Intersindical lança campanha pela criação do ‘Salário Mínimo Regional’ na Bahia

Logomarca Intersindical.

Intersindical defende criação de salário mínimo regional para a Bahia.

No Brasil, os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul já implementaram o Salário Mínimo Regional.

A Intersindical, central sindical de âmbito nacional e com sede na Bahia, lança nesta semana,  Campanha a favor da implementação de um salário mínimo regional baiano. Essa proposta, já apresenta-se como realidade concreta em quatro  estados brasileiros: São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Paraná. No Rio Grande do Sul , há cinco faixas salariais que oscilam entre R$1.006,88 e R$ 1.276,00 abrangendo diversas categorias e ofícios. No Paraná, os valores são disponibilizados em quatro faixas e variam de R$ 1.032,02 a 1.192,45. Em São Paulo, são apenas duas faixas, a primeira de R$ 905,00 e a segunda de R$ 920,00 e, no Rio de Janeiro, existem oito faixas, cuja menor tem o valor de R$ 953,47 e a maior chega a R$ 2.432,72.

O Secretário-Geral da Intersindical, Kleber Rosa, propõe que seja criada uma Comissão de Estudos com os diversos sindicatos baianos, empresários e representantes da gestão governamental para realizar uma pesquisa de caráter socioeconômico, discutir, planejar e elaborar o projeto do  Salário Mínimo Regional da Bahia. ” Qualquer mudança no salário mínimo vai gerar uma repercussão muito grande na economia. Na região Nordeste temos uma quantidade muito elevada de pessoas que vivem apenas do salário mínimo nacional”, destaca.

Entretanto, o sindicalista e Sociólogo, Kleber Rosa, salienta que a proposta de criar um Salário Mínimo Regional baiano deve ser coerente, a economia tem que suportar pagar e não pode representar novas despesas ao Estado, caso contrário, o Governo não vai querer aprovar. ” A ideia da implementação de um Salário Mínimo Regional deve ter como objetivo beneficiar a sociedade  de uma forma ampla e irrestrita.  Ao melhorar a renda familiar, vamos movimentar mais o mercado de consumo. O comércio e a indústria vão ampliar as vendas e os lucros”, frisa Rosa. Segundo ele, essa Campanha foi discutida por integrantes da Intersindical e lideranças  dos movimentos sociais e apontada como uma ” Medida Anti-Crise”.

Kleber Rosa lembra que, em 1940, o Decreto-Lei 2162, determinou que o Salário Mínimo Regional vigorasse com valores distintos e tabelas específicas, totalizando 14 salários mínimos diferentes em todo o Brasil. De acordo com ele, em 1963, o Brasil possuía  38 salários mínimos distintos no país. ” Foi durante a ditadura militar que o salário mínimo deixou de ser regional e  o Estado brasileiro determinou a  unificação burocrática e autoritária, passando o Brasil a ter apenas um salário mínimo nacional  com o mesmo valor extensivo a todo o país”, explica o sindicalista.

O Sociólogo esclarece que a “camisa de força” do salário mínimo unificado para todo território nacional só permaneceu  no Brasil durante 16 anos.  Em 2000, a Lei Complementar 103, autorizou os Estados e o Distrito Federal a estabelecer pisos salariais regionais. Desta forma, o Paraná,  Rio Grande do Sul,  Rio de Janeiro e São Paulo criaram salários mínimos regionais que são reajustados anualmente de acordo com a alteração de valor do salário mínimo “nacional”.

Outras publicações

PROCON negocia com OI idenização para consumidores O Procon-BA, órgão da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), está negociando com a Oi a assinatura de um Termo de Ajustamento de...
Capacitação de produtores moderniza e fortalece a agricultura familiar na bahia Para capacitar pequenos produtores rurais em projetos de mecanização agrícola, o Programa de Combate à Pobreza Rural (PCPR)/Produzir, executado pela S...
Eleições 2014 – Bahia: “Tenho novas ideias e quero fazer mais pelo povo da Bahia”, diz Rui Costa Rui Costa em Euclides da Cunha. O pré-candidato do PT ao governo do estado, Rui Costa, afirmou, neste sábado (31/05/2014), para a população dos terr...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br