Manifestantes acampam em frente à casa do presidente da Câmara Federal e pedem impeachment de Dilma Rousseff

Manifestantes do Movimento Brasil Livre acampam em frente à residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados e pedem votação do  impeachment  da presidenta Dilma Rousseff.

Manifestantes do Movimento Brasil Livre acampam em frente à residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados e pedem votação do impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Integrantes do Movimento Brasil Livre estão acampados em frente à residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os manifestantes pedem que o deputado coloque em pauta os pedidos de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

O grupo protocolou um pedido de impeachment no dia 27 de maio. “Agora estamos aqui para exigir que ele coloque para votar esse pedido logo após o final do recesso [parlamentar]”, disse Fernando Silva, coordenador nacional do movimento. O recesso termina neste fim de semana.

Na manhã de hoje (31/07/2015), quando Cunha deixou sua casa em direção ao aeroporto, os manifestantes gritaram: “Ô, Cunha, não me enrola, bota o impeachment para ela ir embora”.

Até o momento, foram protocolados 13 pedidos de impedimento na Câmara. Na semana passada, Eduardo Cunha pediu que os autores reformulassem os documentos de acordo com os requisitos do regimento da Câmara para que pudessem ser apreciados pela Mesa Diretora. Questionado sobre a devolução dos pedidos para correção dos erros, Cunha argumentou que fez o que entendeu que deveria ser feito. O deputado  já disse que, embora tenha anunciado o rompimento com o governo federal, analisará os pedidos com base em fundamentos legais.

Os cerca de 30 manifestantes estão se revezando em seis barracas e pretendem ficar acampados até a próxima terça-feira (4). “Conseguimos falar com ele [Eduardo Cunha] na própria quarta -feira (29), quando ele deu justificativas de que está analisando todos os pedidos juridicamente. Mas queremos uma resposta mais enfática, uma resposta que satisfaça de fato a vontade das ruas”, disse Fernando Silva.

Ministros e líderes do governo têm dito que não existem razões para um possível impeachment da presidenta. Em entrevistas anteriores, Dilma Rousseff disse que não teme o impeachment por entender que não há “base real” para um eventual processo. A presidenta afirmou, ainda, considerar que o assunto tem caráter deluta política contra seu governo.

 *Com informação da Agência Brasil

Outras publicações

MPF é a favor do registro profissional de participantes do programa “Mais Médicos” no Cremeb Médicos cubanos atuam na Bahia. A Procuradoria Regional dos Direitos dos Cidadãos manifestou-se contrária ao pedido liminar do Cremeb, que pleiteia n...
Futura legislatura do Congresso tem 142 dispositivos constitucionais para regulamentar A Constituição Federal completa 22 anos no mês que vem. Passadas mais duas décadas, ela ainda tem 142 dispositivos que dependem de regulamentação pelo...
Papa Francisco “está determinado” em avançar com reformas na Igreja Papa Francisco quer promover profundas reformas na igreja. O papa Francisco "está determinado" em avançar com as reformas na Igreja, depois do extra...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br