Seagri Bahia apoia luta de produtores baianos contra coco importado

Bahia é o maior produtor de coco do Brasil.

Bahia é o maior produtor de coco do Brasil.

A Bahia é o maior produtor de coco do Brasil, com produção estimada em 554 milhões de frutos/ano, mas essa cadeia vem sofrendo graves prejuízos, causado pela concorrência predatória dos produtos importados (água de coco e coco ralado) oriundos principalmente do continente asiático. Segundo informações do Sindicoco, atualmente as importações de coco ralado representam mais de 50% do consumo nacional do produto. Diante disso, o Sindicato Nacional dos Produtores de Coco do Brasil (Sindicoco), encaminhou documento, ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) relatando o problema, e solicitando a defesa do produto nacional, através da recriação do Padrão de Identidade e Qualidade para o coco ralado; a exigência de que esse produto apresente certificado que foi processado em obediência às boas práticas de fabricação, as quais é submetido o produto brasileiro, e a manutenção do imposto de importação com tarifa de 55 %.

“A invasão desses produtos sem os devidos cuidados representa riscos para a cultura e para os consumidores, além de expor o segmento à ação dos especuladores, que visam derrubar o preço do produto nacional, sem gerar nenhum benefício para o consumidor”, destaca o secretário da Agricultura da Bahia, Paulo Câmera. Ele ressalta que a cultura do coco tem apelo socioeconômico importante, principalmente no Nordeste do País, região que concentra maior parte da produção, visto que mais de 90% é realizada por pequenos agricultores, envolvendo mais de 220 mil pessoas. “A Bahia, por exemplo, lidera a produção de coco no Brasil, com área plantada de 75,8 mil hectares. É preciso salvaguardar estes produtores”, disse.

Para a importação da água de coco, os produtores pleiteiam a criação de uma Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) específica; a exigência de que a água de coco importada apresente certificado, e também seja processada em obediência às boas práticas de fabricação.

Subsídios

De acordo com o secretário executivo da Câmara Setorial do Coco Fernando Florence, presidente do Sindicoco, o produto importado recebe altos subsídios nos países de origem, conforme garantem os direitos compensatórios – direitos especiais que incidem sobre as importações a fim de contrabalançar os benefícios de subsídios concedidos aos produtores do país exportador. “Os direitos compensatórios chegaram a atingir quase 300% sobre o imposto de importação, mas essa medida tornou-se ineficaz, visto que o coco ralado passou a entrar no Brasil tendo como origem países que não estavam inseridos nessa política, ou não cultivavam, nem processavam o produto”, explicou Florence.

Como os direitos compensatórios não surtiram os efeitos esperados, o Sindicoco entrou em processo de salvaguarda – medida de proteção -, resultando na imposição de cotas para importação de coco ralado. A medida apresentou resultados satisfatórios, mas sua vigência expirou em 2012, e para minimizar os efeitos negativos da interrupção, o imposto de importação do coco ralado foi elevado para a alíquota de 55%, em vigor até os dias atuais.

Produção de coco na Bahia

O ranking de produção de coco no Brasil, liderado pela Bahia, segue com os estados do Ceará, Sergipe, Pará e Espírito Santo, respectivamente. O Valor Bruto da Produção Agrícola (VBPA) baiano é estimado em R$ 273,5 milhões, correspondente à geração de 240 mil empregos. Do ponto de vista social, a cocoicultura atende às demandas que vão desde pequenas oficinas de artesanato, até os grandes complexos empresariais da indústria da transformação e do turismo, podendo-se aproveitar 100% deste fruto, tanto do tipo verde, quanto do tipo seco.

A produção do Estado está concentrada no Litoral Norte/Agreste Baiano, podendo ampliar seu cultivo em áreas irrigadas. Além desses polos, se destacam como produtores potenciais os perímetros irrigados de Rodelas e Juazeiro, a Costa Litorânea do Baixo Sul e o Sul da Bahia, entre Ilhéus e Belmonte, e Oeste do Estado.

Outras publicações

Advogado admite recorrer ao STF contra a condenação de donos de fábrica de fogos na Bahia O advogado Alfredo Carlos Venet de Souza Lima, que defendeu esta semana os cinco réus julgados culpados em júri popular por causa da morte de 64 pesso...
Bahia tem 175 cidades sem delegado titular e deputado Carlos Geilson apela por solução Deputado Carlos Geilson diz que Diante da falta de efetivo, a Delegacia Geral direciona um delegado e um escrivão para cobrir toda a região metropoli...
Orçamento da União para 2011 contempla a Bahia com R$ 9,5 bilhões em investimentos Após 113 dias de tramitação, o Congresso aprovou, na quarta-feira passada (22/12/2010), o Orçamento federal para 2011, o primeiro a ser executado pelo...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br