Em nota, Instituto Lula emite resposta ao jornal O Globo sobre viagens e eventos do ex-presidente Lula em Portugal e Cuba

Segundo o Instituto, as atividades do ex-presidente Lula foram públicas e amplamente noticiadas.

Segundo o Instituto, as atividades do ex-presidente Lula foram públicas e amplamente noticiadas.

Em nota emitida na sexta-feira (17/07/2015), o Instituto Lula responde ao jornal O Globo sobre viagens e eventos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Portugal e Cuba. Segundo o Instituto, as atividades do ex-presidente Lula foram públicas e amplamente noticiadas.

Confira o teor da nota

Resposta ao jornal O Globo: viagens e eventos do ex-presidente Lula em Portugal e Cuba foram públicos e amplamente noticiados

Nesta sexta (17), o jornal O Globo procurou o Instituto Lula com perguntas sobre viagens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Portugal e Cuba, e suposto agendamento de reunião no Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES).  Usando como base telegramas diplomáticos trocados entre embaixadas brasileiras e o Ministério das Relações Exteriores, o jornal pergunta sobre viagens e reuniões do ex-presidente.

Em vista da solicitação do jornal, a assessoria de imprensa do Instituto Lula informou ao jornal O Globo que entre 21 e 23 de outubro o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve em Portugal, cumprindo uma extensa agenda e essa informação, como todas de viagens do ex-presidente, é pública e foi informada à imprensa na época.

Sobre Cuba, encaminhamos o texto do release que informa sobre a visita a Mariel:

http://www.institutolula.org/raul-castro-recebe-lula-em-cuba

A visita também foi acompanhada pela imprensa internacional, nos links abaixo, as agências EFE e AFP:

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/02/lula-considera-porto-de-mariel-como-referencia-para-america-latina.html

http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2014/02/26/lula-e-raul-castro-percorrem-porto-cubano-financiado-pelo-brasil.htm

Reproduzimos abaixo as perguntas encaminhadas pela reportagem e a íntegra das respostas:

Por que o ex-presidente atuou a favor da Odebrecht, fazendo gestões junto ao primeiro-ministro português, por exemplo?
O ex-presidente não atuou em favor da Odebrecht , nem fez gestão a favor da empresa. Como o documento mostra,  ele comentou o interesse da empresa brasileira pela empresa portuguesa. Que, aliás, era público há muito tempo, como indica matéria do jornal Público de outubro de 2013, da qual segue o link: http://www.publico.pt/economia/noticia/odebrecht-interessada-na-privatizacao-da-egf-1608053  

São inúmeras as empresas brasileiras que acompanham com interesse o processo de privatizações em curso em Portugal. A Azul, empresa brasileira, acabou de comprar a TAP, por exemplo.

O presidente recebeu pagamento para fazer lobby para a Odebrecht nas situações citadas acima?
Não. O ex-presidente não recebeu, não recebe e jamais receberá qualquer pagamento de qualquer empresa para dar consultoria, fazer lobby ou tráfico de influência. No caso da Odebrecht, como de dezenas de outras empresas, ele recebeu pagamento para fazer palestras para funcionários, empresários ou diretores. E elas foram pagas através de notas fiscais e tiveram seus impostos recolhidos. Palestras assim são feitas também por diversos ex-presidentes brasileiros e estrangeiros, jornalistas, esportistas e artistas.

Por que o ex-presidente agendou uma reunião no BNDES para o embaixador do Zimbábue no Brasil?
O ex-presidente não “agendou uma reunião”, o evento ao qual o telegrama se refere, no dia 3 de maio de 2012, foi público, um grande seminário comemorativo dos 60 anos do banco, com mais de 500 pessoas presentes, entre elas embaixadores ou delegações de todos os países africanos, na sede do BNDES. O seminário em questão teve em sua mesa uma delegação de dez dirigentes da União Africana, pois o seu tema era o desenvolvimento na África. Não só o embaixador do Zimbábue foi convidado pelo banco, mas os outros 36 embaixadores africanos no Brasil também. O evento foi coberto pela imprensa e foi o primeiro evento público com participação do ex-presidente após o tratamento contra o câncer. Inclusive O Globo também cobriu, vejam essa matéria do G1 e da France Press, segue link: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/05/lula-critica-paises-ricos-e-fmi-em-seu-primeiro-discurso-publico-apos-cancer.html

O evento também foi noticiado no site do BNDES: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Sala_de_Imprensa/Noticias/2012/institucional/20120503_seminario.html

O ex-presidente costuma intermediar reuniões no BNDES com empresários e mandatários de outros países?
O ex-presidente NUNCA intermediou reuniões de empresários com mandatários de outros países

O ex-presidente considera que agiu legalmente ao solicitar tais reuniões?
Vide resposta acima.

Como o ex-presidente avalia seus encontros com altos dirigentes da Odebrecht?
Da mesma forma que avaliamos os encontros com quaisquer “altos dirigentes” de outras grandes empresas, dos mesmos setores ou de outros setores como comunicação, financeiro, alimentício, agrícola ou tecnologia. Ou os encontros com dirigentes sindicais, de movimentos sociais, artistas e sindicais etc…

Gostaríamos de complementar dizendo que o Globo fez um grande fuzuê, com manchete de primeira página sobre os documentos do Itamaraty durante a presidência de Lula, mas depois, quando os documentos se tornaram públicos e revelaram a atuação positiva do ex-presidente Lula, não localizamos nenhuma matéria do jornal sobre o assunto, o que talvez tenha causado estranhamento aos seus leitores, que talvez achem que os documentos não foram publicizados. Por isso segue matéria que fizemos sobre os documentos ignorados pelo jornal: http://www.institutolula.org/telegramas-do-itamaraty-veja-o-que-lula-fazia-em-suas-viagens-pelo-mundo

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.