Alto índice de desemprego faz crescer a procura por intercâmbio | Por Ana Luisa D´Arcadia Siqueira

Barcelona, Espanha. Desemprego faz crescer a procura por intercâmbio.

Barcelona, Espanha. Desemprego faz crescer a procura por intercâmbio.

O ano de 2015 não está sendo fácil. Segundo dados do IBGE, o índice de desemprego caminha para dois dígitos percentuais – onde cerca de 7.934 milhões de pessoas estão desempregadas. Diante deste cenário, o medo de perder o emprego ou estagnar na carreira tem rondado muitos profissionais. Para lutar contra a insegurança, nada melhor que investir na formação profissional a fim de se qualificar e se destacar.

Para os que continuam trabalhando, mas sentem-se estagnados, a hora pode requerer mais iniciativa e, a ausência programada por um ou até três meses pode demonstrar ao seu chefe a vontade de crescer e oferecer mais à empresa. Para os que estão desempregados, aplicar o valor da rescisão em algo que realmente vai trazer ganhos pessoais e profissionais pode ser a melhor opção.

Nessas horas surgem oportunidades de recomeço. Quando não se vê saída para resolver uma situação, o melhor a fazer é mudar totalmente de rumo para buscar novas soluções. O intercâmbio cultural, muitas vezes, é o melhor caminho. Viver uma experiência no exterior desenvolve os conhecimentos e amplia os horizontes do aluno.

Aprimorar um segundo idioma, como o inglês ou espanhol, é excelente. A fluência em uma segunda língua abre muitas portas. O aluno consegue ampliar o ramo de atuação e, no retorno ao Brasil, conquistar ótimas vagas em novas empresas ou mesmo uma promoção na empresa em que trabalha. Muitas empresas incentivam os funcionários e até ajudam custeando parcial ou integralmente o curso.

Com o mercado de trabalho cada vez mais competitivo, quem se especializa consegue sair na frente. Por isso, além de cursos de idioma, profissionais podem optar por cursos específicos em sua área de atuação, o que também é um grande diferencial para as empresas na hora de contratar ou promover funcionários.

A alta do câmbio não é um empecilho para a realização do intercâmbio. Quem pretende investir no projeto, com um bom planejamento, consegue realizá-lo sem problemas. Além de opções de parcelamento em agências, há também destinos onde a alta não é tão significativa, como Canadá, Nova Zelândia ou Irlanda.

O ideal é sempre buscar alternativas para driblar a crise. Em momentos como esse, quem consegue encontrar diferenciais e se sobressair, atinge grandes resultados na carreira profissional.

*Ana Luisa D’Arcadia de Siqueira é diretora de marketing da Global Study, franquia de intercâmbios.

Outras publicações

Curso de mestrado da Univasf terá aulas com técnicos da EBDA A nova turma de alunos do curso de mestrado em Engenharia Agrícola da Universidade do Vale do São Francisco (Univasf) será contemplada com mais aulas ...
Lençóis sedia simpósio nacional de patrimônio geológico Fachada do Campus da Uefs em Lençóis. A Universidade Estadual de Feira de Santana  (Uefs) e a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, entidade v...
Educação reforça desigualdades entre brancos e negros, diz estudo A presidente do Todos pela Educação, Priscila Cruz, diz que é preciso tem que dar as melhores escolas para a população negra e parda. A educação par...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br