Associação Feirense dos Engenheiros emite nota e diz conhecer e apoiar a ação da Defensoria Pública do Estado da Bahia

Vista aérea da Avenida Getúlio Vargas em Feira de Santana. Avenida será impactada por obras do BRT. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)

Vista aérea da Avenida Getúlio Vargas em Feira de Santana. Avenida será impactada por obras do BRT. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)

Em nota divulgada na terça-feira (28/07/2015), Sergio Ricardo Dias Marques, presidente da Associação Feirense dos Engenheiros (AFENG), comenta sobre o processo de implantação do BRT de Feira de Santana. Segundo o engenheiro, “com o conhecimento dos autos da Defensoria Pública do Estado da Bahia, a AFENG, reconhece e apoia o conteúdo desse documento, que culminou no embargo das obras do BRT de Feira de Santana.”. O presidente também informa que a entidade pretende realizar seminário com a finalidade de debater o modelo e o processo de implantação do BRT.

Confira o teor da ‘Nota pública – BRT Feira’

A implantação do SIT – Sistema Integrado de Transporte no ano de 2005 buscou resolver dois graves problemas até então para a cidade de Feira de Santana no transporte público, o primeiro a falta de integração entre linhas, e o segundo a enorme evasão de divisas para o transporte alternativo. No entanto o conceito estabelecido para a integração e a radical mudança nos itinerário das linhas, levou o sistema a apresentar grandes deficiências, seja do ponto de vista da qualidade do serviço prestado aos usuários, ou desequilíbrio financeiro para as empresas de transporte público da cidade. De acordo com os dados apresentados pela prefeitura municipal de Feira de Santana, do ano de 2006 até o ano de 2013 cerca de 3.969.039 de passagens deixaram de ser pago por ano no sistema convencional de transporte público, o que representa um encolhimento de 17,4 % do mesmo, ao passo que a cidade cresceu 7,2 % no mesmo período.

Diante da grave crise do transporte público de Feira de Santana, a Associação Feirense dos Engenheiros (AFENG) vem acompanhando todo o processo, analisando dados de pesquisas oferecidas pelo poder público estadual e municipal. Resolveu assim se posicionar de forma técnica e objetiva com a finalidade de buscar soluções imediatas e sensatas para o desenvolvimento do transporte coletivo de Feira de Santana.

De posse dos estudos apresentados pela prefeitura e também pelos questionamentos feitos pela sociedade civil organizada, sobre a eficácia de um sistema de transporte verdadeiramente novo e capaz de atender a mobilidade urbana da cidade, a AFENG vem construindo debates rotineiros com os associados e com o apoio de profissionais da área de transporte. Está sendo realizados estudos na área por uma consultoria especializada, sobre uma necessária revisão aos projetos até então apresentados.

Com o conhecimento dos autos da Defensoria Pública do Estado da Bahia, a AFENG, reconhece e apóia o conteúdo desse documento, que culminou no embargo das obras do BRT de Feira de Santana.

A associação fará um seminário no dia 18 de agosto de 2015, no qual convidará toda a comunidade feirense, gestores do poder público do município e os órgãos jurídicos envolvidos, com a finalidade de apresentar os resultados obtidos, a partir da análise dos estudos desenvolvidos na cidade sobre mobilidade urbana.

Sergio Ricardo Dias Marques, Presidente

Feira de Santana, 28 de agosto de 2015.

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.