Série de reportagens ‘Feira de Santana, a cidade desconstruída’ revela a destruição socioambiental da polis, com a subsequente negação do conceito de cidadania

Obstrução da calçada da Rua São Domingos por totem de anúncio comercial impede a adequada visão da via, colocando em risco a vida de cidadãos.

Obstrução da calçada da Rua São Domingos por totem de anúncio comercial impede a adequada visão da via, colocando em risco a vida de cidadãos.

Obstrução da calçada da Rua São Domingos por totem de anúncio comercial impede a adequada visão da via, colocando em risco a vida de cidadãos.

Obstrução da calçada da Rua São Domingos por totem de anúncio comercial impede a adequada visão da via, colocando em risco a vida de cidadãos.

O Jornal Grande Bahia (JGB) dá início a uma série de reportagens reunidas sob o tema ‘Feira de Santana, a cidade desconstruída’. As reportagens objetivam abordar aspectos da polis que contrariam princípios elementares de civilidade. Elas são assinadas pelo cientista social e jornalista Carlos Augusto, e conformam um legado e um tributo à memória da classe trabalhadora, responsável pela vida na polis.

Ao comentar sobre a série de reportagens, Carlos Augusto infere que objetiva “revelar como setores da classe dominante usurpam a cidade, apropriam-se do público, tendo como consequência a negação do espaço público como espaço de reificação dos valores da cidadania, dos valores da civitas.

Para explicar o conceito de civitas, ele cita trecho do artigo de Moisés Romanazzi Tôrres:

– A vida civil perfeita só se realiza na cidade (civitas), comunidade natural e autossuficiente que serve à finalidade humana do “bem viver”.

Carlos Augusto expressa, também, que as reportagens vão abordar como a inação e o consentimento do poder público municipal – executivo e legislativo – contribui para usurpação do público em detrimento de inconfessáveis interesses privados, e de que maneira parte da classe trabalhadora, notadamente do subproletariado, alienado e superexplorado repete o comportamento ilegal e amoral da classe dominante na usurpação do espaço público, resultando na deterioração dos valores da civitas, do “bem viver”, e na negação do conceito de urbanidade.

Ao comentar sobre o ideal de urbanidade, o cientista social cita trecho do artigo ‘Princípios e conceitos’, de autoria do arquiteto Roberto Ghione:

– A essência do urbanismo consiste em determinar as diretrizes para a construção de cidades pacíficas e civilizadas, estimulantes da convivência entre as pessoas, inteligentes e racionais, estreitamente interligadas com o território, sadias e sustentáveis, integradas com a natureza, respeitosas do passado e abertas ao futuro, conciliadoras entre a identidade afirmada na história e os desafios da contemporaneidade, manifestação suprema da cultura de um grupo humano.

Exemplo

Para ilustrar a primeira reportagem da série ‘Feira de Santana, a cidade desconstruída’ são apresentadas imagens fotográficas e um vídeo produzidos por um leitor do JGB.

Indignado com o fato de ser exposto ao perigo, cotidianamente, em decorrência de obstrução da esquina, da Rua São Domingos com a Rua São Cristóvão, por um totem que anuncia uma empresa comercial, o leitor do JGB produziu fotos e vídeo com a finalidade de evidenciar a apropriação indevida do espaço público e a negligência do poder executivo municipal.

O leitor denunciou, também, a apropriação indevida do espaço público, e a omissão da Prefeitura de Feira de Santana em regular o uso das calçadas da cidade, expressando:

– O comerciante coloca a vida dos cidadãos em risco ao obstruir o campo de visão dos motoristas com o totem de anúncio comercial da empresa. Enquanto os agentes públicos e servidores da Prefeitura de Feira de Santana fazem o que melhor podem fazer, nada! – Protestou.

As imagens apenas exemplificam, na prática, um comportamento de apropriação do espaço público, que se reproduz de diferentes maneiras em várias partes da cidade.

Confira imagens

Loading Images
wpif2_loading
Obstrução da calçada da Rua São Domingo em Feira de Santana
Obstrução da calçada da Rua São Domingo em Feira de Santana
Obstrução da calçada da Rua São Domingo em Feira de Santana
Obstrução da calçada da Rua São Domingo em Feira de Santana
Obstrução da calçada da Rua São Domingo em Feira de Santana
 

Confira o vídeo

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.