Vice-presidente da República diz que Brasil vive “uma tranquilidade institucional extraordinária”

Michel Temer participou da homenagem póstuma ao ex-deputado Paes de Andrade, na Câmara dos Deputados.

Michel Temer participou da homenagem póstuma ao ex-deputado Paes de Andrade, na Câmara dos Deputados.

O presidente da República em exercício, Michel Temer, minimizou hoje (08/07/2015) a crise política e o acirramento das divergências entre governo e oposição. Ele afirmou que o Brasil vive “uma tranquilidade institucional extraordinária”.

Esta semana, o governo e sua base aliada têm se mobilizado para defender-se de eventuais pedidos de afastamento da presidenta Dilma Roussef. Na segunda-feira (6), Temer reafirmou a legitimidade do mandato de Dilma. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, a presidenta afirmou que não cairá e classificou as tentativas de interrupção do seu mandato de “um tanto golpistas”.

“Por mais que muitas vezes se diga há esta ou aquela crise, o fato é que temos uma tranquilidade institucional extraordinária”, disse Temer em breve discurso na homenagem póstuma ao ex-presidente da Câmara Paes de Andrade.

“A simbologia da figura do Paes de Andrade revela precisamente esse país que rompeu com o ciclo histórico em que a cada tempo tínhamos uma crise institucional. Hoje temos tranquilidade, para dentro de instituições democráticas, conduzir o país”, acrescentou.

Em tom de conciliação, Temer disse, em entrevista após a solenidade, que o embate entre o governo e a oposição sobre um eventual pedido de abertura de processo de impeachment deve ser evitado e que é preciso unir as forças políticas para melhorar o Brasil. “Temos que pensar no Brasil, que fazer uma grande unidade nacional, que mais do que nunca é necessário um pensamento conjugado dos vários setores da nacionalidade, portanto dos vários partidos políticos para que caminhemos juntos em benefício do Brasil”. Acrescentou que não vale a pena “levar adiante” qualquer discussão a respeito do assunto.

O presidente em exercício também reiterou sua permanência na articulação política do governo. “O vice-presidente da República colabora sempre com a articulação política, aliás a sua própria função de eventual substituto, como hoje se deu em face de viagem da presidenta, revela essa necessidade de articulação política permanente”.

Cunha reitera posição de que vice-presidente deixe articulação política do governoFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

As informações sobre uma eventual saída de Temer da articulação política começaram a circular na Esplanada dos Ministérios há uma semana, quando o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), defendeu que o vice-presidente deixasse o cargo porque, no seu entender, está “sendo sabotado por parte do PT”.

Hoje, mesmo com a tentativa de Temer de minimizar crises, Cunha reiterou sua posição. “Eu já fiz a observação que tinha que fazer, no momento que tinha que fazer. Não vou, todo dia, fazer a mesma observação”, disse.

O presidente da Câmara defende que Temer conclua o processo de aprovação do ajuste fiscal antes de deixar a função, o que vai requerer um esforço de articulação nos próximos dias. “As duas Casas [Câmara e Senado] vão entrar em recesso no fim da semana que vem e esses dias que faltam ele tem que concentrar esforços para concluir o projeto de [votação do] ajuste fiscal, no Senado”, avaliou.

Cunha e Temer participaram de sessão solene em homenagem ao ex-deputado Paes de Andrade, que morreu no mês passado vítima de complicações decorrentes de uma cirurgia no estômago. Em discursos breves, os dois falaram sobre a trajetória política do ex-presidente da Câmara e o protagonismo do cearense, nascido em Mombaça, em questões humanitárias e pela redução de desigualdades.

O ex-parlamentar representou o estado na Câmara dos Deputados entre 1963 a 1999 e foi interlocutor de manifestações contra a censura à imprensa, a violação dos direitos humanos, as cassações de mandatos parlamentares, as prisões arbitrárias e a extinção de partidos políticos. Ele presidiu a Casa no período de 15 de fevereiro de 1989 a 2 de fevereiro de 1991.

*Com informações da Agência Brasil.

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br