BRT de Feira de Santana: Prefeitura emite nota e fala em fé, esperança e no desejo de realizar a obra

Após grave derrota judicial, Prefeitura de Feira de Santana emite nota afirmando que vi recorrer da decisão, e diz ter fé e esperança m decisão favorável.

Após grave derrota judicial, Prefeitura de Feira de Santana emite nota afirmando que vi recorrer da decisão, e diz ter fé e esperança m decisão favorável.

Em nota pública emitida na noite de hoje (15/07/2015), a Prefeitura Municipal de Feira de Santana (PMFS) comenta a decisão judicial de suspensão das obras do BRT, proferida pelo juiz de direito da 2ª Vara da Fazenda Pública Roque Ruy Barbosa de Araújo.

Na nota, o poder executivo municipal afirma que buscou recursos para promover investimentos, e que realizou processo licitatório dentro da lei. Com crítica velada ao litigante, Defensoria Pública do Estado, a prefeitura afirma que os Ministérios Públicos Federal e Estadual apresentaram posição favorável à implantação do projeto. Eles comentam, também, sobre uma batalha jurídica em que saíram vitoriosos, e que estão utilizando os meios jurídicos cabíveis com a finalidade de reverter a decisão judicial. Por fim, falam em “fé e esperança” de que a decisão judicial seja revista.

Confira o teor da nota pública

O Município de Feira de Santana trabalhou arduamente, para atingir o objetivo de toda grande cidade brasileira nos dias atuais: viabilizar recursos para investir na mobilidade urbana. Várias dessas metrópoles ainda não conseguiram. Feira de Santana,  porém,  não apenas teve aprovado o seu projeto,  mas assinou contrato com a Caixa Econômica Federal para a implantação do BRT,  uma das mais viáveis soluções para o transporte público. A obra já foi iniciada.

Contrato celebrado após o Governo Municipal ter atendido a todas as exigências da Secretaria do Tesouro Nacional,  da própria CEF e, mais ainda, do Ministério Público Federal e do Ministério Público Estadual.

O processo licitatório para contratação da empresa responsável pela execução do projeto aconteceu sob os ditames da lei e com ênfase à economia de recursos públicos, alcançando, assim, uma redução de R$ 10 milhões em relação ao custo previsto para a implantação do BRT.

Recentemente, e por coincidência imediatamente após o início dos trabalhos da empresa responsável pelas obras, a Defensoria Pública Estadual, ignorando a posição favorável do projeto  pelos órgãos ministeriais, ingressou com uma ação civil pública na vara da Fazenda Pública para tentar, por força de liminar, suspender a obra.

A autoridade judicial, coerentemente, solicitou informações ao Governo Municipal e a empresa vencedora da licitação. Nada mais legítimo. Ouvir as partes deve ser sempre uma preocupação do Poder Judiciário,  para formar seu veredito.

Não obstante a decisão da instância local, de dar ouvidos as partes acionadas, a Defensoria Pública volta a manifestar-se, desta feita com agravo ao Tribunal de Justiça do Estado sob as mesmas alegações.  Este segundo intento, igualmente, não obteve decisão sumária quanto ao  propósito dos senhores defensores.

Retornando a vara da Fazenda Pública, os ilustres integrantes da Defensoria Pública acionaram o excelentíssimo juiz substituto Roque Rui Barbosa com a mesma petição das medidas anteriores. Desta vez, ainda sem que o Município fosse previamente ouvido, decidiu-se liminarmente pela suspensão das obras do BRT.

A Procuradoria Geral deste Município, notificada, providencia os esclarecimentos necessários. O Governo Municipal de Feira de Santana estará utilizando de todos os instrumentos legais possíveis para que, jurídica e democraticamente,  garanta a população desta cidade o direito aos avanços projetados em seu sistema transporte público.

Temos fé e esperança, firmes, de que a cidade não será prejudicada com o impedimento de uma obra de tamanha magnitude para a mobilidade urbana. Lutaremos com todas as nossas forças nesse sentido.

Prefeitura Municipal de Feira de Santana (PMFS), 15 de julho de 2015.

Leia +

BRT de Feira de Santana: Prefeitura emite nota e fala em fé, esperança e no desejo de realizar a obra

Magistrado Roque Rui determina suspensão da implantação BRT e multa diária de R$ 50 mil contra a Prefeitura de Feira de Santana

Em 68 páginas, 12 defensores públicos apresentam argumentos jurídicos e técnicos para que o BRT não seja implantado em Feira de Santana

Cientista Social ingressa com representação no MPF contra projeto do BRT de Feira de Santana, por grave violação constitucional e falta de adequados estudos científicos

Baixe

Decisão judicial de Roque Ruy Barbosa de Araújo contra implantação do BRT de Feira de Santana, deferida em 15 de julho de 2015

Mandado de intimação referente a decisão do juiz Roque Ruy Barbosa de Araújo contra implantação do BRT de Feira de SantanaRepresentação contra PMFS e CEF sobre projeto do BRT

Ação da Defensoria Pública contra a implantação do BRT em Feira de Santana

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.