A Zona Azul do Município de Patrocínio

Zona Azul do Município de Patrocínio opera com 1.372 vagas, informa o prefeito.

Zona Azul do Município de Patrocínio opera com 1.372 vagas, informa o prefeito.

Conforme reportagem do G1, publicada no dia 1º de junho de 2015, o município mineiro de Patrocínio promoveu redução do número de vagas destinadas para estacionamento na Zona Azul. Inicialmente o sistema detinha 1.600 vagas, mas foi reduzido para 1.372 vagas, informou Lucas Campos de Siqueira, prefeito. A reportagem do G1 informa, também, que ocorre constante defeitos dos parquímetros operados pela empresa Expark.

Outro tema abordado pela reportagem é sobre o uso do sistema Zona Azul por idosos. Segundo a reportagem, a Secretaria Municipal de Trânsito tem 1.800 idosos cadastrados no sistema, eles utilizam do estacionamento gratuitamente, mas para utilizar o sistema, no entanto, é preciso adquirir o cartão com a Expark no valor de R$ 10º. O valor é revertido em créditos para serem utilizados em outras vagas.

*A equipe do Jornal Grande Bahia tentou enviar questionário para o setor público responsável pela gestão do sistema, mas não obteve êxito. Os dados são do G1.

Conceito de Zona Azul

Zona Azul ou Área Azul é uma modalidade de estacionamento que utiliza serviço regulamentado de cobrança de estacionamentos em vias públicas das cidades brasileiras, com a finalidade de disciplinar o uso das vagas e incentivar a rotatividade.

A ideia é que limitando o tempo de estacionamento é possível estimular a rotatividade de veículos, ampliando o fluxo de pessoas, ao longo do dia, em uma determinada área do município. Geralmente o serviço oferece seguro contra danos ou roubo do veículos.

Regulamentado pelo Código de Trânsito Brasileiro e por leis municipais, na maioria das cidades funciona nas seguintes categorias: “uma hora”, “duas horas” e “carga e descarga”.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).