirurgias atendeu mais de 500 pacientes na região de Vitória da Conquista Mutirão de Cirurgias atendeu mais de 500 pacientes. Mais de 500 pacientes já realizaram consultas e exames pré-operatórios no Mutirão de Cirurgias, ...
Acordo na Câmara dos Deputados derruba veto e garante gratificação para agentes de saúde Sessão do Congresso Nacional para análise e votação de vetos presidenciais. Acordo entre bancadas do governo e oposição que permitiu a aprovação do ...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br