“Reduzir a maioridade penal é um trágico retrocesso e não resolverá o problema da violência”, avalia deputado

Bira Corôa: "A violência não será solucionada com a culpabilização e punição, mas pela ação da sociedade e governos nas instâncias psíquicas, sociais, políticas e econômicas que as reproduzem. Agir punindo e sem se preocupar em discutir quais os reais motivos que reproduzem e mantém a violência, só gera mais violência".

Bira Corôa: “A violência não será solucionada com a culpabilização e punição, mas pela ação da sociedade e governos nas instâncias psíquicas, sociais, políticas e econômicas que as reproduzem. Agir punindo e sem se preocupar em discutir quais os reais motivos que reproduzem e mantém a violência, só gera mais violência”.

Durante pronunciamento na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (30/06/2015), o deputado estadual Bira Corôa (PT) reforçou seu posicionamento contrário a redução da maioridade penal para 16 anos, decisão a qual define como retrocesso. O parlamentar foi claro ao afirmar que a redução da maioridade penal não reduzirá os números e índices de violência, e utilizou como exemplo países como Espanha e Alemanha, os quais voltaram atrás da decisão. Pesquisas revelam que, do total de crimes violentos cometidos no Brasil,  menos de 3% tem autoria de adolescentes. “A violência não será solucionada com a culpabilização e punição, mas pela ação da sociedade e governos nas instâncias psíquicas, sociais, políticas e econômicas que as reproduzem. Agir punindo e sem se preocupar em discutir quais os reais motivos que reproduzem e mantém a violência, só gera mais violência”, disse.

Ao falar sobre a violência, o parlamentar pontuou que, no Brasil, os jovens negros são os que mais morrem, são as principais vítimas e serão também eles que mais sofrerão com a possível aprovação da PEC 171/93: “Estima-se que no Brasil cerca de 50 mil jovens são assassinados por ano, destes 77% são negros. Homens negros são 18,4% mais encarcerados e 30,5% mais vítimas de homicídio no Brasil, reduzir a idade penal aprofunda desigualdades e torna a juventude negra ainda mais vulnerável as consequências do racismo e política de privação de liberdade promovida pela indústria do cárcere”.

Vale lembrar que a legislação em vigor na Brasil já responsabiliza toda pessoa acima de 12 anos por atos infrancionais. De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a criança e o adolescente em situação de conflito com a lei deve passar por medidas socioeducativas, como advertência, obrigação de reparar ao dano, prestação de serviço à comunidade, liberdade assistida, semiliberdade e internação. A medida é aplicada segundo a gravidade da infração. “O ingresso precoce de adolescentes e jovens no sistema carcerário só  aumentará o número de bandidos. O pois índice de reincidência do atual processo carcerário é de 70%. Não podemos abrir mão da juventude brasileira”, declarou com ênfase o deputado.

Outras publicações

Decreto de Lula cria o Dia Nacional de Combate à Homofobia O dia 17 de maio foi instituído como Dia Nacional de Combate à Homofobia, a partir de decreto assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pub...
Childhood combate violência sexual contra crianças e adolescentes na Bahia em parceria com a Stora Enso Foco da parceria neste ano é enfrentar o problema e atender crianças e adolescentes em várias regiões do estado. Hoje, 18 de maio de 2015, Dia Nacio...
Senai assina acordo com instituto alemão para acelerar inovação em indústrias Senai assina acordo com instituto alemão. O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) assinou esta semana um acordo para facilitar as parc...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br